Gênero e sexualidade: (Ou) Posições sobre a educação sexual

Gabriel DVOSKIN, Anelise Gregis ESTIVALET

Resumo


RESUMO

Nos últimos anos, diferentes países como Brasil e Argentina têm incluído temas relacionados à sexualidade como conteúdo curricular, medida que abriu uma série de debates na agenda pública acerca do papel que deve cumprir a instituição escolar no tratamento de questões relacionadas com a sexualidade e o gênero. Esta problemática regional tem se manifestado de forma eloquente e a polêmica sobre este tema pôs em circulação expressões como “ideologia de gênero”, que marcam uma clara resistência a este tipo de medida. Assim, analisaremos os discursos que têm circulado sobre a educação sexual e focalizaremos nosso interesse, especificamente, nas controvérsias geradas em relação às questões de gênero. A análise dos esquemas argumentativos que apresentam esses discursos nos permitirá, por um lado, analisar as polêmicas surgidas em torno das noções de gênero na educação sexual e, por outro, comparar as regularidades e rupturas que aparecem nos dois países.

Gênero. Sexualidade. Argumentação.

 

Gender and sexuality: (or) positions about sex education

ABSTRACT

In recent years, different countries such as Brazil and Argentina have included topics related to sexuality as a curricular content. This process has opened a series of debates on the public agenda about the role that the school institution should fulfill regarding matters related to sexuality and gender. This regional problem has manifested itself eloquently and, the controversy on this topic has put out expressions like “gender ideology”, that mark a clear resistance to this process. Thus, we will analyze the discourses that have been circulating about sex education and focus our interest, specifically, on the controversies generated in relation to gender issues. The analysis of the argumentative schemes that these speeches present will allow us, on the one hand, to analyze the controversies arising around the notions of gender in sexual education and, on the other hand, to compare the regularities and ruptures that appear in both countries.

Gender. Sexuality. Argumentation.

 

Género y sexualidad: (o) Posiciones sobre educación sexual

RESUMEN

En los últimos años, diferentes países como Brasil y Argentina han incluido temas relacionados con la sexualidad como contenido curricular, una medida que abrió una serie de debates en la agenda pública sobre el papel que debe desempeñar la institución escolar en el tratamiento de cuestiones relacionadas con la sexualidad y el género. Esta problemática regional se ha manifestado de manera elocuente y la controversia sobre este tema ha puesto en circulación expresiones como "ideología de género", que marcan una clara resistencia a este tipo de medida. Por lo tanto, analizaremos los discursos que han estado circulando sobre la educación sexual y enfocaremos nuestro interés, específicamente, en las controversias generadas en relación con los temas de género. El análisis de los esquemas argumentativos que presentan estos discursos nos permitirá, por un lado, analizar las controversias que surgieron en torno a las nociones de género en la educación sexual y, por otro, comparar las regularidades y rupturas que aparecen en ambos países.

Género. Sexualidad. Argumentación.

 

Genere e sessualità: (o) Posizioni sull'educazione sessuale

SINTESE

Negli ultimi anni, diversi paesi come il Brasile e l'Argentina hanno incluso questioni legate alla sessualità come contenuto curricolare, una misura che ha aperto una serie di dibattiti sull'agenda pubblica sul ruolo che l'istituzione scolastica dovrebbe svolgere nel trattare le questioni relative a Sessualità e genere. Questo problema regionale si è manifestato eloquentemente e la controversia su questo tema ha messo in circolazione espressioni come "ideologia di genere", che segnano una chiara resistenza a questo tipo di misura. Pertanto, analizzeremo i discorsi circolanti sull'educazione sessuale e focalizzeremo il nostro interesse, in particolare, sulle controversie generate in relazione alle questioni di genere. L'analisi degli schemi argomentativi presentati da questi discorsi ci permetterà, da un lato, di analizzare le controversie sorte intorno alle nozioni di genere nell'educazione sessuale e, dall'altro, di confrontare le regolarità e le rotture che compaiono in entrambi i paesi.

Genere. La sessualità. Argomentazione.


Texto completo:

PDF

Referências


AÇÃO EDUCATIVA. (Orgs.). A ideologia do movimento Escola Sem Partido: 20 autores desmontam o discurso. São Paulo: Ação Educativa, 2016.

ALTHUSSER, Louis. Ideologia e Aparelhos Ideológicos do Estado. Lisboa: Editorial Presença-Martins Fontes, 1974.

ANGENOT, Marc. O discurso social e as retóricas da incompreensão. São Carlos: EDUFSCar, 2017.

ARNOUX, Elvira. Análisis del discurso. Modos de abordar materiales de archivo. Buenos Aires: Santiago Arcos, 2006.

BATISTA, Eraldo Leme; ORSO, Paulino José; LUCENA, Carlos (Orgs.). Escola sem partido ou a escola da mordaça e do partido único a serviço do capital. Uberlândia: Navegando Publicações, 2019.

BORTOLINI, Alexandre, et. al. Trabalhando diversidade sexual e de gênero na escola: currículo e prática pedagógica. 1. Ed. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2014.

BOURDIEU, Pierre; PASSERON, Jean-Claude. La reproducción. Elementos para una teoría del sistema de enseñanza. México: Distribuciones Fontamara. 1996.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei número 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Presidência da República, 1996.

BRASIL. Lei Maria da Penha. Lei n. 11.340/2006. Coíbe a violência doméstica e familiar contra a mulher. Presidência da República, 2006.

