A (re)produção das masculinidades hegemônicas: homens, famílias populares e violações dos direitos humanos

Christina Gladys de Mingareli Nogueira, Marcelo Henrique Gonçalves de Miranda

Resumo


 Este artigo teve como objetivo compreender o lugar do homem/esposo ocupa em famílias de camadas populares, especialmente em situações em que esse homem está desprovido de seu papel tradicional de provedor econômico e é sustentado por sua esposa. Assim, busca-se entender os aspectos relacionados às masculinidades, família e seus desdobramentos em relação aos direitos humanos. Tem-se como sujeitos de pesquisa homens/esposos não provedores em grupos populares, nas comunidades de São Rafael e Padre Hildon Bandeira, ambas localizadas na região metropolitana de João Pessoa/PB. A partir desse contexto, procuramos compreender a situação vivenciada por tais homens levando em consideração a perspectiva de que os homens estão desprovidos do seu poder simbólico de provedores. Assim, buscamos observar como é vivida a masculinidade por homens nos espaços da casa e da rua. Desse modo, a observação combinada com a realização de entrevistas abertas, emergiram como um procedimento metodológico privilegiado na pesquisa antropológica. O campo empírico estudado nos indicou, por um lado, que o modelo hegemônico de masculinidade ao qual cabe ao homem ser o provedor financeiro, exerce uma forte influência como referencial/ideal, levando nossos sujeitos da pesquisa, muitas vezes, a sofrerem e envergonharem-se, escondendo a situação vivida de não serem provedores e elaborando discursos que justificam e desculpam tal ausência de poder econômico. Por outro lado, esse modelo vem atualizado em valores ligados a uma moral de homem-protetor. Vale destacar que há uma violação da dignidade humana nas questões de condições de moradia, acesso a trabalho como atividade ontológica, acesso a uma educação em e para os direitos humanos que possa desestabilizar a hierarquização entre homens e mulheres e entre os homens (masculinidade hegemônica e masculinidade subalterna) além de não promoverem a equidade entre os gêneros e uma sociedade democrática de respeito e aprendizado com as diferenças.

Família. Masculinidade. Direitos Humanos.

The (re)production of hegemonic masculinities: men, underprivileged families and violations of human rights.

Abstract

This article had the goal of comprehend the place of the man/husband in the underprivileged families, especially in the situations where this man is unprovided of his traditional role of economic provider and he is sustained by his wife. Therefore, we intend to understand the aspects related to the masculinities, family and its development on the relation with human rights. We have as subjects of this research men/husbands non-providers in groups of townspeople of the community of São Rafael and Padre Hildon Bandeira, both located in the Metropolitan region of João Pessoa, Paraíba. From this context, we looked for comprehend the situation experienced by these men considering the perspective that the men are unprovided of their symbolic power of providers. Thus, we seek to observe how masculinity is experienced by men in the spaces of the house and the street. Thereby, an analysis combined with an edition of open interviews emerged as a privileged methodological procedure in the anthropological research. The empirical field studied indicates, in turn, that the hegemonic pattern of masculinity, that tells to men their financial provider role, have a strong influence as referential/ideal, leading these research's subjects, often, to suffer and shame on themselves, hiding their situation of non-providers and elaborating speeches that justify and apologize this absence of economic power. On the other hand, the model has been updated in values linked to a man-protector morality. It is worth emphasizing that there is a violation of human dignity in housing issues, access to work as an ontological activity, access to education and human rights that can destabilize a hierarchy between men and women and between men (hegemonic masculinity and subaltern masculinity) as well as a equity between genders and a democratic society of respect and learning with differences.

Family. Masculinity. Humans Rights.

 


Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, José A. Lindgren. Os Direitos Humanos na Pós-Modernidade. São Paulo, Perspectiva, 2013

ALVIM, Rosilene. A Sedução da Cidade. Rio de Janeiro, Graphial, 1997.

BARROS, Ricardo Paes de; HENRIQUES, Ricardo e MENDONÇA, Rosane. Desigualdade e pobreza no Brasil: retrato de uma estabilidade inaceitável. In: Revista Brasileira Ciências. Sociais, Fev. 2000, vol.15, no. 42, p.123-142.

BILAC, Elisabete Dória. Família: algumas inquietações. In: A Família Contemporânea em Debate. Ed. Cortez e EDUC, São Paulo, 2003. BOURDIEU, Pierre. A Dominação Masculina. Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, 1999.

____.. O Poder Simbólico. Lisboa, Difel, 1989. BUTLER, Judith. Problemas de Gêneros: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 2003.

