Pedagogia do oprimido e extensão rural: Iniciativas de empoderamento feminino no Seridó paraibano

Cynthia de Lima CAMPOS

Resumo


Dentre as metodologias apontadas pela Política Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural (PNATER), considerada a nova ATER, e orientada pelos “princípios do desenvolvimento sustentável, incluindo a diversidade de categorias e atividades da agricultura familiar, e considerando elementos como gênero, geração e etnia” (BRASIL, 2003), destacam-se a pedagogia da alternância e a pedagogia do oprimido, esta última discutida em livro homônimo pelo seu criador, o pedagogo Paulo Freire (2013), que, grosso modo, defende uma educação que possa dar ao educando a capacidade de se reconhecer como oprimido, para então, somente nesses moldes libertar-se da opressão. Nessa perspectiva, as mulheres agricultoras, podem ser consideradas, ao menos duas vezes, submissas à opressão: pelo capitalismo, cuja face se revela no agronegócio, e pelos seus próprios companheiros, dadas as condições de desigualdade no campo. Assim, com base na pedagogia do oprimido, a pesquisadora adentrou, com as devidas permissões, no assentamento Fortuna, localizado na cidade de Cuité, Seridó paraibano, com o objetivo de levar formação às mulheres da comunidade, de modo a lhes oferecer a possibilidade de empoderamento, sobretudo por meio da obtenção de uma renda. Foram realizadas visitas orientadas pelo Diagnóstico Rural Participativo, bem como visitas in loco. Ao longo das intervenções, algumas dificuldades foram se colocando, das quais destacou-se o fato de que boa parte das mulheres não havia pensado na possibilidade de empoderamento a partir da comercialização de sua produção. Ademais, o número de extensionistas que chegam a tais comunidades levando promessas quase nunca cumpridas, acaba por estimular a desconfiança em qualquer iniciativa. Aos poucos, as mulheres foram aderindo à proposta, levando à oficialização de uma marca para comercialização dos produtos. Nesta etapa do processo, os resultados obtidos são muito mais de ordem política, no sentido de entendimento dessas mulheres sobre a importância do empoderamento, do que de fato pela geração de renda, que ainda se encontra em estado incipiente.

Pedagogia do Oprimido. Extensão Rural. Empoderamento Feminino. Mulheres Agricultoras. Agricultura Familiar.

Abstract

Pedagogy of the oppressed and rural extension: Initiatives of female empowerment in the micro-region of Seridó paraibano

Among the methodologies pointed out by the National Policy of Technical Assistance and Rural Extension (PNATER), considered the New ATER, and guided by "the principles of sustainable development, including the diversity of categories and activities of family agriculture, and considering elements such as gender, generation and ethnicity" (BRASIL, 2003), the pedagogy of alternation and the pedagogy of the oppressed are highlighted, the latter discussed in a book of the same name by its creator, the pedagogue Paulo Freire (2013), who, roughly speaking, defend an 1 education that can give the student the ability to recognize himself as oppressed, for then, only in these ways to free oneself from oppression. In this perspective, women farmers can be considered, at least twice, subject to oppression: by capitalism, whose face is revealed in the agribusiness, and by their own companions, due to the conditions of inequality in the field. Thus, based on the pedagogy of the oppressed, the researchers entered, with the appropriate permissions, in the Fortuna settlement, located in the city of Cuité, Seridó of Paraíba (Brazil), with the objective of training the women of the community, in order to offer them the possibility of empowerment, especially by earning an income. Visits were guided by the Participatory Rural Diagnosis, as well as visits in loco. Throughout the interventions, some difficulties were placed, of which it was highlighted the fact that many of the women had not thought about the possibility of empowerment from the commercialization of their production. In addition, the number of extensionists who arrive at such communities carrying promises almost never fulfilled, ends up stimulating distrust in any initiative. Gradually, the women were adhering to the proposal, leading to the officialisation of a brand to commercialize the products. In this stage of the process, the results obtained are much more of a political order, in the sense of the understanding of these women on the importance of empowerment, than in fact by income generation, which is still in an incipient state.

Pedagogy of the Opressed. Rural Extension. Women Empowerment. Women Farmers. Family Agriculture.



Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Leis, decretos, etc. Decreto-Lei nº 7.449, de 9 de abril de 1945. Dispõe sobre a organização da vida rural. Brasília, 1945. Disponível em:

______. Política Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural. Brasília, 2004. FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 23. Ed. Petrópolis: Vozes, 2013.

MONTEIRO, Emanuelly de Souza. Análise qualitativa da assistência técnica prestada aos assentamentos rurais da reforma agrária no município de Picuí-PB. 2016. 50 fls. Monografia (Agroecologia).

IFPB, campus Picui, 2016. OLINGER, Glauco. Ascensão e decadência da extensão rural no Brasil. Florianópolis: EPAGRI, 1996.

PEIXOTO, Marcus. Extensão rural no Brasil: uma abordagem histórica da legislação. Brasília: Senado Federal, 2008.

VERDEJO, Miguel Expósito. Diagnóstico Rural Participativo: guia. Brasília: MDA, 2010.




DOI: https://doi.org/10.33052/inter.v4i6.236735

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.