Paleossolos e Estudos Ambientais Quaternários: Discussão Teórica e Possibilidades de Aplicação

Márcio Luiz Silva

Resumo


O presente trabalho tem como objetivo discutir o conceito de paleossolo, sua formação e caracterização, e problematizar sua aplicabilidade como apoio nos estudos paleoambientais quaternários. Entende-se por paleossolo todo solo formado em épocas que antecederam o Holoceno e que se encontra preservado no registro geológico, figurando-se em vestígios de ambientes passados. Assim, inicialmente são apresentadas diversas concepções de paleossolos e alguns desdobramentos inerentes à natureza deste conceito e apontados exemplos no Brasil. São discutidas também as principais características dos paleossolos e seus fatores e condições de formação. Posteriormente, aborda-se a utilização dos paleossolos nos estudos de análise ambiental, evidenciando a relação da paleopedologia com a geologia e com a paleogeografia, enfatizando a perspectiva paleoambiental no Período Quaternário. Os paleossolos, aliados a outros vestígios de natureza litológica, geomorfológica, paleoclimática e biogeográfica, e valendo-se de métodos confiáveis, tem servido como bom indicador de ambientes pretéritos.

Palavras-chave


Paleossolo; Paleoambiente; Período Quaternário; Geociências

Texto completo:

PDF

Referências


Ab’ Sáber, A. N. (2003). Os domínios de natureza no Brasil: AB’ potencialidades paisagísticas. 3. ed. São Paulo: Ateliê Editorial.

Ab’ Sáber, A. N. (1998). Participação das Depressões Periféricas e Superfícies Aplainadas na Compartimentação do Planalto Brasileiro – Considerações Finais e Conclusões. Revista IG, São Paulo, v. 19, n. 2, p. 51-69.

Achyuthan, H. (2004). Paleopedology of Ferricrete Horizons around Chennai Tâmil Nadu, Índia. Revista Mexicana de Ciencias Geológicas, v. 21, n. 1, p. 133-143.

Andreis, R. R. (1981). Identificación e Importancia Geológica de los Paleosuelos. Porto Alegre: Editora da UFRGS.

Assine, M. L. Evolução do Conceito de Seqüência. In: Ribeiro, H. J. P. S. (Org.). (2001). Estratigrafia de Seqüências: fundamentos e aplicações. São Leopoldo – RS: Editora da Universidade do Vale do Rio dos Sinos.

Bigarella, J. J. et al. (2003). Estrutura e origem das Paisagens Tropicais e Subtropicais. vol. 3. Florianópolis: Editora da UFSC.

Brilha, J. (2007). Materiais e Recursos Geológicos. Portugal: Departamento de Ciências da Terra da Universidade do Minho. Casseti, V. (2006). Geomorfologia. Goiás: FUNAPE/UFG.

Christofoletti, A. (1966). Estudos sobre o Quaternário. Notícia Geomorfológica, Campinas, v. VI, n. 12.

Christofoletti, A. (2002). Geomorfologia. 2. ed., 7. reimp. São Paulo: Editora Edgard Blücher.

Cumba, A.; Imbellone, P. (2004). Micromorphology of Paleosols at the Continental Border of the Bueno Aires Privince, Argentina. Revista Mexicana de Ciências Geológicas, vol. 21, n. 1, p. 18-29.

Cunha, S. B.; Guerra, A. J. T. (Org.). (2004). Geomorfologia e Meio Ambiente. 5. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Curi, N. (Coord.). (1993). Vocabulário de Ciências do Solo. Campinas: Sociedade Brasileira de Ciências do Solo.

Dereczynski, C. P.; França, J. R. A. (2008). Métodos para Determinação dos Climas do Passado. Instituto de Geociências – Departamento de Meteorologia, Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Dergacheva, M. (2002). Paleosols and New Approaches to Paleoenvironment Reconstruction. In: XVII World Congress of Soil Science, 2002. Bangkok, Thailand. Anais...Bangkok, Thailand.

