Pedagogia Feminista como processo educativo para a reflexão da política pública de ATER no Nordeste

Lorena Lima de MORAES, Laeticia Medeiros JALIL, Janaína Henrique dos SANTOS, Michelly Aragão Guimarães COSTA, Maria do Socorro de Lima OLIVEIRA

Resumo


O presente artigo versa sobre processos educativos não-formais e feministas direcionados para a reflexão da Política Nacional de ATER voltada para mulheres rurais que constroem a agroecologia. Neste sentido, iremos nos deter à experiência do “Projeto ATER, Feminismo e Agroecologia”, realizado durante três anos (2014-2017), no qual foram construídas e executadas metodologias e estratégias que buscam romper com a lógica da transmissão do conhecimento - numa via de mão única e hierarquizada - potencializando a troca de saberes, a valorização de vozes e histórias para a construção horizontal e dialógica do conhecimento e, sobretudo, para pensar a política pública vivida pelas mulheres a partir das suas realidades. Afirmamos a importância de se construir uma pedagogia feminista para desorganizar as relações de poder de forma subversiva e revolucionária, considerando o valor da subjetividade na criação histórica e o valor dos corpos inscritos nos territórios.  Concluímos que o aprender-fazendo em rede a partir da análise da política como instrumento, mas para além disso, como potencialidade da política vivida nos territórios, nos permitiu elucidar canais de confluência, princípios e metodologias que visibilizassem conhecimentos, saberes e transformações na vida das mulheres rurais.

Mulheres Rurais. Pedagogias Feministas. ATER. Agroecologia. Construção do Conhecimento.

Feminist Pedagogy as an educational process for the reflection of the ATER public policy in the northeast region of Brazil

 Abstract

Abstract This article presents about non - formal and feminist educational processes directed towards the reflection of the National Policy of ATER directed at rural women who construct agroecology. In this sense, we will look at the experience of the "ATER Project, Feminism and Agroecology", carried out over three years (2014-2017), in which methodologies and strategies that seek to break with the logic of knowledge transmission were constructed and executed - in a way of a single and hierarchical hand - potentializing the exchange of knowledge, the valorization of voices and stories for the horizontal and dialogical construction of knowledge and, above all, for thinking about the public policy lived by women from their realities. We affirm the importance of constructing a feminist pedagogy to disorganize the relations of power in a subversive and revolutionary way, considering the value of subjectivity in historical creation and the value of the bodies inscribed in the territories. We conclude that learningnetworking as a tool, but also as a potential of the politics lived in the territories, allowed us to elucidate channels of convergence, principles and methodologies that make knowledge, knowledge and women. Rural Women. Feminist Pedagogies. ATER. Agroecology. Knowledge Building.


Texto completo:

PDF

Referências


BUTTO, Andrea; HORA, Karla. Ater para mulheres: experiências recentes do governo federal. In: Assessoria Técnica com Mulheres: uma abordagem feminista e agroecológica.

Cadernos Feministas de Economia & Política. Recife: Casa da Mulher do Nordeste, n. 4, 2008. p. 131-160.

CALAÇA, Michela; WATANABE, Célia. Mulheres rurais e assistência técnica e extensão rural: uma trajetória de resistência e luta pela valorização e reconhecimento de suas reais demandas. In: JALIL, Laeticia Medeiros; ESMERALDO, Gema Galgani Silveira Leite; OLIVEIRA, Maria do Socorro de Lima (Orgs.) Rede Feminismo e Agroecologia do Nordeste. Recife: Rede Feminismo e Agroecologia do Nordeste, 2018. p. 129-145.

FONSECA, Maria Teresa L. da. A extensão rural no Brasil: um projeto educativo para o capital. Coleção educação popular. n.3. São Paulo: Loyola, 1985.

FREIRE, Paulo. Educação como prática da liberdade. 23ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1999.

GORAYEB, Adryane; MEIRELES, Jeovah. Cartografia Social vem se consolidando como instrumento de defesa de direitos. Rede Mobilizadores, 10 fev.2014 Disponível em: http://www.mobilizadores.org.br/entrevistas/cartografia-social-vem-seconsolidando-com-instrumento-de-defesa-de-direitos/

HARAWAY, Donna. Saberes localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial. Cadernos Pagu (5), Campinas-SP, Núcleo de Estudos de Gênero - Pagu/Unicamp, 1995, pp.7-41.

HOOKS, bell. El feminismo es para todo el mundo. Ed. Traficantes de Sueños, Madrid, 2017.

SANTOS, Ana Célia de Sousa;

BOMFIM, Maria do Carmo Alves do. Pedagogia feminista na construção de uma “alternativa de Gênero”. In: Anais… Fazendo Gênero 9 – Diásporas, Diversidades, Deslocamentos. Florianópolis, agosto, 2010.

SILIPRANDI, Emma Cademartori. Mulheres e Agroecologia: a construção de novos sujeitos políticos na agricultura familiar. 2009. 291f. Tese (Doutorado em Desenvolvimento Sustentável) – Centro de Desenvolvimento Sustentável, Universidade de Brasília, Brasília-

DF, 2009.

SILVA, Carmen. Experiências em pedagogia feminista. Recife: SOS CORPO – Instituto Feminista para a Democracia, 2010. 128p.

UFRPE. No tempo das mulheres: a experiência da cartografia feminista no contexto da assistência técnica rural. Recife, 2017a.

UFRPE. Autonomia e luta: experiência de Metodologias Feministas/ Rede ATER Agroecologica e Feminista do Nordeste. Recife, ActionAid, 2017b.

WEITZMAN, Rodica. Mulheres na assistência técnica e extensão rural. IN: BUTTO, Andrea;

DANTAS, Isolda (Orgs.). Autonomia e cidadania: políticas de organização produtiva para as mulheres no meio rural. Brasília: Ministério do Desenvolvimento Agário, 2011. 87-111.




DOI: https://doi.org/10.33052/inter.v4i6.236734

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.