Por uma teoria do som no cinema de horror

Rodrigo Carreiro

Resumo


É voz comum entre pesquisadores do cinema que o papel do som nos filmes de horror é mais importante do que em outros gêneros fílmicos. O objetivo deste artigo é compreender porque o horror favorece mais o uso criativo do som do que outros tipos de filmes. A partir dessa questão, e levando em consideração a relação estreita entre tecnologia e estética sonora, tentaremos identificar e analisar as principais tendências estilísticas e os mais recorrentes padrões de utilização de voz, efeitos sonoros e musica, a fim de traçar apontamentos iniciais que permitam o desenvolvimento de uma base conceitual para a concepção de uma teoria do som no cinema de horror.

Palavras-chave


Horror; sound design; voz; efeitos sonoros; música

Texto completo:

PDF

Referências


BAIRD, Stuart. “The startle effect: implications for spectator cognition and media theory”. Film Quarterly, n. 53, v. 3, Los Angeles, 2000, p. 12-24.

BORDWELL, David. The Way Hollywood Tells It: Story and Style in Modern Movies. Los Angeles: University of California Press, 2006.

BUHLER, James; NEUMEYER, David; DEEMER, Rob. Hearing the Movies: Music and Sound in Film History. New York: Oxford University Press, 2010.

BURWELL, Carter. “No Country for Old Music”. The Oxford Handbook of New Ausiovidual Aesthetics (org. John Richardson, Claudia Gorbman, Carol Vernallis). New York: Oxford University Press, p. 168-170, 2013.

CARREIRO, Rodrigo; BELTRAO, Filipe Barros. “Ruídos na canção: o caso de Dançando no Escuro”. Contemporânea, v. 12, n. 1. Salvador: Universidade Federal da Bahia, p. 288-304, 2014.

CARVALHO, Márcia. “Anos 1070: O desenlace da polifonia tropical e a marginalia na música de cinema”. In: LUNA, Rafael (Org.). Nas Trilhas do Cinema Brasileiro. Rio de Janeiro: Tela Brasilis Edições, v. 1, p. 84-95, 2009.

CHION, Michel. A audiovisão: som e imagem no cinema. Lisboa: Texto & Grafia, 2008.

COOKE, Mervyn. A History of Film Music. Cambridge: Cambridge University Press, 2008.

COSTA, Fernando Morais; CARREIRO, Rodrigo; MIRANDA, Suzana Reck. “Uma entrevista com Claudia Gorbman”. Rebeca – Revista Brasileira de Estudos de Cinema e Audiovisual, v. 5, n. 1, 2016, p. 170-188.

COULTHARD, Lisa. "Haptic aurality: resonance, listening and Michael Haneke". Film-Philosophy, v. 16, 2012, p. 16-29.

ELSAESSER, Thomas. “Cinema mundial: realismo, evidência, presença”. In: Realismo fantasmagórico (org. Cecília Mello). São Paulo: Pró-Reitoria de Cultura e Extensão Universitária da USP, 2015. pp. 37-60.

FELTENSTEIN, George. Entrevista. “Three screams for these stars”. USA Today [jornal], 26/04/2007. Entrevista concedida a Thomas K. Arnold. Disponível em http://www.usatoday.com/life/movies/news/2007-04-26-scream-queens_N.htm. Acesso em 30/08/2018.

HUTCHINGS, Peter. The Horror Film. Edinburgh: Pearson Education Limited, 2004.

KASSABIAN, Anahid. “The Sound of a New Film Form”. Popular music and film. Ian Inglis (Org.). London: Wallflower Press, p. 91-101, 2003.

KERINS, Mark. Beyond Dolby (Stereo): Cinema in the digital sound age. Bloomington: Indiana University Press, 2010.

LUCA, Tiago de. “Realismo dos sentidos: uma tendência no cinema mundial contemporâneo”. Realismo fantasmagórico (org. Cecília Mello). São Paulo: Pró-Reitoria de Cultura e Extensão Universitária da USP, p. 61-93, 2015.

OPOLSKI, Débora. Introdução ao Desenho de Som: uma Sistematização Aplicada na Análise do Longa-metragem Ensaio Sobre a Cegueira. João Pessoa: Editora da UFPB, 2013.

PEREIRA, Kira; MIRANDA, Suzana Reck. “Tão Longe é Aqui e a Música dos Ruídos: Aproximações Teóricas Sobre Aspectos do Som no Cinema Contemporâneo”. In: Rebeca – Revista Brasileira de Estudos de Cinema e Audiovisual, v. 5, n. 1. São Paulo: SOCINE, 2016, p. 170-188.

QUINLIVAN, Davina. The place of breath in cinema. Edinburgh: Edinburgh University Press, 2011.

SERGI, Gianluca. “In defense of vulgarity”. Scope, v. 5, n. 1, 2006. Disponível em http://www.scope.nottingham.ac.uk/article.php?id=129&issue=5. Acesso em 29/08/2018.

SMITH, Jeff. “The Sound of Intensified Continuity”. The Oxford Handbook of New Audiovisual Aesthetics (orgs. John Richardson, Claudia Gorbman e Carol Vernallis). New York: Oxford University Press, p. 331-356, 2013.

SOBCHACK, Vivian. Carnal thoughts: embodiment and moving image culture. Berkeley: University of California Press, 2004.

VIEIRA JR, Erly. “Por uma exploração sensorial e afetiva do real: esboços sobre a dimensão háptica do cinema contemporâneo”. Realismo fantasmagórico (org. Cecília Mello). São Paulo: Pró-Reitoria de Cultura e Extensão Universitária da USP, p. 93-113, 2015.

WHITINGTON, William. “Horror sound design”. A companion to the horror film (org. Harry M. Benshoff). West Sussex: Wiley Blackwell, 2014, p. 168-185.




DOI: https://doi.org/10.34176/icone.v17i3.240271

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Sem derivações 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons

A Revista Ícone está sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial CC BY-NC 4.0.

Classificação de Periódicos 2013-2016, CAPES: B4 (Comunicação e Informação)

ISSN 2175-215X

© 1996-2019 Revista Ícone
Programa de Pós-Graduação em Comunicação, UFPE
Av. da Arquitetura, s/n – Cidade Universitária
CEP 50.740-550 Recife (PE), Brasil