A Genealogia em uma analítica do poder: Articulações e contrastes na representação LGBT publicitária

Anderson Scherer, Juliana Petermann

Resumo


 O presente artigo parte de alguns estudos genealógicos de Michel Foucault com o objetivo de apontar possibilidades de aplicação metodológica para se realizar uma análise das relações de poder. De maneira mais específica encontrar indicações, regras de prudência, precauções de método e problematizações que possam ser utilizadas em uma analítica de poder que tem por objeto a representação LGBT na publicidade. Depreende-se uma análise capilarizada relações de poder entre publicidade e comunidade LGBT, a partir dos efeitos visíveis, das estratégias e táticas de resistência que escapam ao olhar de uma análise de poder vertical e por subordinação.   

 


Palavras-chave


Genealogia; Relações de Poder; Publicidade; LGBT;

Texto completo:

PDF

Referências


ABSOLUT. ABSOLUTAS - Linn Da Quebrada feat. As Bahias e A Cozinha Mineira. < https://www.youtube.com/watch?v=uunqc97qexU&t=1s> Acessado em 20 de setembro de 2018.

CATRACA LIVRE. Anitta é ameaçada de boicote por causa de Jair Bolsonaro. Acessado em 20 de setembro de 2018

CORREIO BRASILIENSE. Excluídas do mercado de trabalho 90% da população Trans e Travesti acaba recorrendo a prostituição. Disponível em Acessado em 30 de novembro de 2018

F5 - FOLHA DE SÃO PAULO.Stylist de Ludmilla rompe parceria com marca de calçados que apoia Jair Bolsonaro. Acessado em 20 de setembro de 2018

FOUCAULT, M. Nietzsche, a genealogia e a história. in: MACHADO, R. (Org.). Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1984, p. 15-37.

____________. Em defesa da Sociedade: Curso no Collège de France (1975 – 1976). São Paulo: Martins Fontes, 1999. P. 27 – 48.

____________. História da sexualidade I: a vontade de saber. Rio de Janeiro: Graal, 1988.

____________. O sujeito e o poder. in: RABINOW, P. & DREYFUS, h. M. Foucault: uma trajetória filosófica. Rio de Janeiro: Forense-Universitária, 1995, P. 231-249

____________. Vigiar e punir. Petrópolis: Vozes, 1987.

FILHO, P.K. A genealogia como método histórico de análise de práticas e relações de poder. Revista de Ciências Humanas, Florianopolis, v. 51, n. 2, p. 311-327, jul-dez 2017.

MEIO E MENSAGEM. Combate ao assédio. O que as agências estão fazendo? Acessado em 20 de Setembro de 2018

Mapa dos Assassinatos de Travestis e Transexuais no Brasil no ano de 2017 – ANTRA – Disponível em Acessado em 30 de novembro de 23018

NUNAN, Adriana. Homossexualidade: do preconceito aos padrões de consumo. Rio de Janeiro: Caravansarai, 2003.

Pajubá - Diversidade em rede. . Acessado em 20 de Setembro de 2018

QUEBRADA, Linn da (@linndaquebrada). “acabei de passar uma puta situação de constrangimento com a @uber_Brasil e não é a primeira vez, lógico. Onde o motorista chega no local de embarque e se recusa a me deixar entrar no carro porque eu sou travesti. E aee @uber_brasil, já recalquei d problemas assim, de assédio...” Twitter. 20 de agosto de 2018. 19:23. Disponível em < https://twitter.com/linndaquebrada> acessado em 30 de novembro de 2018

RODRIGUES, André Iribure. As representações das homossexualidades na publicidade e propaganda veiculadas na televisão brasileira: um olhar contemporâneo das últimas três décadas. 2008. 309p. Tese (Doutorado em Comunicação) –UFRGS, Porto Alegre, 2008.

RODRIGUES, André Iribure; CARVALHO, Amanda de. Desde a Década de Setenta, em Setenta Comerciais: as representações LGBT na publicidade e propaganda veiculadas na televisão brasileira. In. X Alcar. Encontro Nacional de História da Mídia. 2015

ROSE, Nikolas. Inventando nossos Selfs. Psicologia, poder e subjetividade. Petrópolis – RJ. Vozes, 2011.

UBER. Sobre Uber pride no brasil. https://www.uber.com/pt-BR/blog/sobre-uber-pride-no-brasil/. Acessado em 26 de novembro de 2018.

UBER, Brasil (@uber_brasil) Disponível em

WOTTRICH, Laura. “NÃO PODEMOS DEIXAR PASSAR”: práticas de contestação da publicidade no início do século XXI. 2017. Tese (Doutorado em Comunicação) UFRGS. Porto Alegre, 2017.




DOI: https://doi.org/10.34176/icone.v17i2.239070

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Sem derivações 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons

A Revista Ícone está sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial CC BY-NC 4.0.

Classificação de Periódicos 2013-2016, CAPES: B4 (Comunicação e Informação)

ISSN 2175-215X

© 1996-2019 Revista Ícone
Programa de Pós-Graduação em Comunicação, UFPE
Av. da Arquitetura, s/n – Cidade Universitária
CEP 50.740-550 Recife (PE), Brasil