Mulheres Negras Evangélicas e o Processo de Autoformação

Vanessa Maria Gomes BARBOZA, Ana Paula Abrahamian de SOUZA

Resumo


RESUMO

O presente artigo é parte das análises da pesquisa autobiográfica em educação, movimentos sociais e práticas coletivas, sobre o processo de autoformação das mulheres negras evangélicas ativistas sociais no Brasil. O lócus da investigação é o movimento progressista evangélico, especificamente da recém-criada Rede de Mulheres Negras Evangélicas (2018) das quais fazem parte a pesquisadora as interlocutoras da pesquisa. Por meio do método autobiográfico e das epistemologias feministas construiu-se o caminho metodológico de aproximação e sistematização da realidade, e da analise interpretativa as reflexões das categorias: Experiência, Diálogo e Prática Política sobre as quais se buscou conhecer a importância do movimento social no processo de autoformação das sujeitas da pesquisa. Os resultados indicam uma autoformação comprometida com a mudança social, com a luta antirracista e antissexista, e com a construção de identidades dissidentes em meio ao conservadorismo e fundamentalismo religioso fortemente presente na sociedade brasileira.

Autoformação. Negras Evangélicas. Movimento Social.

 

Evangelical Black Women and the Self-Training Process

ABSTRACT

This article is part of the analysis of autobiographical research on education, social movements and collective practices, about the self-formation process of black evangelical social activists in Brazil. The locus of the investigation is the progressive evangelical movement, specifically the newly created Evangelical Black Women Network (2018) of which the researcher is the interlocutor of the research. Through the autobiographical method and feminist epistemologies, the methodological way of approaching and systematizing reality was constructed, and the interpretative analysis the reflections of the categories: Experience, Dialogue and Political Practice, which sought to know the importance of social movement in the process. self-training of the research subjects. The results indicate a self-formation committed to social change, anti-racist and antisexist struggle, and the construction of dissident identities amidst conservatism and religious fundamentalism strongly present in Brazilian society.

Self-training. Black Evangelicals. Social Movement.

 

Mujeres evangélicas negras y el proceso de Auto-Formación

RESUMEN

Este artículo es parte del análisis de la investigación autobiográfica en educación, movimientos sociales y prácticas colectivas, sobre el proceso de auto formación de mujeres negras evangélicas activistas sociales en Brasil. El centro de la investigación es el movimiento progresista evangélico, específicamente la Red de Mujeres Negras Evangélicas (2018) recientemente creada, de la cual la investigadora y los interlocutores de investigación forman parte. A través del método autobiográfico y las epistemologías feministas, se construyó el camino metodológico de aproximación y sistematización de la realidad, y se construyeron las interpretaciones de las reflexiones de las categorías: Experiencia, Diálogo y Práctica Política sobre las cuales buscamos conocer la importancia del movimiento social en el proceso de auto-formación de las sujetas de investigación. Los resultados indican una auto-formación comprometida con el cambio social, con la lucha antirracista y antisexualista, y con la construcción de identidades disidentes en medio del conservadurismo y fundamentalismo religioso fuertemente presente en la sociedad brasileña.

Autoformación. Negras evangélicas. Movimiento social.

 

Donne evangeliche nere e processo di auto-formazione

SINTESE

Questo articolo fa parte dell'analisi della ricerca autobiografica in educazione, movimenti sociali e pratiche collettive, sul processo di auto-formazione delle attiviste sociali delle donne di colore evangeliche in Brasile. Il focus della ricerca è il movimento evangelico progressivo, in particolare la nuova Evangelical Black Women Network (2018), di cui fanno parte il ricercatore e i partner di ricerca. Attraverso il metodo autobiografico e le epistemologie femministe, è stato costruito il percorso metodologico di approssimazione e sistematizzazione della realtà e sono state costruite le interpretazioni delle riflessioni delle categorie: esperienza, dialogo e pratica politica su cui cerchiamo di conoscere l'importanza del movimento sociale nel processo di auto-formazione delle materie di ricerca. I risultati indicano un'auto-formazione impegnata nel cambiamento sociale, con la lotta antirazzista e antisessualista e con la costruzione di identità dissidenti tra conservatorismo e fondamentalismo religioso fortemente presenti nella società brasiliana.

