Dinâmica espaço-temporal do desmatamento nos Territórios da Cidadania no nordeste goiano

Helen de Fátima Ribeiro, Karla Maria Silva de Faria, Cássio Henrique Giusti Cezare

Resumo


Dados de monitoramento ambiental têm evidenciado migração do desmatamento para a região norte do bioma Cerrado, que até então não despertava tanto interesse do setor agropecuário. Em Goiás, é perceptível o aumento da pressão sobre os remanescentes de vegetação nativa concentrados, sobretudo, na região nordeste do estado. Esse cenário motivou a presente investigação, que tem como objetivo avaliar as taxas anuais de desmatamento entre 2008 e 2017 para os municípios do nordeste goiano a partir do processamento de dados do Prodes Cerrado, disponibilizados pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). Os resultados apontam que, dentre as regiões de planejamento do estado, a região nordeste possui a segunda maior taxa de desmatamento acumulado no período de 2008 a 2017 e o maior crescimento no ano de 2017, e as taxas de desmatamento entre os municípios e entre as microrregiões (Vão do Paranã e Chapada dos Veadeiros), onde incidem os Territórios da Cidadania, apresentam diferenças correlacionadas à topografia, presença de distintas categorias de áreas protegidas e de políticas de desenvolvimento territorial específicas. Destacou-se o comportamento de municípios que apresentavam em 2007 maior percentual de área convertida para usos agropecuários e vegetação remanescente em quantidade inferior à exigida pela legislação vigente, e que ainda assim mantiveram altas taxas de desmatamento da vegetação nativa no período analisado. A proximidade com a região de desenvolvimento agropecuário do MATOPIBA também pode estar impulsionando o desmatamento no nordeste goiano.

 

Spatial-temporal dynamics of deforestation in the Citizenship Territories of Northeastern Goiás

A b s t r a c t

Environmental monitoring data have been showing the migration of deforestation to the northern region of Brazilian Savana biome, which until then did not attract much interest in the farming sector. In Goiás, it is noticeable the increase in pressure on the native vegetation remnants concentrated, mainly, in the northeastern region of the state. This scenario led to this investigation, which aims to evaluate the annual deforestation rates between 2008 and 2017 for the Northeast of Goiás Municipalities based on the processing of data from Prodes Cerrado, provided by the National Institute of Space Research (INPE). The results indicate that, among the State planning regions, the northeastern region has the second highest accumulated deforestation rate between 2008 and 2017 and the highest growth in 2017. Also, the deforestation rate among the municipalities and between microregions (Vão do Paranã and Chapada dos Veadeiros), where are the Citizenship Territories, present differences related to topography, presence of distinct categories of protected areas and specific territorial development policies. We highlight the behavior of municipalities that in 2007 had a higher percentage of converted land for farming uses and remaining vegetation lower than required by current legislation, and still maintained high rates of deforestation of native vegetation during the analyzed period. The proximity to the farming development region of MATOBIA may also be driving deforestation in the Northeastern Goiás.

Keywords: Goiás, Brazilian Savanna, environmental patrimony, remote sensing, Prodes.


Palavras-chave


Goiás, Cerrado, patrimônio ambiental, sensoriamento remoto, Prodes

Referências


BERGAMASCHINE, L. C. Políticas públicas e as contribuições potenciais do Cerrado para o cumprimento das metas brasileiras de redução das emissões dos gases de efeito estufa. 2017. 132 f. Dissertação (mestrado em Ecologia) – Universidade de Brasília – UNB, Brasília, 2017.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente – MMA. Mapeamento de Cobertura Vegetal do Bioma Cerrado - Relatório Final. Brasília: MMA. 93 p., 2007. Disponível em: . Acesso em: 01 maio 2018.

BRASIL. Decreto 7.390, de 09 de dezembro de 2010. Regulamenta a Lei n° 12.187, de 09 de dezembro de 2009, que institui a Política Nacional sobre Mudança do Clima. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF. 09 dez. 2010. Seção 1. Disponível em: . Acesso em: 01 maio 2018.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente – MMA; Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis – IBAMA. Monitoramento do bioma Cerrado 2009-2010. Brasília, DF: CGMAM/IBAMA, CSR/IBAMA e MMA, 65 p., 2011. Disponível em: . Acesso em: 05 set 2016.

BRASIL. Lei n.º 12.651, de 25 de maio de 2012. Dispõe sobre a proteção da vegetação nativa... Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF. 28 maio 2012. Seção 1. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/cciviL_03/_Ato2011-2014/2012/Lei/L12651.htm>. Acesso em: 01 maio 2018.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente – MMA; Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis – IBAMA. Monitoramento do Cerrado 2010-2011. Brasília, DF: CGMAM/ IBAMA, CSR/IBAMA e MMA, 16 p., 2015. 2015a. Disponível em: . Acesso em: 01 maio 2018.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente – MMA. Mapeamento do Uso e Cobertura do Cerrado: Projeto TerraClass Cerrado 2013. Brasília: MMA, 2015. 67p. 2015b. Disponível em: . Acesso em: 01 maio 2018.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente – MMA. Planos de ação para a prevenção e o controle do desmatamento. Documento base: contexto e análises. Versão preliminar. Brasília. 2016. Disponível em: . Acesso em: 01 maio 2018.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente – MMA. Estratégia do Programa Nacional de Monitoramento Ambiental dos Biomas Brasileiros. Ministério do Meio Ambiente. – 2. ed., rev. atualizada. Brasília: MMA, 2017. 51 p. 2017. Disponível em: . Acesso em: 01 mai. 2018.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente – MMA. Os planos de prevenção e controle do desmatamento em âmbito federal. 2018a. Disponível em: . Acesso em: 01 maio 2018.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente – MMA. Projeto Monitoramento dos Biomas Brasileiros por Satélite - PMDBBS. Brasília, DF: CGMAM/ IBAMA, CSR/IBAMA e MMA, 2018b. Disponível em: . Acesso em: 01 maio 2018.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente – MMA. Governo divulga desmatamento no Cerrado. 2018c. Disponível em: . Acesso em: 04 jul. 2018.

