Contribuições do PIBID Diversidade da UFMG na formação de professores em curso de licenciatura

Kátia Pedroso SILVEIRA, Paulo Henrique de Queiroz NOGUEIRA

Resumo


O artigo retrata possíveis contribuições para a formação de professores em cursos de licenciatura a partir da experiência do PIBID Diversidade na Universidade Federal de Minas Gerais junto a dois cursos específicos: Licenciatura em Educação do Campo/LECAMPO e o Curso de Formação Intercultural para Educadores Indígenas/FIEI. Esses dois cursos, criados na esteira da mobilização dos povos do campo e indígenas pelo direito à educação, possuem características que os diferenciam das demais licenciaturas ao agregar percursos formativos próprios e singulares para a formação inicial de docentes. Levando-se em consideração as marcas indenitárias dessas populações num processo espiralado em que o direito à educação se encarna em sujeitos corpóreos com suas tradições, oralidade, religiosidade e pertencimentos étnico-racial, territorial e linguístico; os cursos, em um momento inicial, e o PIBID, em seus desdobramentos, postulam ser possível formar professores para a Educação Básica reconfigurando as proposições curriculares e a organização de seus tempo e espaços ao se permitir ultrapassar velhos dilemas interpostos na formação docente.

 

Educação Indígena. Educação do Campo. Formação Inicial de Professores.

 

Contributions of the PIBID Diversidade from the UFMG in teachers training on degree course

 

ABSTRACT

The article portrays contributions for teacher training in undergraduate courses from the experience of the PIBID Diversidade (Institutional Scholarship Initiative Program for Diversity) at the Federal University of Minas Gerais together with two specific courses: Countrified Education Degree/LECAMPO and the Intercultural Training Course for Indigenous Educators/FIEI. These two courses, created by the mobilization of rural and indigenous peoples for the right to education, have characteristics that differentiate them from others degree courses by adding some particular and unique formative pathways to the initial teachers training. Taking into account the indenitational marks of these populations in a spiral process in which the right to education is embodied in corporeal individuals with their traditions, orality, religiosity and ethnic-racial, territorial and linguistic belongings; the courses, in an initial moment, and the PIBID, in their unfolding, postulate that it is possible to train teachers for Basic Education by reconfiguring the curricular propositions and the organization of their time and spaces by allowing to overcome old dilemmas interposed in the teacher formation.

 

Indigenous Education, Countrified Education, Initial Teachers Training.


Texto completo:

PDF

Referências


ARROYO, Miguel. A Educação Básica e o movimento social do campo. In: ARROYO, Miguel; FERNANDEZ, Bernardo. Por uma Educação Básica do campo. Disponível em: Acesso em: 15 fev. 2018a.

ARROYO, Miguel. A escola e o movimento social: relativizando a escola. In: Revista da Associação Nacional de Educação. ano 6, n. 12, p. 15 – 20, 1987.

BRASIL. Decreto-Lei nº1190 de quatro de abril de 1939. Organiza a Faculdade Nacional de Filosofia. 1939.

Disponível em:

< http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/1937-1946/Del1190.htm.> Acesso em: 26 mai. 2018d.

BRASIL. Leis de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. São Paulo: Cortez, Ande, 1990.

BRASIL. Diretrizes para a Política Nacional de Educação Escolar Indígena. Brasília: MEC/SEF. Brasília, D.F., 22p. 1993.

BRASIL. Diretrizes Operacionais para a Educação Básica nas Escolas do Campo: 36/2001. 04.12.2001. MEC/CNE. Brasília, D.F., 2003.

BRASIL. Decreto nº 7.219, de 24 de junho de 2010. Dispõe sobre o Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência - PIBID e dá outras providências. Disponível em:

< http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/decreto/d7219.htm.> Acesso em: 26 mai. 2018c.

BRASIL. CAPES. Edital nº 066, de 06 de novembro de 2013. Brasília, DF 2013 Disponível em: Acesso em: 26 mai. 2018b.

BRASIL. Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação (PNE) e dá outras providências. Brasília: Congresso Nacional, 2014. Disponível em:

Acesso em: 26 mai. 2018e.

BRASIL. Planejando a Próxima Década Conhecendo as 20 Metas do Plano Nacional de Educação. Brasília: Ministério da Educação / Secretaria de Articulação com os Sistemas de Ensino, 62 p., 2014a.

BRASIL. Resolução CNE/CP nº 2, de 1º de julho de 2015. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada.

Disponível em Acesso em: 26 mai. 2018f.

