Ações coletivas e suas configurações antiutilitaristas: O caso colombiano da Marcha Patriótica

Dana Milena Chávarro BERMEO, Wellington D. PINHEIRO

Resumo


O artigo discute a configuração solidária de prática social encontrada no Movimento político e social Marcha Patriótica (MARCHA)[1]. Sendo a Marcha um dos movimentos que obteve maior protagonismo no processo de negociação entre o governo Santos e as guerrilhas das FARC-EP ela nos possibilitou identificar a construção do projeto político colombiano de reivindicar a paz como um bem comum daquela nação. Neste sentido, mobilizamos a teoria da dádiva a fim de compreender como os conceitos de gratuidade e de obrigação do agir encontrados nas ações estratégicas do movimento metamorfoseou a ideia da paz entendendo-a como um bem de justiça social. Para tal fim analisamos o fenómeno da Ruana com intuito de demonstrar como a gênese do movimento e o projeto de articulação política caracterizaram a dimensão antiutilitarista e solidária desta ação coletiva.

Ações coletivas. Anti-utilitarismo. Solidariedade moderna

 

Collective actions and its anti-utilitarian configurations: The Colombian case of Marcha Patriótica 

ABSTRACT

The social base of the movement “Movimiento Social y Político Marcha Patriótica” (MARCHA) has a key role in the social practice. MARCHA has one of the most important roles in the Colombia peace process; this is between the Santos Government and the guerrilla (FARC-EP). This MARCHA movement allows to understand Peace, like a common wealth of the nation, in the current political project in Colombia. The way of recognize this common wealth is mainly with Dadiva theory. This theory appreciate how the combination of the two concepts, duty and free, transform the idea of Peace. The feature of the change is the Ruana (Typical Colombian cloth) symbol, that probes how the beginning of the movement and the political articulation summarize the anti-utilitarian and social dimension of this collective action.

 

Collective action. Anti-utilitarianism. Modern solidarity


[1] Esta discussão faz parte da nossa tese em andamento intitulada: Novas possibilidades de Interpretação das Mobilizações Sociais na América Latina: Comparando Brasil e Colômbia


Texto completo:

PDF

Referências


BRINGEL, Breno; PLEYERS Geoffrey. Protesta e indignación global: los movimentos sociales em el nuevo orden mundial. Bs As: CLACSO/ RJ: FAPERJ, 2017.

CAILLÉ, Alain. Antropologia do dom: o terceiro paradigma. Petrópolis: Editora Vozes, 2002.

CAILLÉ, Alain. O Dom entre interesse e “desinteressamento". Revista de Estudos Antiutilitaristas e Pós-Coloniais. v. 3, n. 1, p. 7-42, 2013.

DUNCAN, Gustavo. Los Señores de la Guerra. Bogotá: Editorial Planeta, 2006.

El ESPECTADOR. Presidente admitió que la embarró al decir “el tal paro agrario no existe”. El Espectador, Bogotá, 20 de septembro de 2013ª. Disponível em: . Acesso em: 10 de out. de 2018.

El ESPECTADOR. Paro agrario: cacerolazo también retumbó en Bogotá. El Espectador, Bogotá, 26 de agosto de 2013b. Disponível em: . Acesso em: 10 de outubro de 2018.

El ESPECTADOR. El paro como futuro. El Espectador, Bogotá,1 de septembro de 2013d. Disponível em: . Acesso em: 10 de outubro de 2018.

GODBOUT, Jacques; CAILLÉ, Alain. O Espírito da dádiva. Rio de Janeiro, Fundação Getulio Vargas, 1999.

GOHN, Maria da Gloria. Manifestações e protestos no Brasil: Correntes e contracorrentes na autalidade. São Paulo: Cortez, 2017.

LOZANO GUILLÉN, 2014. El nuevo país está en marcha. 1 ed. Bogotá: Ocean Sur, 2014.

MARCHA PATRIÓTICA. Carácter, Plataforma, Estructura y Declaración. Cartilha de divulgação da Marcha. Material em Físico (S/D).

MARCHA PATRIÓTICA. Marcha Patriótica a Bogotá. 3 de julho de 2010. Disponível em: . Acesso em: 11 de julho de 2018.

MARCHA PATRIÓTICA. Carta Abierta al Pueblo Colombiano. Prensa Rural, 7 de maio de 2012a. Disponível em: . Acesso em: 10 de agosto de 2016.

MARCHA PATRIÓTICA. Declaración política de la Marcha Patriótica. Prensa Rural, 24 de abril de 2012b. Disponível em: Acesso em: agosto 10 de 2016.

MARCHA PATRIÓTICA. Declaración Política del Comité Patriótico Nacional. Remap, 2 de junio de 2012c. Disponível em: Acesso em:23 de março de 2017

MARTINS, Paulo Henrique. A sociologia de Marcel Mauss: Dádiva, simbolismo e associação. Revista Crítica de Ciências Sociais, 73, Dezembro, 2005. p 45-66.

MARTINS, Paulo Henrique; PINHEIRO, R. Avaliação em Saúde na Perspectiva do Usuário: abordagem multicêntrica. Rio de Janeiro: CEPESC/IMS–UERJ; Recife: Editora da UFPE; São Paulo: Editora ABRASCO, 2009.

MARTINS, Paulo Henrique; PINHEIRO, R. La decolonidad de América Latina y la heterotopía de uma comunidade de destino solidaria. Buenos Aires: Editora CICCUS, 2012.

MARTINS, Paulo Henrique, ARAÚJO Marcos Silva. Democracia, pós-desenvolvimento e gestão de bens comuns perspectivas da América Latina e do Caribe. S.P: Annablume Editora, 2016.

MARTINS, Paulo Henrique, ARAÚJO Marcos Silva. Pensando heterotopías no contexto pós-colonial: convivialismo, amor e bem comum. CyCL Controversias y Concurrencias Latinoamericanas. Vol 10; No 18, abril – septembro, 2019. p. 159-171.

PRESIDENCIA DE LA REPUBLICA- COLOMBIA, Presidente Juan Manuel Santos en la XXXV Caminata por la Solidaridad. 25 de agosto de 2013. Disponível em: . Acesso em: 26 de setembro de 2018.

Entrevistas da Pesquisa:

AMAUTA, 3 de fevereiro de 2017.

EL PROFE, 31 de janeiro de 2017.




DOI: https://doi.org/10.33052/inter.v5i8.241598

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.