Do nome ao caráter: analisando a marca contemporânea enquanto dispositivo de discursividade social

André Bomfim dos Santos

Resumo


A transformação das marcas em dispositivos de discursividade social ou em formas-marcas (SEMPRINI, 2010), aliada ao processo de desconfiguração da comunicação publicitária (CAMILO, 2010), tem permitido à marca contemporânea uma maior flexibilidade na abordagem de questões sociais. Assim como a sua imiscuidade em esferas de ação e expressão social. Através de estudo de caso da produção simbólica da marca Itaú (SANTOS, 2018), o presente estudo reflete sobre a constituição da forma-marca em elemento agregador e disseminador de discursos, imagens, narrativas e ações, que vão além da referencialidade comercial, mobilizando questões sociais, culturais e políticas relevantes de seu tempo. Busca-se uma compreensão mais crítica do que mercadológica, apontando para desdobramentos como as implicações da expansão semântica e discursiva das marcas em esferas públicas e até políticas.


Palavras-chave


Publicidade; marca; comunicação; consumo midiático

Texto completo:

PDF

Referências


BARROS, Diana Luz Pessoa de. Publicidade e figurativização. Alfa: Revista de Linguística, São Paulo, UNESP, v. 48, n. 2, 2004. Disponível em: . Acesso: 28 maio 2018.

BATEY, Mark. O significado da marca: como as marcas ganham vida na mente dos consumidores. Rio de Janeiro: Best Business, 2010.

CAMILO, Eduardo J.M. Ensaios de comunicação estratégica. Covilhã: Livros LabCom, 2010.

COELHO, Cláudio Novaes Pinto. A publicidade e a cultura contemporânea: uma visão crítica. In: PEREZ, Clotilde; BARBOSA, Ivan Santo (Orgs.). Hiperpublicidade. São Paulo: Thomson Learning, 2007. v. 2. p. 155-183.

FONTENELLE, Isleide Arruda. Cultura do consumo: fundamentos e formas contemporâneas. Rio de Janeiro: FGV, 2017.

FUNDAÇÃO ITAÚ SOCIAL. Ata da reunião conjunta do conselho curador e da diretoria de 10 de março de 2016. São Paulo, SP, 2016. Disponível em: . Acesso em: 15 jan. 2018.

GRANDES NOMES da propaganda. O marketing do Banco Itaú. YouTube, 21 dez. 2015. (12m35s). Disponível em: . Acesso em: 25 jul. 2017.

HAVAS WORLDWIDE. Building brands that matter. Prosumer Report, vol. 17, 2013. Disponível em: . Acesso em: 20 jul. 2015.

HJARVARD, Stig. A midiatização da cultura e da sociedade. São Leopoldo: UNISINOS, 2014.

INTERBRAND BRASIL. Marcas brasileiras mais valiosas 2017 – Ranking. São Paulo, 2017. Disponível em: . Acesso em: 24 out. 2018.

ITAÚ CULTURAL. Itaú Cultural – quem somos. [S.a.]. Disponível em: . Acesso em: 15 jan. 2018.

ITAÚ SOCIAL. Itaú Social. 2018. Disponível em: . Acesso em: 15 jan. 2018.

ITAÚ UNIBANCO S.A. Nossas atitudes. [S.a.]. Disponível em: . Acesso em: 15 jan. 2018.

ITAÚ UNIBANCO S.A. Relatório Anual Consolidado 2016. São Paulo, 2017. Disponível em: . Acesso em: 15 jun. 2017.

KANTAR IBOPE MEDIA. Anunciantes – janeiro a junho 2017. São Paulo, 14 ago. 2017. Disponível em: . Acesso em: 15 jan. 2018.

KOTLER, Philip; KARTAJAYA, Hermawan; SETIAWAN, Iwan. Marketing 3.0. São Paulo: Elsevier, 2010.

MARK, Margaret; PEARSON, Carol S. O herói e o fora-da-lei: como construir marcas extraordinárias usando o poder dos arquétipos. São Paulo: Cultrix, 2003.

McCRACKEN, Grant. Cultura e consumo II: mercados, significados e gerenciamento de marcas. Rio de Janeiro: Mauad, 2012.

NUDD, Tim. See All 23 Grand Prix Winners From the 2017 Cannes Lions Festival. Adweek, Nova Iorque, 26 jun. 2017. Disponível em: < https://www.adweek.com/creativity/see-all-23-grand-prix-winners-from-the-2017-cannes-lions-festival/>. Acesso em: 25 jul. 2018.

O QUE SÃO ativos intangíveis. Juris Labore Inovação Empresarial. Porto Alegre, 11 ago. 2015. Disponível em: . Acesso em: 15 jan. 2018.

PÉNINOU, Georges. O sim, o nome e o caráter. In: MARCUS-STEIFF, Joachim et al. Os mitos da publicidade. Petrópolis: Vozes, 1974.

ROBERTS, Kevin. Lovemarks: o futuro além das marcas. São Paulo: M. Books, 2005.

ROCHA, Everardo. A sociedade do sonho: comunicação, cultura e consumo. 2. ed. Rio de Janeiro: Mauad, 1995.

SEMPRINI, Andrea. A marca pós-moderna: poder e fragilidade da marca na sociedade contemporânea. 2. ed. São Paulo: Estação das Letras e Cores, 2010.

TAPSCOTT, Don. Wikinomics: how mass collaboration changes everything. New York: Penguin, 2007.

TOSCANI, Oliviero. A publicidade é um cadáver que nos sorri. Rio de Janeiro: Ediouro, 1995.




DOI: https://doi.org/10.34176/icone.v17i2.239085

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Sem derivações 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons

A Revista Ícone está sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial CC BY-NC 4.0.

Classificação de Periódicos 2013-2016, CAPES: B4 (Comunicação e Informação)

ISSN 2175-215X

© 1996-2019 Revista Ícone
Programa de Pós-Graduação em Comunicação, UFPE
Av. da Arquitetura, s/n – Cidade Universitária
CEP 50.740-550 Recife (PE), Brasil