DUTRA, Mara Vanessa; REZENDE, Zélia; RESENDE, Márcia Maria Spyer; MATTOS, Kleber Gesteira; ALMEIDA, Maria Inês de; ÁLVARES, Myriam Martins e ROMANELLI, Lilavante Izapovitzz. Krenak, Maxakali, Pataxó e Xakriabá: a formação de professores indígenas em Minas Gerais. Em Aberto. v. 20, n. 76, p. 7-11, fev. 2003.

FIEI. Curso de Educação Básica Indígena: Formação Intercultural de Professor/FIEI: projeto pedagógico do curso. Belo Horizonte: FIEI. Versão abril de 2004, 108p. (mimeo)

FUNDAÇÃO CARLOS CHAGAS. Um Estudo Avaliativo do Programa Institucional de Iniciação à Docência (PIBID). São Paulo: Fundação Carlo Chagas, 2014. Disponível em: https://www.capes.gov.br/images/stories/download/bolsas/24112014-pibid-arquivoAnexado.pdf. Acesso em: 26 mai. 2018g.

LECAMPO. Projeto Político Pedagógico Licenciatura em Educação do Campo/LECAMPO: Belo Horizonte: LECAMPO. Versão abril de 2011, 44p. (mimeo)

MATIJASCIC, Milko. Professores da educação básica no Brasil: condições de vida, inserção no mercado de trabalho e remuneração (texto para discussão). Brasília: Rio de Janeiro: Ipea, 37p , 2017.

NÓVOA, António. Os professores e as histórias da sua vida. In.: NÓVOA, António. (org.) Vidas de professores. 2ªed., p. 11 – 30, Porto: Editora Porto. 1995.

PERRENOUD, Philippe. Formar professores em contextos sociais de mudança: prática reflexiva e participação crítica. In: Revista Brasileira de Educação. São Paulo: ANPED, 12, set/out/nov/dez., p. 5 – 21, 1999.

PERRENOUD, Philippe. A prática reflexiva no ofício do professor: profissionalização e razão pedagógica. Porto Alegre: Artmed, 232 p., 2002.

PIBID DIVERSIDADE. Relatório Final de Atividades. Belo Horizonte: PIBID Diversidade. 2014. (mimeo)

PIBID DIVERSIDADE. Relatório Final de Atividades. Belo Horizonte: PIBID Diversidade. 2015. (mimeo)

PIBID DIVERSIDADE. Relatório Final de Atividades. Belo Horizonte: PIBID Diversidade. 2016. (mimeo)

PIBID DIVERSIDADE. Relatório Final de Atividades. Belo Horizonte: PIBID Diversidade. 2017. (mimeo)

PIMENTA, Selma Garrido. Formação de professores: saberes da docência e identidade do professor. In.: Nuances. Presidente Prudente: Faculdade de Ciências e Tecnologia/UNESP/ SP, nº. 3, p. 5-14, 1997.

PIMENTA, Selma Garrido Pimenta e LIMA, Maria Socorro Lucena. Estágio e docência: diferentes concepções. In.: Revista Poíesis Pedagógica. Catalão: PPGE/UFG, v. 3, nº 3 e 4, p.5-24, 2005/2006.

SANTOS, Boaventura. Para uma sociologia das ausências e uma sociologia das emergências, In: SANTOS, Boaventura (org.). Conhecimento Prudente para uma Vida Decente. São Paulo: Cortez Editora, p. 777-821, 2004.

SCHÖN, Donald. Formar professores como profissionais reflexivos. In: NÓVOA, António. (org.) Os professores e a sua formação. Lisboa: Dom Quixote. 2ª ed., p. 77 – 91, 1995.

SCHÖN, Donald. Educando o profissional reflexivo: um novo design para o ensino e a aprendizagem. Porto Alegre: Artes Médicas, 256p. 2000.

THURLER, Monica Gatherand; PERRENOUD, Philippe. Cooperação entre professores: a formação inicial deve preceder as práticas? In: Cadernos de Pesquisa. São Paulo: Fundação Carlos Chagas. Ago., vol.36, n.128, p. 357-375, 2006.

TODOS PELA EDUCAÇÃO. Professores no Brasil: perfil docente, políticas para o magistério e níveis de formação dos professores brasileiros, maio. 2016. Disponível em: Acesso em: 12 fev. 2018h.

UNESCO: O Perfil dos professores brasileiros: o que fazem, o que pensam, o que almejam: pesquisa nacional UNESCO. São Paulo: Moderna, 225p. 2004.




DOI: https://doi.org/10.33052/inter.v4i7.238202

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.