Retomada da educação escolar: Um estudo sobre educação, território e poder na experiência Pankará

Caroline Farias Leal MENDONÇA

Resumo


RESUMO


O povo Pankará da Serra do Arapuá, localizada no Sertão de Pernambuco, deflagra um movimento chamado “Retomada da Educação” no ano de 2004. Desde então, a escola é apropriada como uma importante estratégia pedagógica para a formação, politização, mobilização e organização do povo face a antagonistas históricos. O artigo tem como objetivo refletir como a categoria política “retomada” é apropriada pelos Pankará na luta pela educação escolar e quais sentidos atribuem a ela. O texto inicia com um breve histórico da formação social na Serra do Arapuá e da resistência dos Pankará. Em seguida traz a descrição etnográfica da Retomada da Educação como um projeto que articula Território e Poder. Por fim, o texto analisa o Projeto Político Pedagógico que nasce das experiências comunitárias dos indígenas com seus parentes do quilombo-indígena Tiririca dos Crioulos, evidenciando os modos de fazer, conteúdos e intencionalidades presentes neste projeto específico de escola.

Escola Indígena. Retomada. Pankará. Tiririca dos Crioulos.



Resumption of School education: A study on education, territory and power in the Pankará experience

ABSTRACT

The Pankará people of Serra do Arapuá, located in the Pernambuco backlands, set off a movement called “Retaking of Education” in 2004. Since then, the school has been appropriate as an important pedagogical strategy for the formation, politicization, mobilization and organization of the people against their historical antagonists. The article aims to reflect how the “retaking” political category is appropriated by the Pankará in the struggle for school education and what meanings they attribute to it. The text begins with a brief history of social formation in the Serra do Arapuá and the resistance of the Pankará, followed by the ethnographic description of the Resumption of Education as a project that articulates Territory and Power. Finally, the text analyzes the Pedagogical Political Project that is born from the community experiences of the indigenous with their relatives of the Quilombo-indigenous Tiririca dos Crioulos, highlighting the ways of doing, contents and intentionalities present in this specific school project. 

Indian School. Retaking. Pankará. Creole Tiririca.



Ripresa dell'istruzione scolastica: uno studio sull'educazione, il territorio e il potere nell'esperienza di Pankará

RIASSUNTO

Il popolo Pankará di Serra do Arapuá, situato in Pernambuco, Brasile, nel 2004 ha avviato un movimento chiamato "Ripresa dell'educazione". Da allora, la scuola è stata appropriata come importante strategia pedagogica per la formazione, la politicizzazione, la mobilitazione e l'organizzazione di persone di fronte agli antagonisti storici. L'articolo ha lo scopo di riflettere su come la categoria politica "ripresa" viene appropriata dal popolo Pankará nella lotta per l'istruzione scolastica e quali significati attribuiscono ad essa. Il testo inizia con una breve storia della formazione sociale nella Serra do Arapuá e la resistenza del Pankará. Poi arriva la descrizione etnografica della Ripresa dell'educazione come progetto che articola Territorio e Potere. Infine, il testo analizza il Progetto politico pedagogico che nasce dalle esperienze della comunità degli indigeni con i loro parenti della Tiririca dos Crioulos Quilombo-indigena, evidenziando il modo di fare, i contenuti e le intenzioni presenti in questo specifico progetto scolastico.

Scuola indiana. Ripresa. Pankará. Creole Tiririca.



Reanudación de la Educación Escolar: un estudio sobre educación, territorio y poder en la experiencia Pankará

RESUMEN

El pueblo Pankará de Serra do Arapuá, ubicado en el sertão de Pernambuco, empieza un movimiento llamado "Retomada da Educação" en 2004. Desde entonces, la escuela ha sido apropiada como una estrategia pedagógica importante para la formación, politización, movilización y organización del pueblo frente a antagonistas históricos. El artículo tiene como objetivo reflejar cómo los Pankará se apropian de la categoría política "reanudación" en la lucha por la educación escolar y qué significados le atribuyen. El texto comienza con una breve historia de la formación social en la Serra do Arapuá y la resistencia de los Pankará. Luego viene la descripción etnográfica de la Reanudación de la Educación como un proyecto que articula Territorio y Poder. Finalmente, el texto analiza el Proyecto Político Pedagógico que nace de las experiencias comunitarias de los indígenas con sus familiares de lo quilombo-indígena Tiririca dos Crioulos, destacando las formas de hacer, los contenidos y las intenciones presentes en este proyecto escolar específico. 