Auto-allenamento. Neri evangelici. Movimento sociale.


Texto completo:

PDF

Referências


ABRAHÃO, Maria Helena Menna Barreto. Memória, Narrativa e Pesquisa Autobiográfica/ Maria Helena Menna Barreto Abrahão. História da Educação. ASPHE/Fae/UFPel, Pelota, n.14, p.79-95, set. 2003.

AQUINO, Maria Pilar; TÁMEZ, Elsa. Teología Feminista LatinoAmericana. Maria Pilar Aquino e Elsa Támez. – Editoa Abya Yala; Quito – Ecuador; 1998.

BRANCHINI, Diná da Silva. Religião e Identidade: um estudo sobre os negros metodistas da região metropolitana de São Paulo/ Diná da Silva Branchini – São Bernardo do Campo, 2008.

BRASIL, Dossiê Mulheres Negras: retrato das condições de vida das mulheres negras no Brasil. Mariana Mazzini Marcondes, Luana Pinheiro, Cristina Queiroz, Ana Carolina Querino, Danielle Valverde (Organizadores) / Brasília, 2013

CAMURÇA, Carmen Silva. Experiências em pedagogias feminista / Carmem

CARNEIRO, Sueli. Mulheres em Movimento. REVISTA ESTUDOS AVANÇADOS 17 (49), 2003.

CAROSIO, Alba. Feminismo latinoamericano: imperativo ético para la emancipación In.: Género y Globalizacíon. CLACSO Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales Editorial/Editor - Buenos Aires. 2009.

COLLINS, Patricia Hill. EM DIREÇÃO A UMA NOVA VISÃO: raça, classe e gênero como categorias de análise e conexão In.: MORENO, Renata (Org.). Reflexões e práticas de transformação feminista/ Renata Moreno (org.). São Paulo: SOF, 2015. 96p. (Coleção Cadernos Sempreviva. Série Economia e Feminismo, 4). ISBN 978-85- 86548-26-0

COLLINS, Patricia Hill. O que é um nome? Mulherismo, Feminismo Negro e além disso. Cadernos Pagu (51), 2017 :e175118. ISSN 1809-4449. http://dx.doi.org/10.1590/18094449201700510018

CORRALES, Johana Barreneche-. O método autobiográfico e a pesquisa social, Testemunhos e histórias de vida / Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder. Florianópolis, de 25 a 28 de agosto de 2008.

COSTA, Claudia de Lima. A URGÊNCIA DO PÓS-COLONIAL E OS DESAFIOS DOS FEMINISMOS LATINO-AMERICANOS. Terceira Margem • Rio de Janeiro • Número 20 • pp. 70-85 • janeiro/julho 2009 • 70

COSTA, Claudia de Lima. Feminismos descoloniais para além do humano. Estudos Feministas, Florianópolis, 22(3): 320, setembro-dezembro/2014.

COSTA, Claudia de Lima. Feminismos e pós-colonialismos. Estudos Feministas, Florianópolis, 21(2): 336, maio-agosto/2013.

CURIEL, Ochy. Descolonizando el Feminismo: Una perspectiva desde la America Latina y el Caribe. Primer Coloquio Latinoamericano sobre Praxis y Pensamiento Feminista realizado en Buenos Aires en junio de 2009, organizado por el grupo Latinoamericano de Estudios, Formación y Acción Feminista (GLEFAS) y el Instituto de Género de la Universidad de Buenos Aires.

DAVIS, Angela. Mulheres, Raça e Classe [recurso eletrônico] / Angela Davis ; tradução Heci Regina Candiani. - 1. ed. - São Paulo : Boitempo, 2016.

