A publicidade-documentário e a construção discursiva do efeito de real em prol da causa LGBTQ

Leonardo Mozdzenski

Resumo


Neste artigo, proponho investigar a publicidade contemporânea sexo-diversa, isto é, com temática LGBTQ, atentando para o modo como ela dá voz e visibilidade às subjetividades e aos corpos queer, que subvertem os padrões de gênero e sexualidade. Em especial, minha ênfase recai sobre a construção e as contradições do que denomino publicidade-documentário, constituída a partir da apropriação e transformação de elementos, linguagens e estéticas dos documentários, com o fim de evocar um "efeito de real" nas propagandas. Como exemplos, foram selecionados os filmes publicitários A mágica de Liniker (2016), Toda mulher vale muito (2016) e Absolutas (2017). As discussões teóricas encontram-se fundamentadas em Iribure (2008), Nichols (2016), Melo (2002), Covaleski (2015), Butler (1993), Rocha (2001), Hoff (2016), Bakhtin (2010), entre outros.

Palavras-chave


Publicidade; documentário; engajamento; causa LGBTQ; efeito de real.

Texto completo:

PDF

Referências


BAKHTIN, M. Questões de literatura e estética: a teoria do romance. 6.ed. São Paulo: Hucitec, 2010.

BAUDRILLARD, J. A sociedade de consumo. Lisboa: Edições 70, 2005.

BERNARD, S.C. Documentary storytelling: making stronger and more dramatic nonfiction films. 2.ed. Burlington: Elsevier, 2007.

BRAGAGLIA, A.P. (Org.). Ética na publicidade: por uma nova sociedade de consumo. Rio de Janeiro: Multifoco, 2017.

BUTLER, J. Bodies that matter: on the discursive limits of sex. New York: Routledge, 1993.

_____. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

CARVALHO, N. Linguagem da publicidade. Recife, Ed. UFPE, 2014.

CHARAUDEAU, P. Discurso das mídias. 2.ed. São Paulo: Contexto, 2010.

COVALESKI, R. Cinema e publicidade: intertextos e hibridismos. Rio de Janeiro: Confraria do Vento, 2015.

_____. Narrativa como estratégia publicitária para ações de responsabilidade social e de políticas de consumo sustentável. In: CASTRO, M.G.; CAIRES, C.S.; RIBAS, D.; PALINHOS, J. (Eds.). Cartografia das fronteiras da narrativa audiovisual. Porto: Universidade Católica Editora, 2016. p. 60-69.

_____. Responsabilidade, Solidariedade e Sustentabilidade: causas sociais no Cannes Lions Innovation Festival 2015. In: XXXVIII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, 2015, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: UFRJ, 2015a.

DIDI-HUBERMAN, G. Quando as imagens tocam o real. Pós, v. 2, n. 4, p. 2014-219, nov. 2012.

DOMINGUES, I. Publicidade de controle: consumo, cibernética, vigilância e poder. Porto Alegre: Sulina, 2016.

DROGUETT, J.G.D.; POMPEU, B. Dicionário técnico de comunicação publicitária: conceitos fundamentais. São Paulo: Cia. dos Livros, 2012.

DURÁN, A. Plumofobia, racismo y discriminación en las apps de ligue gay. Vice, 13/02/2017. Disponível em: http://bit.ly/2CLga7D. Acesso em: 14 nov. 2018.

FARACO, C. Linguagem e diálogo: as idéias linguísticas do Círculo de Bakhtin. São Paulo: Parábola, 2010.

FEENSTRA, R.A. Ética de la publicidad: retos en la era digital. Madrid: Dykinson, 2014.

FELDMAN, I. O apelo realista. Famecos, n. 36, p. 61-68, ago. 2008.

FERREIRA, G.G.T.; TAVARES, F. Natureza líquida: as modelagens marcárias e a publicidade verde. Curitiba: Appris, 2017.

GAUTHIER, G. O documentário: um outro cinema. Campinas, SP: Papirus, 2011.

GOVATTO, A.C.M. Propaganda responsável: é o que todo anunciante deve fazer. São Paulo: Senac, 2007.

HOFF, T. Comunicação publicitária: dos regimes de visibilidade do corpo diferente às biossociabilidades do consumo. In: _____. (Org.). Corpos discursivos: dos regimes de visibilidade às biossociabilidades do consumo. Recife: Ed. UFPE, 2016. p. 19-40.

