Como educar sem contribuir para um novo Auschwitz?

César Augusto IBAÑEZ

Resumo


RESUMO

O artigo apresenta um ensaio analítico sobre o que poderia ser feito, em termos de ações educacionais, no sentido de se evitar um novo fracasso civilizatório, como o ocorrido em Auschwitz. Busca aprender do paradoxo vivenciado no Terceiro Reich: uma sociedade alemã, tão bem-educada e culta, ter descambado para a barbárie. Para tanto, teve como linha central a preocupação de Adorno sobre esse paradoxo, dialogando com autores como: Gramsci, Le Goff, Freire e Fanon. Refletiu-se acerca dos vários aspectos que envolveram Auschwitz, e de que maneira uma formação humana integral, poderia contribuir para evitar uma nova barbárie. Analisamos orientações presentes nas DCNs para o Ensino Médio, e para a Educação em Direitos Humanos; nos Cadernos de Formação de Professores do Ensino Médio; abordando a politecnia ou omnilateralidade de Gramsci. Concluiu-se constatando o quanto as circunstâncias de Auschwitz ainda têm a nos ensinar, assim como, o quanto o tema é atual; e que algo pode ser feito na educação, no sentido de se buscar evitar um novo Holocausto.

Educação. Emancipação. Políticas Públicas. Auschwitz.

 

How to educate without contributing to a new Auschwitz?

ABSTRACT

The article presents an analytical essay on what could be done, in terms of educational activities, in order to avoid a new civilizatory failure, like happened in Auschwitz. Seeks on learning from the paradox experienced in the Third Reich: a German society, well educated and cultured, to have collapsed into barbarism. Therefore, Adorno's concern about this paradox was the central line, in dialogue with authors such as Gramsci, Le Goff, Freire, and Fanon. We reflected upon various aspects that involved Auschwitz, and how an integral human formation could contribute to avoiding new barbarism. We analyzed guidelines present in the National Curricular Guidelines (DCN) for High School, and Human Rights Education; in the High School Teacher Training Material; addressing Gramsci's polytechnic or omnilaterality. We concluded by verifying that the circumstances in Auschwitz have a lot to teach us, as well as, how current the topic is; and, regarding education, that something can be done in order to avoid a new holocaust.

Education. Emancipation. Public Policy. Auschwitz.

 

¿Cómo educar sin contribuir con un nuevo Auschwitz?

RESUMEN

El artículo presenta un ensayo analítico sobre lo que podría hacerse, en términos de acciones educativas, para evitar un nuevo fracaso de civilización, como lo que sucedió en Auschwitz. Busca aprender de la paradoja experimentada en el Tercer Reich: una sociedad alemana, tan bien educada y culta, que, así mismo, descendió a la barbarie. En ese sentido, tuvimos como línea central la preocupación de Adorno acerca de esta paradoja, dialogamos con autores como: Gramsci, Le Goff, Freire y Fanon. Reflexionamos sobre los diversos aspectos que involucraron a Auschwitz y cómo una formación humana integral podría contribuir a evitar una nueva barbarie. Analizamos las pautas presentes en las DCN para la educación secundaria y para la educación en derechos humanos; en los cuadernos de formación de docentes de secundaria; abordando la politécnica u omnilateralidad de Gramsci. Concluimos averiguando lo mucho que nos tienen que enseñar las circunstancias de Auschwitz, la actualidad del tema; y que se puede hacer algo en educación, en el sentido de buscar evitar un nuevo Holocausto.

Educación. Emancipación. Políticas Públicas. Auschwitz.

 

Come educare senza contribuire a una nuova Auschwitz?

