Relações de Gênero na Educação Superior: uma análise do Programa Ciências sem Fronteiras

Hildete Pereira de MELO

Resumo


Há um consenso mundial de que a educação é importante para o desenvolvimento econômico e social do mundo moderno e que esta reduz disparidades sociais e econômicas de um país ou região. No entanto, o desenvolvimento do processo educacional foi ao longo do tempo marcado pelo sexismo e relegou as mulheres a uma educação diferenciada por séculos. Esta diferença só foi, parcialmente, vencida pelas mulheres nos últimos 200 anos. Os feminismos têm desenvolvido a consciência de que a diferença que existe entre os sexos no espaço científico e tecnológico deve ser ultrapassada e que para isso a educação necessita integrar e visibilizar as mulheres nos feitos científicos e tecnológicos do mundo atual. Este estudo tem como objetivo analisar se amplificação da insurgência feminista do século XXI, clamando por igualdade entre os sexos e raças e se isso significou alguma mudança na definição das carreiras profissionais das meninas e moças nas duas últimas décadas. Assim, escolheu-se para avaliar este impacto o Programa Ciência sem Fronteiras, desenvolvido na segunda década deste século, pelo Estado brasileiro nas áreas das ciências exatas e tecnológicas

Gênero. Ciências. Tecnologia. Carreiras profissionais. Política pública.

Gender Relations: an analysis of the Sciences without Frontiers program

 Abstract

 There is a worldwide consensus that education is important for the economic and social development of the modern world and that it reduces social and economic disparities in a country or region. However, the development of the educational process was over time marked by sexism and relegated women to a differentiated education for centuries. This difference has only been partially overcome by women in the last 200 years. Feminisms have developed the awareness that the difference between the sexes in scientific and technological space must be overcome and that education needs to integrate and make women aware of the scientific and technological achievements of today's world. This study aims to analyze whether the feminist insurgency of the 21st century has amplified, claiming equality between the sexes and races, and whether this meant any change in the definition of the professional careers of girls and women in the last two decades. Thus, the Science without Borders Program, developed in the second decade of this century, was chosen to evaluate this impact by the Brazilian State in the areas of exact and technological sciences.

Gender. Science. Technology. Professional careers. Public policy.


Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. A mulher na educação superior brasileira: 1991-2005. Ministério da Educação, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Brasília, 2007. Disponível em: < www.edudatabrasil.inep.gov.br> ______.

Programa Ciência sem Fronteiras. Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), Diretoria de Engenharias, Ciências Exatas e Humanas e Sociais (DEHS). Dezembro de 2012, tabulação especial.

BRUSCHINI, C. Brasil: la calidad del empeo de las mujeres. Continuidades y cambios. In: VALENZUELA, M.E.; REINECKE, G., Más y mejores empleos para las mujeres? Santiago, Chile: OIT, 2000.

LIMA, Betina S. Quando o amor amarra: reflexões sobre as relações afetivas e a carreira científica. Revista Gênero, Niterói: v. 12, n. 1, 2º semestre de 2012.

MARUANI, Margaret; ROGERAL, Chantal; TORNS, Teresa (dirs). Las nuevas fronteras de la igualdade: hombres y mujeres en el mercado de trabajo. Paris/Madrid: Éditions La Découverte et Syros; Barcelona: Icaria Editorial, 1998.

MELO, Hildete Pereira de; LASTRES, H.M.; MARQUES, T.C.de N. Gênero no Sistema de Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil. Revista Gênero. Niterói, Universidade Federal Fluminense, v. 4, n. 2, 1º semestre de 2004.

MELO, Hildete Pereira de. Gênero e Perspectiva Regional na Educação Superior Brasileira. In: RISTOFF, D. (et al). Gênero e Indicadores da Educação Superior Brasileira. Brasília/DF: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, 2008.

SCHIEBINGER, Londa. O Feminismo mudou a ciência? Bauru, SP: EDUSC, 2001.




DOI: https://doi.org/10.33052/inter.v4i6.236736

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.