IRIBURE, A. As representações das homossexualidades na publicidade e propaganda veiculadas na televisão brasileira: um olhar contemporâneo das últimas três décadas. 2008. 309f. Tese (Doutorado em Comunicação e Informação) – Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação, UFRGS, Porto Alegre, 2008.

JAGUARIBE, B. O choque do real: estética, mídia, cultura. Rio de Janeiro: Rocco, 2007.

LILY, S. Adiós, Chueca – Memorias del gaypitalismo: creando la marca gay. Madrid: Askal, 2016.

LÓPEZ, A.L. Comunicación con sentido: consumo responsable. In: MARTÍN, L.R. (Org.). Publicidad y consumo: nuevas modas, viejas causas y valores sociales. Sevilla: Comunicación Social, 2008. p. 64-85.

MARTÍN REQUERO, M.I. Comunicación con causa: las causas de la publicidad. In: MARTÍN, L.R. (Org.). Publicidad y consumo: nuevas modas, viejas causas y valores sociales. Sevilla: Comunicación Social, 2008. p. 13-41.

MELO, C.T.V. O documentário como gênero audiovisual. Comun. Inf., v. 5, n. 1/2, p. 25-40, jan./dez. 2002.

MUKHERJEE, R.; BANET-WEISER, S. (Eds.). Commodity activism: cultural resistance in neoliberal times. New York: New York University Press, 2012.

NICHOLS, B. Introdução do documentário. Campinas: Papirus, 2005.

_____. Introdução do documentário: nova edição. 6.ed. Campinas: Papirus, 2016.

NOS ALDÁS, E. Lenguaje publicitario y discursos solidarios: eficacia publicitaria, ¿eficacia cultural? Barcelona: Icaria, 2007.

PACHECO RUEDA, M. El discurso disidente de la contrapublicidad verde. Pensar la Publicidad, v. III, n. 1, p. 55-82, 2009.

PENAFRIA, M. O ponto de vista no filme documentário. Covilhã: Universidade da Beira Interior, 2001. Disponível em: http://bit.ly/2Bfvt8d. Acesso em: 14 nov. 2018.

PONTES, F.; TAVARES, F. Ecosofia das marcas: as três ecologias na publicidade verde. Curitiba: Appris, 2017.

PRECIADO, P.B. Entrevista a Jesús Carrillo. Cadernos Pagu, v. 28, p. 375-405, 2007.

PRINGLE, H.; THOMPSON, M. Marketing social. São Paulo: Makron Books, 2000.

RAMOS, F.P. Mas afinal... o que é mesmo documentário? 2.ed. São Paulo: Senac, 2013.

_____. O que é documentário? In: RAMOS, F.P.; CATANI, A. (Orgs.). Estudos de Cinema SOCINE 2000. Porto Alegre: Sulina, 2001. p. 192-207.

ROCHA, E. A mulher, o corpo e o silêncio: a identidade feminina nos anúncios publicitários. Alceu, v. 2, n. 3, p. 15-39, jul./dez. 2001.

_____. Magia e capitalismo: um estudo antropológico da publicidade. São Paulo: Brasiliense, 1990.

STARK, J. ‘Pink washing’: marketing stunt or corporate revolution? The Sydney Morning Herald, 6 jun. 2015. Disponível em: https://bit.ly/2OLKW6D. Acesso em: 14 nov. 2018.

WEEKS, J. O corpo e a sexualidade. In: LOURO, G.L. (Org.). O corpo educado: pedagogias da sexualidade. 2.ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2000. p. 35-82.

ZENONE, L.C. Marketing social. São Paulo: Thomson Learning, 2006.




DOI: https://doi.org/10.34176/icone.v17i2.238965

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Sem derivações 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons

A Revista Ícone está sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial CC BY-NC 4.0.

Classificação de Periódicos 2013-2016, CAPES: B4 (Comunicação e Informação)

ISSN 2175-215X

© 1996-2019 Revista Ícone
Programa de Pós-Graduação em Comunicação, UFPE
Av. da Arquitetura, s/n – Cidade Universitária
CEP 50.740-550 Recife (PE), Brasil