Escuela Indígena. Reanudación. Pankará. Tiririca dos Crioulos.


Texto completo:

PDF

Referências


ALARCON, Daniela. A forma retomada: Contribuições para o estudo das retomadas de terras, a partir do caso tupinambá da serra do padeiro. Ruris, v.7, nº1, março 2013. Disponível em: https://www.ifch.unicamp.br/ojs/index.php/ruris/article/view/1648. Acesso em: 06 ago 2019.

ALMEIDA, Alfredo Wagner Berno de. Terras de Quilombo, Terras Indígenas, “Babaçuais Livres”, “Castanhais do Povo”, Faxinais e Fundos de Pasto: terras tradicionalmente ocupadas. 2ª ed. Manaus: PPGSCA-UFAM, 2008.

ANDRADE, Lara. “Nem emergentes, nem ressurgentes, nós somos povos resistentes”: território e organização sócio-política entre os Pankará. [Monografia]. Recife: Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Bacharelado em Ciências Sociais da UFPE, 2010.

BALANDIER, Georges. Antropologia Política. 2.ed. Lisboa: Presença, 1987.

CARVALHO, José Murilo de. “Mandonismo, coronelismo, clientelismo: uma discussão conceitual.” Em: Dados, Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, vol. 40, n. 2, p. 229-250,1997. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S001152581997000200003. Acesso em: 10 set 2019.

DÍAZ-POLANCO, Héctor. Etnofagia y multiculturalismo. Revista Memoria, número 200, octubre de 2005. Disponível em: http://sgpwe.izt.uam.mx/files/users/uami/lauv/Etnofagia_y_multiculturalismo_DiazPolanco.pdf. Acesso em 10 set 2019.

DUSSEL, Enrique. Ética da Libertação na idade da globalização e da exclusão. Petrópolis: Editora Vozes, 2012.

FANON, Frantz. Os Condenados da Terra. Juiz de Fora: UFJF, 2010.

GRUNEWALD, Rodrigo de Azeredo. ‘Regime de Índio’ e faccionalismo: os Atikum da Serra Umã. [Dissertação de Mestrado]. Rio de Janeiro: Programa de PósGraduação em Antropologia da UFRJ/Museu Nacional,1993.

LITTLE, Paul. Territórios Sociais e Povos Tradicionais no Brasil: por uma antropologia da territorialidade. Série Antropologia, n. 322, Brasília: UNB, 2002. Disponível em: http://periodicos.unb.br/index.php/anuarioantropologico/article/view/6871. Acesso em 18 jan 2018.

LOPES, Luciete; MARCOLINO, Maria da Penha; PEREIRA, Maria do Carmo. A geopolítica e o desenvolvimento sustentável. Descrição socioeconômica e ambiental do povo Pankará. [Especialização em Geografia]. Carnaubeira da Penha: Faculdades Integradas Montenegro, 2011.

MELIÁ, Bartomeu. Educação indígena e alfabetização. São Paulo: Loyola, 1979.

MELIÁ, Bartomeu. Educação Indígena na Escola. Cadernos Cedes, ano XIX, nº 49, Dezembro, 1999. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ccedes/v19n49/a02v1949.pdf. Acessado em: fev 2012.

MENDONÇA, Caroline Farias Leal. “Os Índios da Serra do Arapuá”: identidade, território e conflito no sertão de Pernambuco. [Dissertação Mestrado]. Recife: Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em Antropologia da UFPE, 2003.

MENDONÇA, Caroline Leal. “Guerreiras Indígenas Reunindo as Forças”: agência de mulheres indígenas e políticas públicas de educação escolar intercultural. Em: SCOTT, Parry(org.). Educação, Feminismo e o Estado no Brasil. Recife: Ed. Universitária: UFPE, 2016.

