A solidão da luz (o objeto-livro e as estratégias de sentido no século XXI)

Alcebiades Diniz Miguel

Resumo


Em termos conceituais, o livro apresenta um curioso paradoxo: como ideia, noção, conceito, sua manifestação acontece simultaneamente a partir de seu uso (a maneira como absorvemos seu conteúdo), de seu conteúdo em si (aquilo que poderíamos denominar de plano semântico) e de sua forma, seu exterior, a maneira como ele se apresenta ao seu potencial usuário. Ou seja, o livro se manifesta através de uma interação tripartida entre operacionalidade, conteúdo e forma. Algumas tendências editoriais, como o movimento Private Press surgido na Inglaterra no século XIX, trabalharam a questão formal de maneira mais intensa, buscando transformar o livro em um objeto de arte e descobrindo novas possibilidades do encadeamento conceitual entre a maneira como recebemos o livro e percebemos seu conteúdo. Um desses movimentos despontou, de forma subterrânea (mas já perceptível) na Europa, aglutinando novos autores na busca de um Livro como objeto único, concreto, na era da desintegração virtual.



Palavras-chave


Livro; Literatura Fantástica; Estratégias de Sentido; Formas Narrativas

Texto completo:

PDF

Referências


Referências

Livro

BRØNDAL, Viggo. Essais de Linguistique Générale. Copenhague: Ejnar Munksgaard, 1943.

GENETTE, Gérard. Paratexts: Thresholds of interpretation. Cambridge: University of Cambridge Press, 1997.

HELL, Julia. Imperial Ruin Gazers, or Why Did Scipio Weep?. In: HELL, Julia; SCHÖNLE, Andreas (eds.). Ruins of Modernity. Durham and London: Duke University Press, 2010.

MURPHY, Damian. A Distillate of Heresy. Bucharest/Düsseldorf:Les Éditions de L'Oubli, 2014.

_____________ ; POLUS, Geticus (eds.). And the Whore is This Temple. Bucharest: Mount Abraxas, 2016.

OLIVER, Reggie. Virtue in Danger or The Princess and the Actor: A Metaphysical Romance. Bucharest/Düsseldorf: Zagava & Ex Occidente Press, 2013.

PETERSON, William S. The Kelmscott Press: A History of William Morris's Typographical Adventure. Berkeley: University of California Press, 1991.

ZILBERBERG, Claude. Razão e Poética do Sentido. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2006.

_______________. Elementos de semiótica tensiva. São Paulo: Ateliê Editorial, 2011.

Artigo na internet

BEIVIDAS, Waldir. A teoria da linguagem de Hjelmslev: uma epistemologia imanente do conhecimento. Estudos Semióticos, São Paulo, v. 11, n. 1, p. 01-10, 2015.Disponível em: . Acesso em: 10 dez. 2018.

HARSKAMP, Jaap. A Pocket Cathedral. I Love Typography. Disponível em: . Acesso em: 10 dez. 2018.




DOI: https://doi.org/10.34176/icone.v17i3.239604

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Sem derivações 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons

A Revista Ícone está sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial CC BY-NC 4.0.

Classificação de Periódicos 2013-2016, CAPES: B4 (Comunicação e Informação)

ISSN 2175-215X

© 1996-2019 Revista Ícone
Programa de Pós-Graduação em Comunicação, UFPE
Av. da Arquitetura, s/n – Cidade Universitária
CEP 50.740-550 Recife (PE), Brasil