Abya Yala Como Território Epistêmico: Pensamento Decolonial Como Perspectiva Teórica

Eliene Amorim de Almeida, Janssen Felipe da Silva

Resumo


Este artigo objetiva tratar sobre a Perspectiva Teórica do Pensamento Decolonial enquanto chave de leitura da realidade complexa da América Latina, tomando-a como território de enunciação epistêmica como de análise. Partimos do pressuposto de que Pensamento Decolonial constrói uma inteligibilidade outra da história e da ciência moderna no contexto da invasão da América a partir de 1492, o que nos possibilita analisarmos a história do contato entre os povos originários da América Latina e os europeus, mostrando como os povos originários entram para o sistema
mundo/moderno/colonial racializados na condição de índios e a partir do conceito de Diferença Colonial e Desobediência Epistêmica mostramos suas resistências ao Colonialismo e à Colonialidade.


Texto completo:

PDF

Referências


ARRUDA, José Jobson de Andrade. Immanuel Wallerstein e o moderno sistema mundial. Revista de História, [S.l.], n. 115, p. 167-174, dez. 1983. Disponível em: . Acesso em: 03 Jul. 2014.

BALLESTRIN, Luciana. América Latina e o giro Decolonial. Revista Brasileira de Ciência Política. N. 11, May/Aug. Brasília, 2013. Disponível em: . Acesso em agosto de 2013.

CARVALHO, Rosangela Tenório. Discursos pela interculturalidade no campo curricular da educação de Jovens e Adultos no Brasil. Recife: Bagaço, 2004.

CASTRO-GOMEZ, Santiago; MENDIETA, Eduardo. “Introduccion: la translocalizacion discursiva de Latinoamerica en tiempos de la globalizacion”. In: CASTRO-GOMEZ, Santiago; MENDIETA, Eduardo (Coord.). Teorías sin disciplina: latinoamericanismo, poscolonialidad y globalización en debate. Mexico: Miguel Angel Porrua, 1998.

CASTRO-GOMEZ, Santiago. Ciências sociais, violência epistêmica e o problema da ‘invenção do outro’. In: LANDER, Edgardo (Org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais, perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: Clacso, 2005a.

CASTRO-GÓMEZ, Santiago. La Poscolonialidad explicada a los niños. Bogotá: Universidad del Cauca y Instituto Pensar, 2005b. CASTRO-GOMEZ, Santiago; GROSFOGUEL, Ramón (Eds). El Giro Decolonial. Reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Universidad Javeriana-Instituto Pensar, Universidad Central-IESCO, Siglo del Hombre, 2007.

DUSSEL, Enrique. Europa, Modernidade e Eurocentrismo. In: LANDER, Edgardo (Org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais, perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: Clacso, 2005.

DUSSEL, Enrique. 1492: el encubrimiento del otro: hacia el origen del mito de la modernidad. Facultad de Humanidades y Ciencias de la Educación: Plural Editores. La Paz, 1994. Disponível em: http://bibliotecavirtual.clacso.org.ar/clacso/otros/20111218114130/1942.pdf.

GIDDENS, Antony. Sociologia. 6. ed. São Paulo: Artmed, 2012.

GROSFOGUEL, R. Para descolonizar os estudos de economia política e os estudos pós-coloniais: transmodernidade, pensamento de fronteira e colonialidade global. In: SANTOS, Boaventura de Souza; MENEZES, Maria Paula (Org.). Epistemologias do Sul. Coimbra, Portugal: Cortez, 2010.

MENSAGEIRO Revista - Ameríndia Ontem e Hoje. Estudo no. 4. Edição no. 52 Julho/Agosto (circulação Interna) 1988. Abya Yala Como Território Epistêmico: Pensamento Decolonial Como Perspectiva Teórica 63 Interritórios | Revista de Educação Universidade Federal de Pernambuco Caruaru, BRASIL | V.1 | N.1 [2015]

MIGNOLO, Walter. “La opcion decolonial: desprendimiento y apertura. Un manifiesto y un caso”. Tabula Rasa, Bogotá, 2008, n.8, p. 243-282.

MIGNOLO, Walter. Desobediência epistémica. Retórica de la modernidad, lógica de la colonialidad, y gramática de la descolonialidad. Buenos Aires: Ediciones del Signo, 2010.

MIGNOLO, Walter. Historias locales-diseños globales: colonialidad, conocimientos subalternos y pensamiento fronterizo. Madrid: Akal, 2003.

NEVES, Rita Ciotta. Os Estudos Pós-Coloniais: um Paradigma de Globalização. Babilónia. Revista Lusófona de Línguas, Culturas e Tradução, Nº. 6-7, 2009, pp. 231-239. Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias. Portugal.

PORTO-GONÇALVES, Carlos Walter. A geograficidade do social: uma contribuição para o debate metodológico sobre estudos de conflito e movimentos sociais na América Latina. En publicación: Movimientos sociales y conflictos en América Latina. José Seoane. CLACSO, Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales, Buenos Aires, Argentina. Programa OSAL, 2003. 288 p.

QUENTAL, Pedro de Araújo. A latinidade do Conceito de América Latina. GEOgraphia, v. 14, No 27, 2012. Disponível em: http://www.uff.br/geographia/ojs/index.php/geographia/article/view/520. Acesso dezembro de 2013.

QUIJANO, Anibal; WALLERSTEIN, Immanuel. Americanity as a Concepto, or the Americas in the Modern World-System. 1992, pp 547- 557.

QUIJANO, Anibal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, Edgardo (Org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latinoamericanas. Tradução de Júlio César Casarin Barroso Silva. Buenos Aires: CLACSO, 2005.

QUIJANO, Anibal. Colonialidade do Poder e Classificação Social. In: SANTOS, Boaventura de Souza; MENEZES, Maria Paula (orgs.). Epistemologias do Sul. Coimbra, Portugal: Cortez Editora, 2010. p. 84 – 130.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidad y modernidad-racionalidad. In: Los conquistados. 1492 y la población indígena de las Américas, edição Heraclio Bonilla: Tercer Mundo-Libri Mundi, Bogotá, 1992, pp. 437-447.

SANTOS, Boaventura de Souza. Para Além do pensamento abissal: das linhas globais a uma ecologia dos saberes. In: SANTOS, Boaventura de Souza; MENEZES, Maria Paula (Org.). Epistemologias do Sul. Coimbra, Portugal: Cortez Editora, 2010. p. 31- 83


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.