Faccini, U. F.; Paim, P. S. G. (2001). Estratigrafia de Seqüências em Depósitos Continentais. In: Ribeiro, H. J. P. S. (Org.). Estratigrafia de Seqüências: fundamentos e aplicações. São Leopoldo – RS: Editora da Universidade do Vale do Rio dos Sinos.

Fairchild, T. R.; Teixiera, W.; Babinski, M. (2000). Em busca do Planeta: Tempo Geológico. In: Guerra, W. T. (Org.). Decifrando a Terra. São Paulo: Oficina de Textos.

Filho, C. J. M. (Coord.). (2004). Vocabulário Básico de Recursos Naturais e Meio Ambiente. 2. ed. Rio de Janeiro: IBGE - Coordenação de Recursos Naturais e Estudos Ambientais.

Filho, M. C.; Camargo, G. (2007). Presença de Paleofendas de Dessecação em Paleossolos de Mais de 40 Ka no Sul do Segundo Planalto Paranaense. In: I Workshop Regional de Geografia e Mudanças Ambientais, 2007. Paraná. Anais... Paraná.

Follmer, L. R. (1982). The Geomorphology of the Sangamon Surface: its spatial and temporal attributes. In: C. Thorn (ed.). Space and Time in Geomorphology. Boston: George Allen and Unwin.

Golyeva, A. A.; Chichagova, O. A. (2004). Soils of Arid Ecosystems of Kalmykia in the Late Holocene. Revista Mexicana de Ciências Geológicas, vol. 21, n. 1, p. 48-53.

Goudie, A. S. (2006). Encyclopedia of Geomorphology. vol. 1. London and New York: Taylor & Francis Group.

Guerra, A. T.; Guerra, A. J. T. (2003). Novo Dicionário Geológico-Geomorfológico. 3. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Iannuzzi, R.; Vieira, C. E. L. (2005). Paleobotânica. Porto Alegre: Editora da UFRGS.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. (2007). Manual Técnico de Pedologia. 2. ed. (Série Manuais Técnicos em Geociências), n. 4, Rio de Janeiro.

Jacobs, P. M. e Mason, J. A. (2004). Paleopedology of Soils in Thick Holocene Loess, Nebraska, USA. Revista Mexicana de Ciências Geológicas, vol. 21, n. 1, p. 54-70.

Jenny, H. (1941). Factors of soil formation. New York: McGraw-Hill, 281p.

Keller, E. A. (1988). Enviromental Geology. 5 ed. Columbus: Charles E. Merril Publ., 548 p. King, L .C. (1956). A Geomorfologia do Brasil Oriental. Revista Brasileira Geografia, R. de Janeiro, 18 (2):3-121, abr./jun.

Kovaleva, N. (2004). Northern Tian-Shan Paleosoil Sedimentary Sequences as a Record of Major Climatic Events in the Last 30,000 Years. Revista Mexicana de Ciências Geológicas, vol. 21, n. 1, p. 71-78.

Ladeira, F. S. B. (2004). Paleopedologia Aplicada a Reconstituição Ambiental do Quaternário no Sudeste do Brasil. In: Encontro sobre Mudanças Globais,Vol. 1, p. 51-52, Campinas.

Ladeira, F. s. B.; Dal’Bó, P. F. F. (2006). Ambientes Paleoclimáticos da Formação Marília Baseado em Análise Paleopedológica na Região de Monte Alto (SP). Geociências, São Paulo, v. 25, n. 1, p. 127-134.

Ladeira, F. S. B.; Santos, M. (2005). O Uso de Paleossolos e Perfis de Alteração para a Identificação e Análise de Superfícies Geomórficas Regionais: O Caso da Serra de Itaqueri (SP). Revista Brasileira de Geomorfologia, v. 6, n. 2, p. 3-20.

