Variáveis Geográficas para Definir e Classificar Trilhas Técnicas (Geographical variables to define and graduate technical trails)

Antonio Paulo Faria

Resumo


R E S U M O

Para fins de manejo de uso de áreas de preservação de ambientes naturais e aplicação nas atividades de montanhismo e caminhada, foi definida neste trabalho uma metodologia baseada em variáveis geográficas para classificar “trilha técnica”, que são caminhos que não podem ser considerados como caminhada, e não se encaixam propriamente nos modelos de escalada (alpinismo). Elas estão presentes em regiões geomorfológicas distintas que incluem morros, montanhas, áreas cársticas, costa rochosa, cânions etc. As trilhas técnicas misturam caminhada com trechos que exigem conhecimento técnico ou prático para transpô-los, com escalada de blocos rochosos, pequenas escarpas rochosas, vertentes íngremes com vegetação, travessia de grutas, cruzamentos de rios, travessias de trechos de mar e uso de corda para segurança. Foi elaborada uma matriz com 16 possibilidades para graduar esse tipo de trilha. Ela mescla a classificação de distância-desnível vertical (leve, moderada, pesada e extrapesada) com o grau de dificuldade (fácil, médio, difícil e extremo). Esse sistema tem ainda a função de expor aos usuários o tipo de situação que será encontrado, evitando ou minimizando acidentes. Por exemplo, uma trilha técnica pode ser graduada como: Leve Difícil (L3), Moderada Extrema (M4), Extrapesada Média (EP2) e assim por diante. Palavras-chave: trilhas; ambientes naturais; sistema de classificação.

 

A B S T R A C T

This work defines “technical trails” and creates a methodology to graduate them using some geographical variables. It is important for the management of natural areas visited by tourists, hikers and mountaineers. This kind of trail is not a simple hike and can’t be compared to rock climbing routes or alpinism. Technical trails are located in different types of geomorphological regions that can be hilly, mountainous, karstic areas, rocky coast, cannyons etc. Technical trails mix hiking with sections where one needs some technical knowledge or practice to climb either: boulders, short rock face, or steep slope covered by vegetation. Some of them also include cave traversing, crossing rivers or short section of sea. Rope can be necessary for safe manners. A matrix with 16 possibilities of graduation was elaborated for this kind of trail. It considers a classification for length-vertical gap (light, moderate, heavy and extra heavy), and grades for difficulty levels (easy, medium, hard, and extreme). This system can also be used to advise tourists, hikers and mountaineers about the type of situation they can find in advance, to avoid or minimizing accidents. Thus, a technical trail can be graduated such: Light Hard (L3), Moderate Extreme (M4), Extra Heavy Medium (EH2).      

Key-words: trails; natural environments; classification system.


Palavras-chave


trilhas; ambientes naturais; sistema de classificação

Texto completo:

PDF

Referências


BENTO, C.M. Caminhos Históricos e Estratégicos de Penetração e Devassamento do Vale do Paraíba. Resende: FAHIMTB/AHIMTB/Resende, 76 p. 2013.

CARDOSO, J.A. & WESTPHALEN, C. M. Atlas Histórico do Paraná - 2° Edição, Curitiba, Ind. Gráf. Projeto, 78 p. 1981.

GRAYDON, D. Mountaineering: the freedom of the hills. The Montaineers. Seattle. 447 p. 1992.

FARIA, A.P. Dinâmica geomorfológica da costa rochosa do Estado do Rio de Janeiro. Revista Brasileira de Geomorfologia, V19 (1): 187 – 204. 2018.

FARIA, A.P. A Escalada Brasileira. Rio de Janeiro, Companhia da Escalada, 384 p. 2017.

FARIA, A.P. A costa rochosa brasileira, um mundo a ser explorado. Revista Montanhas, no 5: 64 – 68, 2016.

FARIA, A.P. (2014). Transporte de sedimentos em canais fluviais de primeira ordem: respostas geomorfológicas. Revista Brasileira de Geomorfologia, V15 (2): 191-202. 2014.

FARIA, A.P. Montanhismo Brasileiro: Paixão e Aventura. Rio de Janeiro, Publit, 262 p. 2006.

FARIA, A.P. Córregos de alto risco. Ciência Hoje. V 28 no 165: 69 – 73. 2000.

FEMERJ. Metodologia de classificação de trilhas. V6.1, outubro de 2015. www.femerj.org.

FERREZ, M. Rio. Rio de Janeiro, Editora Instituto Moreira Sales, 265 p. 2015.

HARTMANN, J.L. Marumbi: guia de escalada e introdução à história do montanhismo paranaense. Curitiba, 132 p. 2007.

KNIGHTON, D. Fluvial forms and processes. E. Arnold, London. 218 p. 1984.

LANGE, F.L.P. Caminhos na Formação do Brasil - 1° Edição, Curitiba, 2008.

LINO, C. F. Cavernas: o fascinante Brasil subterrâneo. Gaia, São Paulo, 288 p., 2001.

LUCENA, W.M. História do montanhismo no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, Publit, 264 p. 2008.

LOBO, H.A.S; SCALEANTE, J.A.B; RASTEIRO, M.A; ZAGO, S. Método para a classificação de grau de dificuldade em roteiros espeleoturísticos. 31o Congresso Brasileiro de Espeleologia. SBE, Ponta Grossa-PR. 2011.

ORTENBURGER, L.N. & JACKSON, R, G. A climber’s guide to the Teton Range. The Mountaineers. Seattle, 416 p. 1996.

VIVEIROS, E. Rondon Conta Sua Vida. Edit. Coop. Cultural Esperantistas. São Paulo. 364 p. 1969.




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v12.1.p268-282

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License