Programa de Treinamento de Processos: Proposta de Implantação em Empresa Têxtil

Fabiano Tives Sales, Mauricio Johnny Loos

Resumo


Em tempos de crise econômica, é necessário que as empresas busquem reduzir desperdícios nos processos e otimizem seus recursos para que possam se manter competitivas no mercado. Neste contexto, um programa de treinamentos implantado de forma consistente pode transformar o ambiente de trabalho gerando melhorias em organização, segurança, clima organizacional, qualidade e produtividade. Este artigo apresenta uma metodologia de implantação de programa de treinamentos baseada na criação dos pilares, Objetivo, Escopo, Método, Frequência e Resultados, e em conceitos da filosofia Lean como VSM (Value Stream Mapping) e 5S (Utilização, Organização, Limpeza, Padronização e Disciplina). Esta metodologia não busca somente fornecer o escopo de implantação do programa, mas atua também nas causas mais evidentes dos problemas da organização. Sendo assim, o mapeamento das atividades e a preparação do ambiente para mudanças é fundamental para o sucesso na implantação e para a continuidade do programa de treinamentos. Um dos pontos mais importantes desta metodologia é a classificação da complexidade dos processos, a qual visa salientar os pontos mais críticos na estrutura. Através de um conjunto de questões a serem respondidas pelos gestores ou pelos profissionais da área de Qualidade e Processos, é possível entender melhor os impactos que cada atividade exerce sobre os resultados da organização e planejar de maneira mais eficiente a estrutura de treinamentos aos colaboradores.


Palavras-chave


Treinamentos; Indicadores; Processos.

Texto completo:

PDF

Referências


Campos, V.F. (1999). TQC: Controle da Qualidade Total (no estilo japonês). Editora de Desenvolvimento Gerencial. 8a Edição. p173-174. Belo Horizonte, MG.

Cardoso, F. (2016). O Panorama do Treinamento no Brasil. São Paulo. Disponível em: http://www.integracao.com.br/pesquisa-panorama-do-treinamento-no-brasil-2016.pdf Acesso em: 15 Jun. 2017.

Cruz, L. A. (2016). Uma análise sobre a influência do treinamento na qualidade do atendimento: estudo de caso na empresa torta de amor confeitaria Ltda. NEGÓCIOS EM PROJEÇÃO, 7(1), 11-22.

Da Silva, D. S.; Cruz, L. (2016). Planejamento e desenvolvimento do Treinamento. Disponível em: http://www.rhportal.com.br/artigos-rh/planejamento-e-desenvolvimento-do-treinamento/ Acesso em: 10 Jul. 2017.

França, A. C. L. (2001). Práticas de recursos humanos–PRH: conceitos, ferramentas e procedimentos. São Paulo: Atlas, 2008 8 GIL, Antônio Carlos. Projetos de Pesquisa: como elaborar. São Paulo: Atlas.

Garcia, R. S. (2011). Formulação de Objetivos e Metas. Disponível em: http://www.administradores.com.br/artigos/negocios/formulacao-de-objetivos-e-metas/57039/ Acesso em 10 Jul. 2017.

Hronec, S. M. (1994). Sinais Vitais: usando medidas de desempenho da qualidade, tempo e custo para traçar a rota para o futuro da empresa. São Paulo: Makron Books.

Levandowiki, M. H. (2015). Treinamento e Desenvolvimento de Pessoas. Porto Alegre. Disponível em: http://www.rhportal.com.br/artigos-rh/treinamento-e-desenvolvimento-de-pessoas-2/ Acesso em: 15 Jun. 2017.

Marras, J. P. (2011). Administração de Recursos Humanos. 14. ed. São Paulo: Saraiva.

Medina, J. J. (2010). Brain Rules, 12 Principles for Surviving and Thriving at Work, Home, and School. Pear Press.

Moreira, C. (2009) Modelo de Avaliação de Kirkpatrick – Os Quatro Níveis de Avaliação de Aprendizagem. Disponível em: https://claudiomoreira.wordpress.com/2009/07/28/modelo-de-avaliacao-de-kirkpatrick-%E2%80%93-os-quatro-niveis-de-avaliacao-da-aprendizagem/ Acesso em: 15 Jul. 2017.

Picchi, F. (2017). Produtividade: Trabalhe “melhor” em vez de “fazer mais do mesmo”. São Paulo. Disponível em: https: //www.lean.org.br/colunas_detalhes.aspx?=520. Acesso em: 20 Jul. 2017.

Rebelato, M. G.; Luitz, M. P. (2003). Avaliação do Desempenho Organizacional. In. ENEGEP. XXIII, Ouro Preto. Avaliação do Desempenho Organizacional. Ouro Preto: Abepro, 2003, p. 5 – 8.

Rummler, G. A.; Brache, A. P. (1994). Melhores Desempenhos das Empresas. São Paulo: Makron Books.

Silva, C. E. (2003). Implantação de um Programa 5S. In. Encontro Nac. de Eng. de Produção, XXIII, Ouro Preto. Implantação de um Programa 5S. Ouro Preto: Abepro, 2003, p. 1 – 8.

Tavares, V. B. (2004). Treinamento: Custo ou Investimento em Capital Intelectual. Rio de Janeiro, 59f. Apresentação de Monografia à Universidade Cândido Mendes como condição prévia para a conclusão do curso de Pós-Graduação em Pedagogia Empresarial.

Womack, J. P.; Jones, D. T. (2004). A Máquina que Mudou o Mundo. Gulf Professional Publishing.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Submissão ABERTA para a próxima edição. Acesse as Diretrizes para Autorese envie-nos seu texto!