____.. Cuerpos que Importan: sobre los límites materiales y discursivos del “sexo”. Buenos Aires, Barcelona, México, Paidós, 2008. CAMPOS, Carmen Hein de. Mulheres e Direitos Humanos. In: FONSECA, Claúdia; TERTO JUNIOR, Veriano; ALVES, Caleb Farias (Orgs.). Antropologia, Diversidade e Direitos Humanos: diálogos interdisciplinares. Porto Alegre, UFRGS, 2004.

CARNEIRO, Terezinha Féres. Identidade Masculina e o Exercício da Paternidade. In: FERES-CARNEIRO, T. (Org). Casal e Família: entre a tradição e a transformação. Rio de Janeiro, NAU.1999.

CARVALHO, Maria do Carmo Brant de (Org) A família Contemporânea em Debate. São Paulo, EDUC, 1995. CASTEL, Roberto. As Transformações da questão social. (Org) Belfiori - Wanderley, Mariângela Borgis, Lucia Yazberf, Maria carmelita. In: Desigualdade e Questão Social. São Paulo, EDUC,1997.

CONNELL, Raewyn; PEARSE, Rebecca. Gênero: uma perspectiva global – compreendendo o gênero – da esfera pessoal à política – no mundo contemporâneo. São Paulo, nVersos, 2015.

CONNELL, Robert W. “Políticas da Masculinidade”. In: Educação e Sociedade. 1995, pp. 187-206. ____. El Imperialismo y el Cuerpo de los Hombres. In. VALDÉS, Tereza e OLAVARRÍA, José (Eds). Masculinidad y Equidad de Género en América Latina. Santiago, 1998, pp. 76-89.

CONNELL, R. W. ; Messerschmidt, J. W. Masculinidade Hegemônica: repensando o conceito. In: Estudos Feministas, Florianópolis, 21(1): 424, janeiro-abril, 2013. pp. 241-282.

CORRÊA, Mariza. Repensando a Família Patriarcal Brasileira. In: Colcha de Retalhos. São Paulo: Editora brasiliense. (1982)

DA MATTA, Roberto. A casa e a rua: espaço, cidadania, mulher e morte no Brasil, São Paulo: Brasiliense, 1985.

DUARTE, Luiz Fernando. Da Vida Nervosa nas Classes Trabalhadoras. Rio de Janeiro, Zahar, 1986.

FONSECA. Anuário Antropológico, Rio de Janeiro, UFC 1985, pp.199-220. ____. Família, Fofoca e Honra. Rio Grande do Sul, Editora Universitária, 2002.

FRASER, NANCY. Da redistribuição ao reconhecimento? Dilemas da justiça numa era “pós-socialista”. In: Cadernos de Campo, São Paulo, n. 14/15, p. 231-239, 2006.

GOLDENBERG, Mirian. Ser Homem, Ser Mulher: dentre e fora do casamento. Rio Janeiro, Revan, 1991.

HERRERA FLORES, Joaquín. Teoria Crítica dos Direitos Humanos: os direitos humanos como produtos culturais. Rio de Janeiro, Lumen Juris, 2009.

JOHNSON, Allan G. Dicionário de Sociologia: guia prático da linguagem sociológica. Rio de Janeiro, Jorge Zahar, 1997.

KIMMEL, Michael. La Producción Teórica sobre la Masculinidad: nuevos aportes. In: Ediciones de las Mujeres. Santiago, Isis Internacional, nº 17, 1992, pp.129-138.

____. A Produção Simultânea de Masculinidades Hegemônicas e Subalternas. In: Horizontes Antropológicos. Porto Alegre, nº 9,1998, pp.103-117.

LARANJEIRA, Sônia M. G. A Realidade do Trabalho em Tempo de Globalização. Precarização, Exclusão e Desorganização Social. In: Violência no Tempo da Globalização.

SANTOS, José Vicente T. dos (Org). São Paulo: HUCITEC,1999. LOURO, G. L. Gênero, Sexualidade e Educação: uma perspectiva PósEstruturalista. Petrópolis, Vozes, 1997.

MARTINS, José de Souza. Clientelismo e Corrupção no Brasil Contemporâneo. In: O Poder do Atraso: ensaios de sociologia da história lenta. Hucitec, São Paulo, 1994.

MIRANDA, Marcelo H. G. de. Magistério Masculino: (re) despertar tardio da docência. Recife, Universitária da UFPE, 2011a. ____. Mediações: telenovelas e sexualidades como elementos de condensações de sentidos híbridos entre a hegemonia e a resistência. In: Revista Razón y Palavra, México, v. 77, 2011b.

MIRANDA, Marcelo H. G. de; OLIVEIRA, Ana C. A. Os Limites das Categorias Heteronormativas no cotidiano escolar e a Pedagogia Queer: o caso do uso do banheiro. In: Revista Educação e Cultura Contemporânea, Rio de Janeiro, v. 13, n.32 p. 350-373, 2016.