Ladeira, F. S. B.; Santos, M. (2006). Tectonics and Cenozoic Paleosols in Itaqueri's Hill (São Paulo - Brazil): Implications for the long-term Geomorphological Evolution. Zeitschrift für Geomorphologie. Supplementband, 145, p. 37-62.

Lakatos, E. V.; MarconI, M. A. (2007). Fundamentos de Metodologia Científica. 6. ed. São Paulo: Editora Atlas.

Lepsch, I. F. (2002). Formação e Conservação dos Solos. São Paulo: Oficina de Textos.

Modenesi, M. C.; Toledo, M. C. M. (1993). Morfogênese Quaternária e Intemperismo: Colúvios do Planalto do Itatiaia. Revista do Instituto Geológico de São Paulo, vol. 14, n. 1, p. 45-53.

Mantesso-Neto, V. et al (Org.). (2004). Geologia do Continente Sul-Americano: evolução da obra de Fernando Flávio Marques de Almeida. São Paulo: Beca.

Nowatzki, C. H. (2005). Fundamentos de Geologia Arqueológica. São Leopoldo: NEPGEA.

Passos, M. M. (2003). Biogeografia e Paisagem. 2. ed. Maringá: UEM.

Pessenda, L. C. R. (1998). Laboratório de C14. Técnicas e Aplicações Paleoambientais. Piracicaba: CENA/USP. (Série Didática, v. 2, 53p.).

Pierini, C.; Mizusaki, A. M. P. (2007). Significados Paleoambientais e Paleoclimáticos dos Paleossolos: Uma Revisão. Revista Pesquisa em Geociências, Porto Alegre, v. 34, n. 1, p. 45-61.

Pierini, C. (2006). Caracterização de Paleossolos Aluviais em Bacias Sedimentares Mesozóicas: determinação dos controles sedimentares e implicações paleoambientais. 2006. 193 f. Tese (Doutorado em Geociências) – Instituto de Geociências, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

POPP, J. H. (2004). Geologia Geral. 5. ed. Rio de Janeiro: LTC Editora. Press, F. et al. (2006). Para Entender a Terra. 4. ed. São Paulo: Bookman.

Pustovoytov, K.; Terhorst, B. (2004). An Isotopic Study of a Late Quaternary Loess-Paleosol Sequence in SW Germany. Revista Mexicana de Ciências Geológicas, vol. 21, n. 1, p.88-93.

Queiroz Neto, J. P. (2000). Geomorfologia e Pedologia. Revista Brasileira de Geomorfologia, v. 1, n. 1, p. 59-67.

Queiroz Neto, J. P. (2001). O Estudo de Formações Superficiais no Brasil. Revista do Instituto Geológico, São Paulo, v. 22, n. 1/2, p. 65-78.

Queiroz Neto, J. P. (2008). Relações entre as Vertentes e os Solos: Uma Revisão. In: VII SIMPÓSIO NACIONAL DE GEOMORFOLOGIA e II ENCONTRO LATINO-AMERICANO DE GEOMORFOLOGIA, 2008. Belo Horizonte. Anais... Belo Horizonte: UFMG.

Retallack, G. J. (1990). Soils of the Past – An Introdution to Paleopedology. London: Unwin Hyman.

Resende, M. et al. (2002). Pedologia: base para distinção de ambientes. 4. ed. Viçosa: NEPUT.

Ribeiro, H. J. P. S. (Org.). (2001). Estratigrafia de Seqüências: fundamentos e aplicações. São Leopoldo – RS: Editora da Universidade do Vale do Rio dos Sinos.

Rocha, L. C.; Augustin, C. H. R. R.; Cruz, L. O. M. (2008). O Papel Geomorfológico das Lateritas no Espinhaço Meridional, MG. In: VII SIMPÓSIO NACIONAL DE GEOMORFOLOGIA e II ENCONTRO LATINOAMERICANO DE GEOMORFOLOGIA, 2008. Belo Horizonte. Anais... Belo Horizonte: UFMG.

