Lélia Gonzalez e o pensamento interseccional: uma reflexão sobre o mito da democracia racial no Brasil

Ana Caroline Amorim OLIVEIRA

Resumo


RESUMO

O objetivo do presente artigo consiste em refletir sobre a perspectiva interseccional da autora Lélia Gonzalez, especificamente, em suas análises sobre os discursos acerca da mulher negra na construção e manutenção do mito da democracia racial no Brasil. A sua abordagem relacionando raça, classe e gênero- posteriormente é cunhado o termo interseccionalidades para caracterizar tal articulação- traz reflexões sobre a sociedade brasileira e o mito que a estrutura simbolicamente: o da democracia racial a partir da figura da mulher negra. Para sua análise Gonzalez articula, interdisciplinarmente, o marxismo e a psicanálise passando pelas ciências sociais e história, chegando na sua tese sobre o racismo enquanto uma neurose cultural brasileira. Dessa forma, ao retomar o pensamento de Gonzalez percebemos a sua urgência e atualidade para os estudos feministas, bem como, o reconhecimento enquanto uma intérprete do Brasil. Interseccionalidade. Lélia Gonzalez. Mito da democracia racial. Mulher negra.

 

Lélia Gonzalez and intersectional thinking: a reflection on the myth of racial democracy in Brazil

ABSTRACT

The aim of this article is to reflect on the intersectional perspective of the author Lélia Gonzalez, specifically in her analysis of the discourses about black women in the construction and maintenance of the myth of racial democracy in Brazil. Its approach relating race, class and gender - later the term intersectionality is coined to characterize such articulation - brings reflections on Brazilian society and the myth that symbolically structures it: that of racial democracy based on the figure of the black woman. For his analysis, Gonzalez articulates interdisciplinary Marxism and psychoanalysis through the social sciences and history, arriving at his thesis on racism as a Brazilian cultural neurosis. Thus, when resuming Gonzalez's thinking, we perceive his urgency and timeliness for feminist studies, as well as recognition as an interpreter of Brazil.

Intersectionality. Lélia Gonzalez. Myth of racial democracy. Black woman.

 

Lélia González e pensiero intersezionale: una riflessione sul mito della democrazia razziale in Brasile

RESUMEN

L'obiettivo di questo articolo è di riflettere sulla prospettiva intersezionale dell'autore Lélia González, in particolare, nella sua analisi dei discorsi sulle donne di colore nella costruzione e nel mantenimento del mito della democrazia razziale in Brasile. Il suo approccio mette in relazione razza, classe e genere - il termine intersezionalità è stato creato per caratterizzare tale articolazione - porta riflessioni sulla società brasiliana e sul mito che la struttura simbolicamente: quella della democrazia razziale basata sulla figura della donna nera. Per la sua analisi, González articola, interdisciplinare, il marxismo e la psicoanalisi attraverso le scienze sociali e la storia, arrivando alla sua tesi sul razzismo come nevrosi culturale brasiliana. Pertanto, riprendendo il pensiero di González, percepiamo la sua urgenza e attualità per gli studi femministi, nonché il riconoscimento come interprete dal Brasile.

Intersezionalità. Lélia González. Mito della democrazia razziale. Donna nera.

 

Lélia González e pensiero intersezionale: una riflessione sul mito della democrazia razziale in Brasile

SINTESE

L'obiettivo di questo articolo è di riflettere sulla prospettiva intersezionale dell'autore Lélia González, in particolare, nella sua analisi dei discorsi sulle donne di colore nella costruzione e nel mantenimento del mito della democrazia razziale in Brasile. Il suo approccio mette in relazione razza, classe e genere - il termine intersezionalità è stato creato per caratterizzare tale articolazione - porta riflessioni sulla società brasiliana e sul mito che la struttura simbolicamente: quella della democrazia razziale basata sulla figura della donna nera. Per la sua analisi, González articola, interdisciplinare, il marxismo e la psicoanalisi attraverso le scienze sociali e la storia, arrivando alla sua tesi sul razzismo come nevrosi culturale brasiliana. Pertanto, riprendendo il pensiero di González, percepiamo la sua urgenza e attualità per gli studi femministi, nonché il riconoscimento come interprete dal Brasile.

Intersezionalità. Lélia González. Mito della democrazia razziale. Donna nera.


Texto completo:

PDF

Referências


BACA ZINN, Maxine; DILL, Bonnie Thorton. Theorizing difference from multiracial feminism. Feminist Studies, 22, n.02, p. 321-331, 1996.

BRAH, Avtar. Diferença, diversidade, diferenciação. Cadernos Pagu, 26, p. 329-365, 2006.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero- feminismo e subversão da identidade. 16 ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2018.

CARNEIRO, Sueli. Mulheres em movimento. Estudos avançados, 17, 49, 2003.

CRENSHAW, Kimberlé. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Estudos Feministas 1, p.171-189, 2002.

DAVIS, Angela. Women, Race and Class. New York: Random House,1981.

GONZALEZ, Lélia. Racismo e sexismo na cultura brasileira. Revista Ciências Sociais Hoje. Anpocs. p.223-244. 1984.

GONZALEZ, Lélia. A categoria político-cultural de amefricanidade. Tempo Brasileiro. Rio de Janeiro, n.º 92/93.(jan.jun.), p. 69-82.1988.

GONZALEZ, Lélia. Por um feminismo afro-latino-americano. In: Caderno de formação política do Círculo Palmarino n.01 Batalha de Ideias. (2011). 2011.Disponível

em: https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/271077/mod_resource/content/1/Por%20um%

feminismo%20Afro-latino-americano.pdf. Acessado em 07.02.2020.

HARAWAY,Donna. Simians, cyborgs, and women. The reinvention of nature. Routledge, New York, 1991.

HENNING, Carlos Eduardo. As contribuições históricas e os debates

contemporâneos acerca do entrelaçamento de marcadores sociais da diferença. Mediações, v.20. N.2, p.97-128, Jul/Dez. 2015.

HILL COLLINS, Patricia. Black Feminist Thought: knowlege, consciousness, and the politics of empowerment. Nova Iorque, Routledge, 2000.

HOOKS, bell. Ain’t I a Woman? Black women and feminism. Cambridge, MA: South End, 1981.

HULKO,Wendy. The time- and contexto- contingente nature of intersectionality and interlocking oprressions. Affilia: Journal of Women and Social Work. Vol. 24, 2009, p. 44-45.

DAMATTA, Roberto. Relativizando: uma introdução à Antropologia Social. Rio de Janeiro: Ed. Rocco, 1987.

DAMATTA, Roberto. Carnavais, Malandros e heróis: para uma sociologia do dilema brasileiro. Rio de Janeiro: Rocco, 1997.

PISCITELLI, Adriana. Interseccionalidades, categorias de articulação e experiências de migrantes brasileiras. Sociedade e cultura, v. 11, n.02,jul/dez. 2008. p. 263-274

RIBEIRO, Djamilla. O que é lugar de fala. Belo Horizonte(MG): Letramento, 2017.

ROUDINESCO, Elisabeth. Dicionário de psicanálise. Tradução Vera Ribeiro, Lucy Magalhães. Rio de Janeiro: ZAHAR, 1998.




DOI: https://doi.org/10.33052/inter.v6i10.244895

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Ana Caroline Amorim OLIVEIRA

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.