Alteridade, diálogo e direitos humanos: Desafios formativos no cenário atual e a perspectiva do interhumano

Maria Betânia do Nascimento Santiago, Ferdinand RÖHR

Resumo



A experiência formativa envolve um amplo leque de questões que tornam o filosofar sobre a educação um grande desafio, especialmente considerando o atual cenário das sociedades contemporâneas. É tarefa de uma filosofia da educação o exercício do pensar sobre essa realidade, que se encontra marcada pela negação de princípios fundamentais à humanização. Nela a afirmação da diferença se configura como um problema, que se alia às formas de indiferença e à ausência de vínculos entre as pessoas. Esse quadro tende a impulsionar o fenômeno da violência, do qual se ocupa o debate sobre os Direitos Humanos. É neste cenário que podemos compreender a exigência de refletir sobre alguns conceitos, e que situamos a problemática da alteridade, como afirmação da essencial diferença do outro. A partir dessa realidade indagamos sobre o papel da educação na constituição de relações mais solidárias no mundo, como possibilidade de que no interior da instituição educativa se compreenda a relação com o outro como modo de ser e sentido do ético. O olhar lançado a essas questões assume as contribuições da antropologia do interhumano de Martin Buber, que, ao reconhecer o primado da relação, do diálogo, nos leva ao sentido do educativo e aos desafios à formação humana em nosso contexto. Desse modo, o trabalho busca articular a problemática anunciada às contribuições advindas dessa filosofia do diálogo, pelo que essa experiência pode oferecer de significativo à compreensão e enfrentamento das questões em pauta, como exigência que se coloca à educação em nossos dias. Alteridade.

Diálogo. Direitos Humanos. Formação Humana. Martin Buber.

abstract

Otherness, dialogue and human rights: Formative challenges in the current scenario and the perspective of the interhuman in Martin Buber

The formative experience involves a wide range of issues that make philosophizing about education a major challenge, especially considering the current scenario of contemporary societies. It is the task of a philosophy of education to exercise the thinking about this reality, which is marked by the denial of fundamental principles to humanization. In it the affirmation of difference is a problem, which is allied to the forms of indifference and the absence of bonds between people. This situation tends to promote the phenomenon of violence, which is the subject of debate on human rights. It is in this scenario that we can understand the need to reflect on some concepts, and that we situate the problem of otherness as an affirmation of the essential difference of the other. From this reality, we inquire about the role of education in the constitution of more solidary relations in the world, as a possibility within the educational institution to understand the relationship with the other as a way of being and a sense of the ethical. The gaze on these questions assumes the contributions of the anthropology of the interhuman of Martin Buber, who, in recognizing the primacy of the relation, of the dialogue, brings us to the educational sense and the challenges to human formation in our context. Thus, the work seeks to articulate the problems announced to the contributions coming from this philosophy of dialogue, so this experience can offer significant to the understanding and confrontation of the issues at hand, as a requirement that is placed on education today.

Otherness. Dialogue. Human rights. Human formation. Martin Buber.



Texto completo:

PDF

Referências


ADORNO, T. W. Educação e Emancipação. Tradução Wolfgand Leo Maar. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1995.

____. Minima Moralia. Tradução de Gabriel Cohn. Rio de Janeiro: Beco do Azougue, 2008.

ARENDT, H. As origens do totalitarismo. Tradução Roberto Raposo. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

____. Homens em tempos sombrios. Trad. de Denise Bottman. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

____. A Condição Humana. Tradução de Roberto Raposo. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2014.

ARISTÓTELES. Ética à Nicômaco. Trad. de Mário da Gama Kury. 3ª. ed. Brasília: Editora da Universidade de Brasília. (1992)

BAUMAN, Z. Comunidade. A busca por segurança no mundo atual. Tradução de Plínio Dentzien. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003.

BONDER, N. Tolerância e o Outro. In. BONDER, N.; SORJ, B. Judaísmo para o Século XX: O rabino e o sociólogo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, p. 43-51, 2001.

____. Exercícios da Alma: a cabala como sabedoria em movimento. Rio de Janeiro: Rocco, 2010.

BRASIL. Plano Nacional de Educação em Direitos Humanos. Brasília, DF: Secretaria de Direitos Humanos; Ministério da Educação, 2006.

BUBER, M. Eu e Tu. Trad. de Nilton A. von Zuben. 2a. edição. São Paulo: Cortez & Moraes, 1979.

____. Distanza Originaria e Relazione. In. Il Princípio Dialógico e altri Saggi. Trad. Andréa Poma. 4a. ed. Torino, Itália: Edizione San Pablo, 1994.

____. Do Diálogo e do Dialógico. Tradução Marta Ekstein de S. Queiroz e Regina Weinber. São Paulo: Perspectiva. (2009) BUBER, M. O caminho do homem segundo o Hassidismo. Tradução Cláudia Abeling. São Paulo: É Realizações, 2011.

____. Sobre Comunidade. Seleção e Introdução de Marcelo Dascal e Oscar Zimmermann. São Paulo: Perspectiva, 2012.

COHN, G. Indiferença, nova forma de barbárie. In. NOVAES, Adauto (org.). Civilização e Barbárie. São Paulo: Companhia das Letras. 2004.

GADAMER, H.-G. Verdade e método: traços fundamentais de uma hermenêutica filosófica. Trad. Flávio P. Meurer. 3. ed. Petrópolis: Vozes, 1999.

KLUBACK, W. Martin Buber: um exilado na terra de Israel. Trad. Marcelo P. Marques. In Revista Síntese Nova Fase. V. 20, pp. 323-339, 1993.

ZUBEN, N. A. Martin Buber: cumplicidade e diálogo. Bauru, SP: EDUSP. 2003.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.