Rádio Comunitária e povos indígenas: entraves e potencialidades para pluralidade de vozes

Giovana Borges MESQUITA

Resumo


O artigo busca analisar os principais entraves para a instalação e funcionamento de uma rádio comunitária numa área indígena situada em Pernambuco, estado com a quarta maior população indígena do Brasil, composta por mais de 47 mil pessoas, que habitam a região Agreste e o Sertão. Ao mesmo tempo, o trabalho propõe uma reflexão sobre como as comunidades indígenas, na maioria das vezes criminalizadas pela mídia hegemônica, podem tentar caminhos para ter acesso a comunicação, como um direito humano, assumindo a rádio comunitária como espaço para o exercício da cidadania. O trabalho é um relato da experiência da “gestação”, ao longo do último ano (2017-2018) do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência para a Diversidade (Pibid Diversidade), de uma rádio comunitária na web, que como destaca Peruzzo (2010), é um espaço propício ao fornecimento de informações e de discussão dos assuntos de interesse local, além de funcionar difundindo a produção cultural dos grupos onde está inserida e em seus entornos.

 

Rádio Comunitária. Direito à Comunicação. Pibid Diversidade.

 

Community Radio and indigenous people: obstacles
and pontecialities for the pluralities of voices

 

Abstract

This article analyzes the main obstacles to the installation and operation of a community radio station in an indigenous area located in Pernambuco, Brazil's state with the fourth largest indigenous population, composed by more than 47 thousand people living in the Agreste and Sertão regions. At the same time, the work proposes a reflection on how indigenous communities, most often criminalized by the hegemonic media, can try pathways to have communication access, as a human right, by assuming community radio station as a space for citizenship exercise. The work is an account of the “gestation” experience, through the last year (2017-2018) of the Institutional Program of Teaching Initiatives for Diversity (Pibid Diversity), of a community radio station on web, as Peruzzo (2010) points out, is a space conducive to providing information and local interest issues discussion, working as well to disseminate the groups cultural production where it is inserted and in its surroundings.

Community Radio Station. Communication Right. Pibid Diversidade.


Texto completo:

PDF

Referências


BARBOSA FILHO, André. Gêneros radiofônicos: os formatos e os programas em áudio. São Paulo: Paulinas, 2003.

JENKINS, Henry. Cultura da convergência. 2. ed. São Paulo: Aleph, 2009.

KISCHINHEVSKY, Marcelo. Radiojornalismo comunitário em mídias sociais e microblogs: circulação de conteúdos publicados no portal RadioTube. In: Estudos em Jornalismo e Mídia, Santa Catarina: Universidade Federal de Santa Catarina, jan-jun. 2012.

LACERDA, Rosane Freire. Radiodifusão Sonora Comunitária em Terras Indígenas: os obstáculos da colonialidade na legislação de RadCom. In: José Geraldo de Sousa Júnior; Murilo César Ramos; Elen Geraldes; Fernando Oliveira Paulino; Janara Sousa; Helga Martins de Paula; Talita Rampin; Vanessa Negrini. (Org.). O Direito Achado na Rua - Introdução Crítica ao Direito à Comunicação e à Informação. 1.ªed.Brasília: FAC Livros - UnB, 2017, v. 8, p. 317-323.

LEMOS, A.; LÉVY, P. O futuro da Internet: em direção a uma ciberdemocracia planetária. São Paulo: Paulus, 2010.

LIMA, Venício A. de. LOPES; Cristiano Aguiar. Rádios comunitárias: coronelismo eletrônico de novo tipo (1999-2004). In: ROLIM, Renata (org.). Rádio, movimentos sociais e direito à comunicação. Recife: Oito de Março Gráfica e Editora, 2008.

MAGALHÃES, Caio; NUNES, Márcia. Comunicação comunitária como estratégia política na mídia convencional: um estudo de caso do Meu Bairro na TV. In: Anais do XXIII Encontro Anual da COMPOS, Pará: maio de 2014.

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA, INOVAÇÕES E COMUNICAÇÕES. Rádios comunitárias: coronelismo eletrônico de novo tipo (1999-2004). Disponível em: . Acesso em: 01 de dezembro de 2017.

NUNES, Márcia Vidal. Rádio e Política: do microfone ao palanque – os radialistas políticos em Fortaleza. Tese (Doutorado em Comunicação Social), Fortaleza: Universidade Federal do Ceará, 1998.

ORTRIWANO, Gisela Swetlana. A Informação no Rádio: os grupos de poder e a determinação dos conteúdos. 3. ed. São Paulo: Summus, 1985.

PERUZZO, Cicilia. Mídia comunitária. Revista Comunicação e Sociedade. n. 32. São Bernardo do Campo: UMESP, 1998b.

____. Comunicação nos movimentos populares: a participação na construção da cidadania. 3 ed. Petrópolis: Vozes, 2004.

____. Rádio comunitária, educomunicação e desenvolvimento local. In: PAIVA, R. (Org.). O retorno da comunidade. Rio de Janeiro: Mauad, 2007. p. 69-94.

____. Conceitos de Comunicação popular, alternativa e comunitária revisitados. Reelaborações no setor. Palabra Clave. Bogotá: Facultad de Comunicación, Universidad de La Sabana, dez. 2008.

____. Aproximações entre a comunicação popular e comunitária e a imprensa alternativa no Brasil na era do ciberespaço. Revista Galáxia. São Paulo: Pós-Graduação em Comunicação e Semiótica da Pontifícia Universidade Católica, jun. 2009a.

____. Movimentos sociais, cidadania e o direito à comunicação comunitária nas políticas públicas. Revista Fronteiras – Estudos midiáticos. São Leopoldo (RS): Unisinos, jan-abr 2009b.

____. Rádios Comunitárias no Brasil: da desobediência civil e particularidades às propostas aprovadas na CONFECOM. In: Anais do XIX Encontro Anual da COMPOS, Rio de Janeiro: maio de 2010.

ROCHA, Ana Luísa Carvalho da Rocha e ECKERT, Cornélia. “Etnografia: saberes e práticas.” In: Ciências Humanas: pesquisa e método, Porto Alegre: Editora da universidade, 2008.

SILVA, Everaldo Fernandes da; SILVA, J. B. Experiência e processos formativos na rede indígena de Pernambuco: O Pibid diversidade e as leituras decoloniais. Revista Interritórios, v. 1, 2015, p. 141-156.




DOI: https://doi.org/10.33052/inter.v4i7.238209

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.