MENDONÇA. Caroline Farias Leal. Insurgência política e desobediência epistêmica: movimento descolonial de indígenas e quilombolas na Serra do Arapuá. [Tese Doutorado em Antropologia]. Recife: Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em Antropologia da UFPE, 2013.

MIGNOLO, Walter. Desobediência Epistêmica: a opção descolonial e o significado de identidade em política. Cadernos de Letras da UFF – Dossiê: Literatura, língua e identidade, n. 34, 2008. Disponível em: www.javeriana.edu.co/pensar/Rev34.html. Acesso em: out 2011.

OLIVEIRA, João Pacheco de. Uma etnologia dos “índios misturados”? Situação colonial, territorialização e fluxos culturais. Em: OLIVEIRA, João Pacheco de. (Org.). A viagem da volta: etnicidade, política e reelaboração cultural no Nordeste Indígena. 1ª ed. Rio de Janeiro: Contracapa, 1999.

ORGANIZAÇÃO INTERNA DE EDUCAÇÃO ESCOLAR PANKARÁ (OIEEIP). Escola Pankará: memórias do passado, saberes do presente: história, luta, ciência e resistência. Projeto Político Pedagógico, 2007.

ORTNER, S. B. Poder e Projetos: reflexões sobre a agência. EM: GROSSI, M. P. (et alli). Reunião Brasileira de Antropologia: Conferências e práticas antropológicas. Blumenau: Nova Letra, 2007.

PEREIRA, Fernanda; PEREIRA, Silvia. O Ensino de História nas Escolas Pankará. [Trabalho de Conclusão de Curso]. Caruaru: Centro Acadêmico do Agreste, Licenciatura Intercultural da UFPE, 2012.

QUIJANO, Anibal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. Em: LANDER, Edgardo (Org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: CLACSO, 2005. (Colección Sur Sur). Disponível em: http://bibliotecavirtual.clacso.org.ar/ar/libros/lander/pt/Quijano.rtf. Acesso em: ago 2012.

SANTOS SÁ, Alecksandra Ana. Relações de Parentesco entre o Quilombo Indígena Tiririca e o Povo Indígena Pankará. [Especialização em Educação Intercultural no Pensamento Decolonial]. Floresta: Instituto Federal de Educação e Tecnologia do Sertão Pernambucano, 2016.

SANTOS, S. Boaventura. Pela Mão de Alice. São Paulo: Cortez Editora, 1995.

SEGATO, Rita. Gênero e colonialidade: em busca de chaves de leitura e de um vocabulário estratégico descolonial, e-cadernos ces [Online], 18 | 2012. Disponível em: https://journals.openedition.org/eces/1533. Acesso em jan 2013.

SEGATO, Rita. Que cada povo trame os fios da sua história: Em defesa de um Estado restituidor e garantista da deliberação no foro étnico. Argüição lida na Audiência Pública realizada em 05/09/2007 pela Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados sobre o Projeto de Lei nº 1057 de 2007 do Deputado Henrique Afonso sobre a prática do infanticídio em áreas indígenas. Disponível em: https://cimi.org.br/2007/09/26510/. Acesso em fev 2012.

SILVA, Angelina; ROSA, Elizangela; SILVA, Ericka. Cultura Pankará, currículo e projeto de futuro do povo. [Trabalho de Conclusão de Curso]. Caruaru: Centro Acadêmico do Agreste, Licenciatura Intercultural da UFPE, 2012.

WALSH, Catherine. Interculturalidade crítica e pedagogia decolonial: in-surgir, reexistir e re-viver. In. CANDAU, Vera Maria (Org.). Educação intercultural na América Latina: entre concepções, tensões e propostas. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2009.

WOLF, Eric. Encarando o poder: velhos insights, novas questões. Em: FELDMANBIANCO, B e RIBEIRO, G.L (Orgs). Antropologia e Poder. Contribuições de Eric R.Wolf. Brasília: Editora Universitária de Brasília: São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo: Editora Unicamp, 2003.




DOI: https://doi.org/10.33052/inter.v5i9.243605

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Caroline Farias Leal MENDONÇA

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.