FLICK, U. 2009. Introdução à pesquisa qualitativa. Trad. Joice Elias Costa. 3. ed., Porto Alegre: Artmed. FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido, 17ª. ed. Rio de Janeiro. Paz e Terra. 1987.

GEBARA, Ivone. Teologia Ecofeminista: Ensaio para repensar o Conhecimento e a Religião. Ivone Gebara. – São Paulo - Ed. Olho D’água. Setembro/1997.

GOHN, Maria da Glória. Movimentos Sociais na Contemporaneidade. In: Revista Brasileira de Educação v. 16 n. 47 maio-ago. 2011. GOHN, Maria da Glória. Mulheres – atrizes dos movimentos sociais: relações político-culturais e debate teórico no processo democrático. Revista Política e Sociedade – UFSC; Nº 11 – outubro de 2007.

GOMES, Nilma Lino. O Movimento Negro educador: saberes construídos nas lutas por emancipação / Nilma Lino Gomes. – Petrópolis, RJ: Vozes, 2017. 2ª reimpressão, 2018.

GONH, Maria da Glória. Educação Não Formal, Aprendizagens e Saberes em Processos Participativos. - Investigar em Educação - II ª Série, Número 1, 2014.

GONZALES, Lélia. RACISMO E SEXISMO NA CULTURA BRASILEIRA. Apresentado na Reunião do Grupo de Trabalho “Temas e Problemas da População Negra no Brasil”, IV Encontro Anual da Associação Brasileira de Pós-graduação e Pesquisa nas Ciências Sociais, Rio de Janeiro, 31 de outubro de 1980.

HOOKS, Bell. Ensinando a transgredir – a educação como prática da liberdade: tradução de Marcelo Brandão Cipolla. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2013.

IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Demográfico por amostragem de domicilio. DF - Brasília, 2010.

IPEA, Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Dossiê Mulheres Negras: Retrato das condições de vida das mulheres negras no Brasil. DF-Brasília, 2013.

JAGGAR, Alison M. Amor e conhecimento: a emoção na epistemologia feminista In: Género, corpo, conhecimento / Alison M. Jaggar, Susan R. Bordo [editoras]; tradução de Brítta Lemos de Freitas. - Rio de Janeiro: Record: Rosa dos Tempos, 1997. - (Coleçao Género; 1). Tradução de: Gender, body, knowledge ISBN 85-01- 04345-1.

JOSSO, MARIE-CHRISTINE. A transformação de si a partir da narração de histórias de vida. Educação Porto Alegre/RS, ano XXX, n. 3 (63), p. 413-438, set./dez. 2007.

JOSSO, MARIE-CHRISTINE. Experiências de Vida e Formação; prefacio António Novoa; revisão científica, apresentação e notas à edição brasileira Cecília Warschauer; tradução José Cláudio e Júlia Ferreira; adaptação à edição brasileira Marina Viana. – São Paulo: Cortez, 2004.

KOROL, Claudia. Hacia una pedagogía feminista - 1º 1a ed. - : El Colectivo, América Libre, 2007. Korol, Claudia (comp.) 256 p., 22 x 15 cm. ISBN: 978-987-23514-5-8.

LAGARDE DE LOS RÍOS, Marcela. Los cautiveros de las mujeres: madresposas, monjas, putas, presas y locas. Universidade Nacional Autonóma de México. 2005.

LAKATOS, Eva Maria. Fundamentos de metodologia científica / Marina de Andrade Marconi, Eva Maria Lakatos. - 5. ed. - São Paulo: Atlas 2003.

LOPES, Eliane Marta Teixeira. Memória e estudos autobiográficos. História da Educação, ASPHE/FaE/UFPel, Pelotas, n.14, p.47-61, set.2003.

LUGONES, María. Colonialidad e Género. Tabula Rasa. Bogotá - Colombia, No.9: 73-101, julio-diciembre ISSN 1794-2489, 2008.

