Uma Organização Religiosa Pensada a Partir da Teoria das Estruturas Organizacionais em Mintzberg.

Bertha Maria do Amaral e Silva, Ítalo Henrique De Freitas Ramos da Silva, Bruno Gustavo Ferreira do Nascimento, Elisabeth Cavalcante Dos Santos

Resumo


Neste estudo, o nosso objetivo foi pensar a teoria das estruturas organizacionais em Mintzberg (1981, 2003) a partir de uma organização religiosa. Uma vez que estas organizações apresentam características peculiares enquanto sua institucionalização no âmbito social, político e cultural nas comunidades em que se fazem presentes, organizadas através do trabalho voluntário, solidariedade e crenças dogmáticas. Assim, para compreendermos a estrutural organizacional e suas características, foi realizada uma pesquisa qualitativa, por meio de entrevistas com diversas lideranças organizacionais, incluído figura do líder principal da organização. Conseguimos perceber uma estrutura organizacional com foco na burocracia mecanizada, composta por três partes organizacionais distintas coordenadas principalmente por meio do ajustamento mútuo.

Palavras-chave


Administração; Gestão

Texto completo:

PDF

Referências


Cardim, P. (2001) Religião e Ordem Social. Revista de História das Ideias: O Estado e a Igreja. Impactum Coimbra University Press, v. 22, 133-174.

Compêndio Pastoral Fé e Política. (2005). Compêndio da doutrina social da igreja. São Paulo: Edições Paulinas.

Conferência Nacional dos Bispos do Brasil. (2008). Projeto Nacional de Evangelização: O Brasil na Missão Continental. Brasília, Edições CNBB.

GIL, A. C. (2002). Como elaborar projeto de pesquisa. São Paulo: Atlas.

GODOI, C. K.; MATTOS, P. L. C. L. (2010). Entrevista qualitativa: instrumento de pesquisa e evento dialógico. In: SILVA, A, B.; GODOI, C. K.; MELLO, R. B. (Org.), Pesquisa qualitativa em estudos organizacionais: paradigmas, estratégias e métodos (cap. 10). São Paulo: Saraiva, 2010.

GONÇALVES, J. C. S.; SERRA, A. R. C.; COSTA, C. E. S. (2007). A empresarização do sagrado: um estudo sobre a estruturação de igrejas protestantes brasileiras. Revista Eletrônica de Ciência Administrativa, v. 6 (2), 1-14.

LIMA, A. S. (2016) Gestão de pessoas em organizações religiosas: o caso da Igreja Presbiteriana do Brasil (Dissertação de Mestrado). Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, SP, Brasil.

MAXIMIANO, A. (2010). Introdução à Administração (7a. ed). São Paulo: Atlas.

MERRIAM, S. B. (2009). Qualitative Research: A guide to design and interpretation. San Francisco: Jossey-Bass.

MINTZBERG, H. (1981). Organization design: fashion or fi t? Harvard Business Review. jan/feb, 103-116.

MINTZBERG, H. (2003). Criando organizações eficazes (2a. ed). São Paulo: Atlas.

NICOLINI, D. (2013). Practice Theory, Work, & Organization: an introduction. Oxford: Oxford University Press.

SCHULTZ, G. Introdução à gestão de organizações. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2016.

SERAFIM, M. C.; ALPERSTEDT, G. D. (2012). As organizações religiosas e suas relações: Uma análise a partir da teoria dos stakeholders. Revista de Negócios, v. 17 (2), 21-40.

SOBRAL, F. (2008). Administração: Teoria e prática no contexto brasileiro. São Paulo: Pearson Prentise Hall.

STONER, J. (1999). Administração (5a. ed.). Rio de Janeiro: Prentice Hall do Brasil.

WOODS JR., T. E. (2008). Como a Igreja Católica construiu a civilização ocidental. São Paulo: Quadrante.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Submissão ABERTA para a próxima edição. Acesse as Diretrizes para Autorese envie-nos seu texto!