Qualidade de Serviços: Uma análise comparativa entre SERVQUAL e SERVPERF

Christiane de Melo Rêgo Souto, Jorge da Silva Correia-Neto

Resumo


Desde os anos 1980 discute-se como mensurar a qualidade dos serviços prestados, especialmente por que cada vez mais tem-se algum tipo de serviço associado aos produtos comercializados. Entretanto, a escala proposta por Parasuraman, Zeithaml e Berry, nomeada SERVQUAL, não é uma unanimidade até hoje. Além das críticas quanto a diversos aspectos, inclusive estatísticos, a escala SERVPERF obtém resultados iguais ou melhores do que sua antecessora, mas mesmo assim também não é uma unanimidade. Em síntese, a SERVQUAL apresenta 22 variáveis dispostas nas seguintes dimensões: tangíveis, confiabilidade, receptividade, segurança e empatia. A SERVPERF utiliza as mesmas variáveis e dimensões, contudo, ao invés de analisar o gap existente entre as expectativas e a performance do serviço executado, capta a percepção do cliente apenas após o consumo do serviço. O presente ensaio, a partir da literatura da área de marketing de serviços, buscou apontar as vantagens e desvantagens de cada uma dessas escalas e assim propor à comunidade científica um novo debate, mais fundamentado, sobre as referidas escalas. O estudo demonstrou o crescimento do interesse no tema e como contribuição apontou as principais vantagens e desvantagens de cada uma dessas escalas.


Palavras-chave


Qualidade de Serviços, SERVQUAL, SERVPERF.

Texto completo:

PDF

Referências


Abreu, A. A., & Andrade, D. M. (2017). Tudo começa na SERVQUAL: análise bibliométrica sobre o tema qualidade em serviços. In: Seminários em Administração (SEMEAD), XX, São Paulo (SP), 8-10 Nov.

Angur, M., Nataraajan, R., & Jahera, J. (1999). Service quality in the banking industry: an assessment in a developing economy. The International Journal of Bank Marketing

Bradford.

Babakus, E., & Mangold, W. G. (1992). An empirical assessment of the SERVQUAL scale. Journal of Business Research, 24.

Babich, P. (2001). Customer Satisfaction – How Good Is Good Enough? Quality Progress (December 1992, p. 65-67).

Bagozzi, R. R.; Yi, Y. (1988) On the Evaluation of Structural Equation Models. 1988. Journal of the Academy of Marketing Science, v. 16, n. 1, p. 744-94.

Bateson, J., & Hoffman, K. (2001). Marketing de Serviços. 4. ed. Porto Alegre: Bookman.

Bitner, M. J. (1990). Evaluating Service Encounter: The effects of physical surroundings and employee responses. Journal of Marketing, 54, p. 69-82.

Bitner, M. J., Boams, B.H., Tetreault, M. S. (1990). The Service Encounter: Diagnosing Favorable and Unfavorable Incidents. Journal of Marketing, 54 (1), p. 71-84.

Brown, T. J., Churchill, Jr., Gilbert A., & Peter, J. Paul. (1993). Research note: improving the measurement of service quality. Journal of Retailing, 69 (1), spring.

Carman, J. M. (1990). Consumer perceptions of service quality: An assessment of the SERVQUAL dimensions. Journal of Retailing, 66 (1).

Cronin, J., & Taylor, S. A. (1992). Measuring service quality: reexamination and extension. Journal of Marketing, 56 (3), July.

Cronin, J., & Taylor, S. (1994). SERVPERF versus SERVQUAL. Journal of Marketing, 1, p. 125-31.

Dutra, H. (2001). Percepção de Qualidade no Serviço Educacional: um estudo sobre o Curso de Administração da Faculdade de Ciências Humanas ESUDA. Dissertação... Dissertação (mestrado), Universidade Federal de Pernambuco.

Farias, S., & Santos, R. (1998). Atributos de Satisfação nos Serviços de Hotelaria: uma perspectiva no segmento da 3ª idade. In: Encontro Anual da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Administração (EnANPAD), Foz do Iguaçu (PR), 27-30 Set.