NEVES, Sofia. Investigação Feminista Qualitativa e Histórias de Vida: A libertação das vozes pelas narrativas biográficas / In Magalhães, Maria José (ed.), Lima Cruz, Angélica (ed.), Nunes, Rosa (ed.) Pelo fio se vai à meada: percursos de investigação através de histórias de vida Lisboa: Ela por Ela. (2012).

PASSEGGI, M. C. y Souza, E. C. (2017). O Movimento (Auto)Biográfico no Brasil: Esboço de suas Configurações no Campo Educacional/ Revista Investigacion Cualitativa Passeggi/ Investigación Cualitativa, 2(1) pp. 6-26. DOI: http://dx.doi.org/10.23935/2016/01032 PASSEGGI, M. C. y Souza, E. C. A experiência em formação. Educação, Porto Alegre, v. 34, n. 2, p. 147-156, maio/ago. 2011.

PEREIRA, Nancy Cardoso. Palavras: se feitas carne: leitura feminista e crítica dos fundamentalismos / Nancy Cardoso Pereira; [organização Rosângela Borges]. - São Paulo – Católicas Pelo Direito de Decidir, 1ª edição, 2003; 1ª reimpressão, 2013; - (Coleção Cadernos; 2011).

PINTO, Geise Pinheiro. Mulheres Negras Evangélicas no Brasil: violências, lutas e resistências. Tese de Doutorado – UFMG. Belo Horizonte, 2018.

RAGO, Margareth. EPISTEMOLOGIA FEMINISTA, GÊNERO E HISTÓRIA. Depto de História - UNICAMP. *Este artigo foi publicado em Pedro, Joana; Grossi, Miriam (orgs.) - MASCULINO, FEMININO, PLURAL. Florianópolis: Ed. Mulheres,1998.

RIBEIRO, Matilde. MULHERES NEGRAS: UMA TRAJETÓRIA DE CRIATIVIDADE, DETERMINAÇÃO E ORGANIZAÇÃO. Núcleo de Estudos e Pesquisas sobre Movimentos Sociais – Nemos (PUC/SP). Estudos Feministas, Florianópolis, 16(3): 424, setembro-dezembro/2008

ROSADO-NUNES, Maria José. Direitos, cidadania das mulheres e religião. Tempo Social, Revista de Sociologia da USP, v. 20, n. 2 - pp. 67-81. Nov/2008.

SANTOS, Ana Célia de Sousa. Pedagogia Feminista como Possibilidade de Construção de Novas Relações de Gênero. Revista Ártemis. Edição V.14, ago-dez, 2012. Pp.174-182.

SANTOS, Boaventura dc Sousa. Um discurso sobre as ciências / Boaventura de Sousa Santos. — 5. ed. - São Paulo: Cortez, 2008.

SCOTT, Joan. Experiência. In.: Falas de Gênero: Teorias, Análises e Leituras / Organizado por Alcione Leite da Silva, Maria Coelho de Souza leão e Tânia Regina Oliveira Ramos. – Florianópolis: Editora Mulheres, 1999. P.21-55.

SEGATO, RITA LAURA. Gênero e colonialidade: em busca de chaves de leitura e de um vocabulário estratégico descolonial. 18 | 2012: Epistemologias feministas: ao encontro da crítica radical. E-cadernos ces.

SOUZA, Sandra Duarte de. Mulheres evangélicas na política: tensionamentos entre o público e o privado / Evangelical women in politics: stress between public and private. Dossiê: Relações de Gênero e Religião – Belo Horizonte, v. 13, n. 39, p. 1261-1295, jul./set. 2015 – ISSN 2175-5841. Artigo original DOI – 10.5752/P.2175- 5841.2015v13n39p1261.

SPINDOLA, Thelma; SANTOS, Rosângela da Silva. Trabalhando com a história de vida: percalços de uma pesquisa(dora?). Revista Escola.




DOI: https://doi.org/10.33052/inter.v6i10.244898

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Vanessa Maria Gomes BARBOZA, Ana Paula Abrahamian de SOUZA

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.