BRASIL. Lei Maria do Feminicídio. Lei n. 13.104/2015. Altera o art. 121 do DecretoLei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940 - Código Penal, para prever o feminicídio como circunstância qualificadora do crime de homicídio, e o art. 1º da Lei nº 8.072, de 25 de julho de 1990, para incluir o feminicídio no rol dos crimes hediondos.

Presidência da República, 2015.

BRASIL. Decreto n. 8.727, de 28 de abril de 2016. Dispõe sobre o uso do nome social e o reconhecimento da identidade de gênero de pessoas travestis e transexuais no âmbito da administração pública federal direta, autárquica e fundacional. Presidência da República, 2016.

BRASLAVSKY, Cecilia. La discriminación educativa en la Argentina. Buenos Aires: Miño y Dávila, 1994.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Civilização Brasileira, 2015.

CANDAU, Vera Maria. Multiculturalismo e educação: desafios para a prática

pedagógica. In: MOREIRA, Antônio Flávio; CANDAU, Vera Maria (org.). Multiculturalismo: diferenças culturais e práticas pedagógicas. 7. Ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.

CARVALHO, Marília Pinto de. Gênero na sala de aula: a questão do desempenho escolar. In: MOREIRA, Antonio Flávio; CANDAU, Vera Maria (org.). Multiculturalismo: diferenças culturais e práticas pedagógicas. 7. Ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.

DVOSKIN, Gabriel. Metodología cualitativa en el campo del Análisis del Discurso. In: AGUIRRE-AMENDÁRIZ, Elizabeth; Johnson Mardones, Daniel. (Orgs.). Investigación Cualitativa en Latinoamérica. Santiago de Chile: Escaparta Ediciones, 2019.

ESPINOSA, Betty R. Solano; QUEIROZ, Felipe B. Campanuci. Breve análise sobre as

redes da Escola sem Partido. In: FRIGOTTO, Gaudêncio (Org.). Escola “sem” Partido: esfinge que ameaça a educação e a sociedade Brasileira. Rio de Janeiro: LPP/UERJ, 2017.

ESTIVALET, Anelise Gregis. A temática de gênero no contexto educacional brasileiro:

avanços e perspectivas. In: FREITAS, Aline da Silva; JESUS, Ester Zuzo de; RODRIGUES, Isabel Cristina. (Orgs.). Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional: estudos em virtude dos 20 anos da lei nº 9.394/1996. São Paulo: LTr, 2017.

FAIRCLOUGH, Norman. Discourse and social change. Cambridge: Polity PressBalckwell Publishers, 1992.

FAUR, Eleonor. El desafío de la educación sexual. La Plata: UNIPE, 2012.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e terra, 1994.

GAMBA, Susana; DIZ, Tania. Diccionario de estudios de género y feminismos. Buenos Aires, Biblos, 2009.

GIROUX, Henry. Pedagogía y crítica de la esperanza. Teoría, cultura y enseñanza. Madrid: Amorrortu, 1997.

GIROUX, Henry. Cuando las escuelas se convierten en zonas muertas para la imaginación. Revista de Educación. Año 6, n. 8, 2015.

HALLIDAY, Michael; HASAN, Ruqaiya. Cohesion in English. Londres: Longman, 1976.

HARAWAY, Donna. "Gender" for a marxist dictionary: the sexual politics of a word. Cad. Pagu [online]. 2004, n.22, pp.201-246.

ILLICH, Ivan. La sociedad desescolarizada. Buenos Aires: Godot, 2011.

LOURO. Guacira, Lopes. Currículo, gênero e sexualidade: o “normal”, o “diferente” e o

“excêntrico”. In: V Colóquio sobre Questões Curriculares. 12, 2002, Braga, Portugal. Promovido pela Universidade Federal do Minho, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2002.

MARTIN, James Robert; WHITE, Peter. The language of evaluation. Appraisal in English. Londres: Palgrave, 2005

MORGADE, G., BAEZ, J., Zattara S. y DÍAZ VILLA, G. Pedagogías, teorías de género y tradiciones en educación sexual. In: Toda educación es sexual. Buenos aires: Ed. La Crujía, 2018.

NICHOLSON, Linda. Interpreting gender. In: Sings: Journal of Women in Culture and Society, vol. 20, n. 1, Chicago, 1994.

ORLANDI, Eni. Educação e sociedade: o discurso pedagógico entre o conhecimento e a informação. ALED, v. 2, p. 68-80, 2016.

RAGO, Margareth. Epistemologia feminista, gênero e história. In: PEDRO, Joana; GROSSI, Miriam (orgs.). Masculino, feminino, plural. Florianópolis: Ed. Mulheres, 1998.

SCOTT, Joan. O Enigma da igualdade. Revista de Estudos Feministas, Florianópolis, v.13, n.1, 2005.

SEFFNER, Fernando. Equívocos e Armadilhas na Articulação entre Diversidade Sexual e Políticas de Inclusão Escolar. In: JUNQUEIRA, Rogério Diniz (org.). Diversidade Sexual na Educação: problematizações sobre a homofobia nas escolas. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, UNESCO, 2009.

TOSI, Carolina. Los “modos de decir pedagógicos” en los libros de texto. Un análisis polifónico-argumentativo acerca de la especificidad genérica y sus efectos de sentido. Lengua y Habla, 19, p. 126-148, 2015.

VERÓN, Eliseo. La semiosis social. Fragmentos de una teoría de la discursividad. Barcelona: Gedisa, 2007.

VOLOSHINOV, Vasily. Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo: Hucitec/Annablume, 2002.




DOI: https://doi.org/10.33052/inter.v6i10.244893

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Gabriel DVOSKIN, Anelise Gregis ESTIVALET

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.