Finn, D. W., & Jamb Jr., C. W. (1991). An evaluation of SERVQUAL scales in a retail setting. In: Holman, R. H. & Solomon, M. R. (eds.). Advances in consumer research UT: Association for Consumer Research.

Holbrook, M. B., & Corfman, K. P. (1985). Quality and value in the consumption experience: phaldrus rides again. Massachusetts: Lexington Books.

Ingaldi, M. K. (2016). Use of the SERVPERF method to evaluate service quality in the transport company. Independent Journal of Management & Production (IJM&P), 7(1), January/March.

Lam, S. S. K., & Woo, K. S. (1997). Measuring service quality: a teste-retest reliability investigation of SERVQUAL. Journal of the Market Research Society, 19(2), April.

Lewis, Robert C., and Booms, Bernard H. (1983). The Marketing Aspects of Service Quality, Emerging Perspectives on Services Marketing. L. Berry, G. Shostack, and G. Upah, eds. American Marketing Association, Chicago, IL., pp. 99-107.

Llusar, J., & Zornoza, C. (2000). Validity and reliability in perceived quality measurement models - An empirical investigation in Spanish ceramic companies. The International Journal of Quality & Reliability Management Bradford.

Lovelock, C., & Wright, L. (2001). Serviços: Marketing e Gestão. São Paulo: Saraiva.

Marchetti, R., Prado, P. H., & Silva, A. R. (1998). Aspectos estratégicos e operacionais da avaliação da satisfação do usuário dos serviços públicos essenciais. In: Congresso Internacional Del CLAD, VI, Venezuela.

Matos, C. A., & Veiga, R. T. (2000). Avaliação da qualidade percebida de serviços: um estudo em uma organização não-governamental. Caderno de Pesquisas em Administração, 7(3).

Mondo, T. S., & Fiates, G. G. S. (2017). TOURQUAL: proposta de um protocolo para avaliação da qualidade dos serviços em atrativos turísticos. Brazilian Business Review, 14(4), p. 448-465.

Oliver, R. (1996). Customer Satisfaction Theory and Measurement. Journal of Marketing Management, Spring.

Parasuraman, A., Berry, L. L., & Zeithaml, V. A. (1985). A conceptual model of service quality and its implications for future research. Journal of Marketing, 49.

Parasuraman, A., Berry, L. L., & Zeithaml, V. A. (1988). SERVQUAL: A multiple-item scale for measuring consumer perceptions of service quality. Journal of Retailing, 64.

Parasuraman, A., Berry, L. L., & Zeithaml, V. A. (1991). Refinement and reassessment of the SERVQUAL scale. Journal of Retailing, 67(4), winter.

Pascale, Q., & Simon, R. (1997). Service marketing in the Australian advertising industry: a methodological study. The Journal of Services Marketing, 11(3), p.180-192.

Peters Filho, T. A. (2002). Proposição de modelagem da mensuração de valor percebido e envolvimento do consumidor em serviços. FECAP, 3(1), Janeiro.

Rust, R., & Zahorik, A. (1993). Customer Satisfaction, Customer Retention, and Market Share. Journal of Retailing, 69(2), Summer.

Santos, A. R., Costa, J. I. P., & Mondo, T. S. (2014). Tipologia dos serviços públicos à luz do marketing de serviços: uma proposição inicial. Revista Eletrônica Ciências da Administração e Turismo, 2(2), p. 15-32.

Solomon, M. R. (1998). Consumer behavior, bying, having e being. New Jersey: Prentice Hall.

Swan, J., & Oliver, R. (1991). An Applied Analysis of Buyer Equity Perceptions and Satisfaction with Automobile Salespeople. Journal of Personal Selling & Sales Management, 11(2), Spring.

Teas, R. K. (1993). Expectations, Performance Evaluation, and Consumers' Perceptions of Quality. Journal of Marketing, 57(4), 18-34.

Zeithaml, V., & Bitner, M J. (2003). Marketing de serviços: a empresa com foco no cliente. Porto Alegre: Bookman.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Submissão ABERTA para a próxima edição. Acesse as Diretrizes para Autorese envie-nos seu texto!