MISKOLCI, Richard. Teoria Queer: um aprendizado pelas diferenças. Belo Horizonte, Autêntica, 2012.

NASCIMENTO, Elimar. A exclusão na França e no Brasil: Situações (aparentemente) invertidas, restados (quase) similares. In: Diniz, Eli, Lopes, Jose, Sregop, leite, Prantei, Reginaldo. O Brasil no Rastro da Crise. ANPOSCS/IPEA/HICITEC, São Paulo, 1994, pp.289-325.

NASCIMENTO, Pedro Francisco Guedes do. (1999) Ser Homem ou Nada: diversidade de experiências e estratégias de atualização do modelo hegemônico da masculinidade em Camaragibe /PE. Recife: PPGA, UFPE/PE, (Dissertação de Mestrado), 1999.

NEVES, Delma Pessanha. Nesse Terreno Galo não Canta: estudo do caráter matrifocal de unidades familiares de baixa renda. In: Anuário Antropológico, Rio de Janeiro/Fortaleza, Tempo Brasileiro/ UFC, 1985.

OLIVEIRA, Luciano. Os Excluídos Existem? Notas sobre a elaboração de um novo conceito. In: Revista Brasileira de Ciências Sociais. ANPOCS, ano 12, n 33, fev. 1997.

OLIVEIRA, Roberto c. de. O trabalho do Antropólogo. Brasília, Paralelo 15; São Paulo Ed. UNESP, 2000. PISCITELLI, Adriana. Recriando a (categoria) mulher? 1985. In: ALGRANTI, L. (Org.). A Prática Feminista e o Conceito de Gênero. Textos Didáticos, n. 48. Campinas: IFCH/Unicamp, 2002, p. 7-42.

RIBEIRO, Elisa Antônia. A perspectiva da entrevista na investigação qualitativa. Evidência: olhares e pesquisa em saberes educacionais, Araxá/MG, n. 04, p.129-148, maio de 2008.

ROMANELLI, Geraldo. A Autoridade e Poder na Família. In: CARVALHO, Renata do Carmo, (Org.) A Família Contemporânea em Debate. São Paulo: EDUC e Cortez, 2003.

SARTI, Cynthia Andersem. A Família como Espelho: um estudo sobre a moral dos pobres. Campinas, São Paulo, Autores Associados, 1996. SALES, Teresa. Pobreza e Cultura Política da Dádiva In: Polifonia da Miséria: uma construção de novos olhares.

CAVALCANTI, Helenilda e BURITI, Joanildo (Orgs). Recife, Fundação Joaquim Nabuco/Ed. Massangana/CNPq/ Banco do Nordeste, 2002. SANTOS, Milton. Pobreza Urbana. São Paulo/Recife, Hucitec, 1978.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil para análise histórica, Recife, SOS Corpo, 1993.

SCOTT, Russel. P. O Homem na Matrifocalidade: gênero, percepções e experiências do domínio doméstico. In: Cadernos de Pesquisa. N. 73, maio, São Paulo, pp. 38-47, 1990.

SEGALEN, Martine. Sociologie de la Famille. Paris: Armand Collin, 1993. SENNETT, Richard. Autoridade. Rio de Janeiro, Record, 2001.

SOUSA SANTOS, Boaventura de. Direitos Humanos, Democracia e Desenvolvimento. In: CHAUÍ, Marilena. Direitos Humanos, Democracia e Desenvolvimento, São Paulo. Cortez, 2013.

SOUZA, Jésse. A Construção Social da Subcidadania: para uma sociologia política da modernidade periférica. Belo Horizonte, UFMG, Rio de Janeiro, IUPERJ, 2003.

TELLES, Veras. Pobreza e Cidadania: precariedade e condições de vida. In: Terceirização: diversificação e negociação no mundo do trabalho. MARTINS, Heloísa de S. e RAMALHO, José Ricardo (Orgs.), São Paulo: HUCITEC, 1994.

____. Questão Social, Afinal do que se Trata? In: Pobreza e Cidadania. USP, São Paulo, 2001.

____. A “Nova Questão Social” Brasileira? In: Pobreza e Cidadania. USP, São Paulo, 2001. WOORTMANN, Klaas. A Família das Mulheres. Rio de Janeiro, Tempo Brasileiro/ CNPQ,1987.

ZALUAR, Alba. O Antropólogo e os Pobres: introdução metodológica e afetiva. In: A Máquina e a Revolta: as organizações populares e o significado da pobreza. São Paulo, Brasiliense, 1985.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.