SINTESE

L'articolo presenta un saggio analitico su cosa si potrebbe fare, in termini di azioni educative, per evitare un nuovo fallimento della civiltà, come quello che è successo ad Auschwitz. Cerca di imparare dal paradosso sperimentato nel Terzo Reich: una società tedesca, così ben educata e istruita, che allo stesso modo discese nella barbarie. In questo senso, abbiamo avuto la preoccupazione di Adorno per questo paradosso come linea centrale, abbiamo parlato con autori come: Gramsci, Le Goff, Freire e Fanon. Riflettiamo sui vari aspetti che hanno coinvolto Auschwitz e su come una formazione umana integrale possa contribuire a evitare una nuova barbarie. Analizziamo le linee guida presenti nel DCN per l'istruzione secondaria e per l'educazione ai diritti umani; nei quaderni di formazione degli insegnanti delle scuole superiori; rivolgendosi al politecnico o onnilateralità di Gramsci. Concludiamo scoprendo quanto le circostanze di Auschwitz devono insegnarci, l'attualità della materia; e che qualcosa può essere fatto nell'educazione, nel senso di cercare di evitare un nuovo Olocausto.

Istruzione. l'emancipazione. Politiche pubbliche. Auschwitz.


Texto completo:

PDF

Referências


ADORNO, Theodor W. cap. O que significa elaborar o passado e Educação após Auschwitz in: Educação e emancipação. 2 ed. SP: Paz e Terra. 1995.

ADORNO, Theodor W. Teoria da semiformação. In: Pucci, B; Zuin, A. Lastória (orgs). Teoria Crítica e inconformismo. Novas perspectivas de pesquisa. São Paulo: Cortez, 2010.

BRASIL, Secretaria de Educação Básica. Formação de Professores do ensino médio, etapa I. Caderno III: o currículo do ensino médio, seu sujeito e o desafio da formação humana integral. Curitiba: UFPR/Setor de Educação, 2013c.

BRASIL, Secretaria de Educação Básica. Formação de Professores do ensino médio, etapa I. Caderno I: ensino médio e formação humana integral. Curitiba: UFPR/Setor de Educação, 2013d.

BRASIL, MEC. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação em Direitos

Humanos. In: Diretrizes Curriculares Nacionais da Educação Básica. 2014a. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=15548

-d-c-n-educacao-basica-nova-pdf&category_slug=abril-2014-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 21 jan 2020.

BRASIL, MEC. Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. In: Diretrizes

Curriculares Nacionais da Educação Básica. 2014b. Disponível em:

http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=15548

-d-c-n-educacao-basica-nova-pdf&category_slug=abril-2014-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 21 jan 2020.

BUTLER, Judith. Quadros de Guerra: quando a vida é passível de luto? Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 2017.

ELIAS, Norbert. Os alemães. A luta pelo poder e a evolução do habitus nos séculos XIX e XX. Rio de Janeiro: Zahar, 1997.

FANON, Frantz. Pele negra, máscaras brancas. Rio de Janeiro: Fator, 1980.

FOÉ, Nkolo. África em diálogo, África em autoquestionamento: universalismo ou provincialismo? “Acomodação de Atlanta” ou iniciativa histórica? In: Educar em Revista. Curitiba: UFPR, n. 47, p. 175-228, jan./mar. 2013.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. Paz e Terra, 1987

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia. Paz e Terra, 1996.

GRAMSCI, Antonio. Os intelectuais e a organização da cultura. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1968.

HELLER, Agnes. O cotidiano e a história. (3. Ed.) Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1989.

LE GOFF, Jacques. História e memória. São Paulo: Unicamp, 1990.

MANACORDA, Mario Alighiero. Marx e a pedagogia moderna. (Tradução: Newton Ramos de Oliveira). Campinas: Alínea, 2007.

MARR, Wolfgang Leo. À guisa de introdução: Adorno e a experiência formativa. In: ADORNO, Theodor W. Educação e emancipação. 2 ed. São Paulo: Paz e Terra, 2000.

RICCEUR, Paul. A Memória, a história, o esquecimento. Campinas: Unicamp, 2007.

ROLLE, Baptiste. Escravidão. In: POOLE, Hilary (Org.) et al. Direitos humanos: referências essenciais. São Paulo: Edusp, 2007.




DOI: https://doi.org/10.33052/inter.v6i10.244892

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 César Augusto IBAÑEZ

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.