Ruhe, R. V. (1975). Geomorphology, Geomorphic Processes and Surficial Geology. Boston: Houghton Mifflin.

Salgado-Labouriau, M. L. (2007). Critérios e Técnicas para o Quaternário. São Paulo: Editora Edgard Blücher.

Salgado-Labouriau, M. L. (1994). História Ecológica da Terra. 2. ed. São Paulo: Edgard Blücher.

Sallun, A. E. M. et al. (2007). Datação Absoluta de Depósitos Quaternários por Luminiscência. Revista Brasileira de Geociências, vol. 37, n. 2, p. 402-413.

Semmel, A. (1989). Paleopedology and Geomorphology: examples from the Western part of Central Europe. In: Bronger, A.; Catt, J. A. (ed) Paleopedology: Nature and application of paleosols. Catena Supplement, 16. p.143-162.

Silva, M. L. (2008). A Paleopedologia no Contexto dos Estudos Paleoambientais Quaternários: Algumas Considerações. 2008. 60 f. Monografia (Especialização em Solos e Meio Ambiente) – Departamento de Ciências do Solo, Universidade Federal de Lavras, Lavras.

Silva, A. C. et al. (2004). Solos do Topo da Serra São José (Minas Gerais) e Suas Relações com o Paleoclima no Sudeste do Brasil. Revista Brasileira de Ciência do Solo, São Paulo, 28, p. 455-466.

Soil Survey Manual. Washington, D.C.: U.S. (1984). Department of Agriculture, cap.1. (Agriculture handbook, n. 430).

Soil Taxonomy: a basic system of soil classification for making and interpreting soil surveys. (1975). Washington, D.C.: U.S. Department of Agriculture, 754 p. (Agriculture handbook, n. 436).

Solleiro-Rebolledo, E. et al. (2004). Quaternary Pedostratigraphy of the Nevado de Toluca Volcano. Revista Mexicana de Ciências Geológicas, vol. 21, n. 1, p. 101-109.

Souza, C. R. G. et al (ed). (2005). Quaternário do Brasil. Ribeirão Preto: Holos Editora.

Suguio, K. (1998). Dicionário de Geologia Sedimentar e Áreas Afins. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Suguio, K. (2001). Geologia do Quaternário e Mudanças Ambientais (Passado + Presente = Futuro?). 1. reimp. São Paulo: Paulo’s Comunicação e Artes Gráficas.

Suguio, K. (2008). Mudanças Ambientais da Terra. 1. ed. São Paulo: Instituto Geológico e Secretaria de Estado do Meio Ambiente.

Suguio, K.; Sallun, A. E. M. (2004). Geologia do Quaternário e Geologia Ambiental. In: Mantesso-Neto, V. et al (Org.). Geologia do Continente Sul-Americano: evolução da obra de Fernando Flávio Marques de Almeida. São Paulo: Beca.

Suguio, K.; Sallun, A. E. M.; SOARES, E. A. A. (2005). Período Quaternário: “Quo Vadis”?. Revista Brasileira de Geociências, v. 35, n. 3, p. 425-432.

Summerfield, M. A. (1991). Global Geomorphology: an introduction to the study of landforms. New York: Longman Scientific & Technical, 537 p.

Troppmair, H. (2006). Biogeografia e Meio Ambiente. 7. ed. Rio Claro: Divisa.

Viadana, A. G. (2000). A Teoria dos Refúgios Florestais Aplicada ao Estado de São Paulo. 2000. 165 f. Tese de Livre Docência em Geografia. Instituto de Geociências e Ciências Exatas, UNESP, Rio Claro.

Wright, V. P. (1992). Paleopedology: strtigraphic relationship and empirical models. In Martini, I. P.; Chesworth, W. (ed.) Weathering, Soils e Paleosols. Elsevier, Amsterdan, Holand. p. 475-499.




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v4i1.232666



      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License