Protagonismo Juvenil, Pedagogia Social e o Pensamento Pedagógico Freireano: alguns desafios e perspectivas para a formação de educadores e educadoras sociais em projetos socioeducativos

Alexandre Magno Tavares da Silva

Resumo


Este artigo discute algumas experiências e reflexões a partir do trabalho dos educadores e educadoras sociais que estão ativos em projetos sócio-educativos para cuidar de crianças, adolescentes e jovens em condições de pobreza no Nordeste brasileiro. Com base nas considerações de Paulo Freire, vamos nos concentrar no  Protagonismo Juvenil como categoria e prática social e educacional para discutir a posição deste conceito no processo de aprendizagem e de trabalho dos educadores e educadoras sociais que atuam em áreas não-escolares. Esta discussão aponta para a necessidade de concentrar uma série de experiências sociais e educativas e de abordar seu desdobramento nos países do Terceiro Mundo e seu impacto social, que - embora ricas em significado e potencial- correm o risco de permanecer despercebidas por parte da atenção acadêmica que não se dá conta dessas áreas como espaços de conhecimento
e desenvolvimento de competências. Se o protagonismo juvenil vem alterando os fundamentos teóricos e metodológicos da formação dos educadores sociais, e do trabalho social, certamente afetará e influenciará na ação pedagógica (teórico e metodologica) dos educadores e educadoras sociais. Isto deverá permitir uma experiência intercultural que pode vir a contribuir para criar uma sociedade justa e solidária.


Texto completo:

PDF

Referências


ALVAREZ, Carlos Gonzales :Bewusstseinsarbeit mit arbeitenden Kindern. In: DEWES / HOLM Neue Methoden der Arbeit mit Armen – Am Beispiel Straßenkinder und arbeitende Kinder. Frankfurt, 1996.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. Andarilhagem In: STRECK, Danilo R. RENDIN, Euclides, ZITIKOSKI, Jaime José. Belo Horizonte: Autêntica, p. 40, 2008.

BRASIL, Câmara dos Deputados. Estatuto da Criança e do Adolescente. Brasília, 1990.

BRASIL, Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República. Diálogos sobre populações em situação de rua no Brasil e na Europa: experiências do Distrito Federal, Paris e Londres/ Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, Brasília, SDH, p. 08, 2013.

CALDART, Roseli Salete. Pedagogia do Movimento Sem Terra. Petrópolis, 2000.

CAMPOS, André et alii (Orgs.). Atlas da exclusão social no Brasil. 2 Vol. São Paulo, 2003.

CARRILLO, Alfonso Torres. Lá Educación Popular – trayectoria y actualidad. Bogotá, Editorial El Búho, 2007.

CONGRESSO NACIONAL. Relatório Final da Comissão mista especial destinada a estudar as causas estruturais e conjunturais das desigualdades sociais e apresentar soluções legislativas para erradicar a pobreza e marginalização e reduzir as desigualdades sociais e regionais. Brasília,1999. COSTA, Antônio Carlos Gomes da: Infância, juventude e política social no Brasil. In: Brasil: Criança Urgente: A lei 8069/90. O que é preciso saber sobre os novos direitos da criança e do adolescente. São Paulo, p. 38-41, 1990.

CUSSIÁNOVICH, Alejandro. Was ist Protagonismus? In: LIEBEL, Manfred; OVERWIEN, Bernd / RECKNAGEL, Albert (Orgs.): Was Kinder könn(t)en – Handlungsperspektiven von und mit arbeitenden Kindern. Frankfurt, p. 39-53,1999.

DEWES, Jürgen / HOLM, Karin (Orgs.). Neue Methoden der Arbeit mit Armen. Am Beispiel Straßenkinder und arbeitende Kinder. Frankfurt, 1996.

DÜCKER, Uwer von. In extremer Armut, in extremem Reichtum und auf der Straße lebende und arbeitende Kinder bei Entwicklung eigenständiger Kulturmerkmale. In: DEWES / HOLM (1996), Frankfurt, p. 53. 1996.

FISCHER, Nilton Bueno; LUSADA Vinícius Lima. Ouvir. In: STRECK, Danilo R. RENDIN, Euclides, ZITIKOSKI, Jaime José. Belo Horizonte: Autêntica, p. 301, 2008.

FREIRE, Paulo. Educação e Mudança. São Paulo, 1985.

GRACIANI, Maria Stela Santos. Pedagogia Social de Rua. São Paulo, 1997. JESUS, Carolina Maria de. Quarto de despejo: diário de uma favelada. São Paulo: Editora Ática. 1993.

KRAMER, Sonia / LEITE, Isabel (Orgs.). Infância: fios e desafios da pesquisa. São Paulo, 2001.

LIEBEL, Manfred. Mala Onda – Wir wollen nicht überleben, sondern leben. Frankfurt, 1990.

LIEBEL, Manfred. Wir sind die Gegenwart. Kinderarbeit und Kinderbewegung in Lateinamerika. Frankfurt, 1994.

LIEBEL, Manfred. Kinderbewegungen in Lateinamerika. In: DEWES / HOLM. Frankfurt p. 78,1996.

MNNATSOP. Niños trabajadores y protagonismo de la infância. Lima,1997.

RIBEIRO, João Ubaldo. Viva o Povo Brasileiro. 14 edição. São Paulo: Nova Fronteira, 1984. Protagonismo Juvenil, Pedagogia Social e o Pensamento Pedagógico Freireano: alguns desafios e perspectivas para a formação de educadores e educadoras sociais em projetos socioeducativos

SADER, Emir. Democracia é coisa de gente grande? In: SADER, Emir et alii Fogo no pavilhão, uma proposta de liberdade para o menor. São Paulo, 1987.

SCHIBOTTO, Giangi. Niños Trabajadores – Construyendo una identidad. Lima, 1990. SILVA, Alexandre Magno Tavares da. A Experiência de vida de crianças e adolescentes em situação de pobreza no cotidiano social: ser protagonistas? In: Revista Interfaces de Saberes, p. 11-28, 2001.

STRECK, Danilo R. (Org.) Fontes da pedagogia latino-americana: uma antologia. Belo Horizonte: Autêntica, 2010.

STRECK, Danilo R. Ligações esquecidas: requisitos para uma pedagogia social latino-americana. Revista Diálogos: pesquisa em extensão universitária. IV Congresso Internacional de Pedagogia Social: domínio epistemológico. Brasília, v.18, n.1, dez, 2012.

VIGOTSKI, Lev S. A Formação Social da Mente. São Paulo, 1999.




DOI: https://doi.org/10.33052/inter.v1i1.5012

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.