BRITO, A.; VALERIANO, MORRISON, D.; FERRI, C.; SCOLASTRICI, A.; SESTINI, M.. Monitoramento da cobertura natural do Cerrado por satélite: Metodologia da detecção do desmatamento no bioma Cerrado. 2018. São José dos Campos/SP: Fundação de Ciência, Aplicações e Tecnologias Espaciais – Funcate, 2018, 18 p. Disponível em: . Acesso em: 04 jul. 2018.

BUSTAMANTE, M. Política de Clima negligencia o Cerrado – mais uma vez. Observatório do Clima (OC). 2015. Disponível em: http://www.observatoriodoclima.eco.br/politica-de-clima-negligencia-o-cerrado-mais-uma-vez/. Acesso em: 01 maio 2018.

DINIZ-FILHO, J. A. F., et al.. Biogeografia da conservação e mudanças climáticas no cerrado brasileiro. Natureza & Conservação, Rio de Janeiro, v. 7, n. 2, 2009, p. 8-18.

ESCOLA CENTRO-OESTE DE FORMAÇÃO SINDICAL DA CUT (ECO/CUT). Território da Cidadania Vale do Paranã. Resumo Executivo. Goiás, 2011a.

ESCOLA CENTRO-OESTE DE FORMAÇÃO SINDICAL DA CUT (ECO/CUT). Território da Cidadania Chapada dos Veadeiros. Resumo Executivo. Goiás, 2011b.

ENVIRONMENTAL INVESTIGATION AGENCY – EIA. Deforestation by Definition. Washington: EIA, 97 p., 2015. Disponível em: . Acesso em: 04.08.2018.

FARIA, A. S. Detecção automática de desmatamentos no bioma cerrado: desafios para o monitoramento sistemático. 2018. 97 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Ambientais) - Programa de Pós-graduação em Ciências Ambientais, Universidade Federal de Goiás (UFG), 2018.

FELFILI, J. M.; SILVA JÚNIOR, M. C. Diversidade alfa e beta no cerrado strictu senso, Distrito Federal, Goiás, Minas Gerais e Bahia. In: SCARIOT, A.; SOUZASILVA, J. C. e FELFILI, J. M. (org.). Cerrado: ecologia, biodiversidade e conservação. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2005.

FERREIRA, M. E., et al.. Cerrado: o fim da história ou uma nova história? Ciência Hoje. v. 56, n. 334, p. 24-29, 2016. Disponível em: . Acesso em: 01 maio 2018.

FOOD AND AGRICULTURE ORGANIZATION OF THE UNITED NATIONS – FAO. Manual on Deforestation, Degradation, and Fragmentation Using Remote Sensing and Gis. Rome: FAO, 49 p., 2007. Disponível em: . Acesso em: 04.08.2018.

GANEM, R. S.; DRUMMOND, J. A.; FRANCO, J. L. A. Conservation polices and control of habitat fragmentation in the Brazilian Cerrado biome. Ambiente Sociedade, v. 16, n. 3, p. 99-118. 2013. Disponível em: . Acesso em: 01 jul. 2018.

GOIÁS (Estado). Macrozoneamento Agroecológico e Econômico do Estado de Goiás – MacroZAEE. Goiânia: SICAM/SEMARH/SEAGRO. 2014. Disponível em: . Acesso em: 01 maio 2018.

HARFUCH, L. et al. Modelling Beef and Dairy Sectors’ Productivities

and their Effects on Land Use Change in Brazil. RESR, Piracicaba-SP, v. 54, n. 02, p. 281-304, 2016. Disponível em:. Acesso em: 20 jun. 2018.

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS – INPE. Monitoramento da Floresta Amazônica Brasileira por Satélite. 2018a. Disponível em: . Acesso em: 01 mai. 2018.

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS – INPE. Projeto de Desenvolvimento de Sistemas de Prevenção de Incêndios Florestais e Monitoramento da Cobertura Vegetal no Cerrado Brasileiro. 2018b. Disponível em: . Acesso em: 04 jul. 2018.

LEITE, M. Inpe lança sistema público para vigiar destruição do cerrado em tempo real. Folha on line. , São Paulo, 27 set. 2018. Dias Melhores. Disponível em: . Acesso em: 06 out. 2018.

LIMA, C. V. S.; LUNAS, D. A. L. Territórios rurais em Goiás: o desenvolvimento através da indução estatal. In: III Congresso de Ensino, Pesquisa e Extensão da UEG. Inovação: Inclusão Social e Direitos, 2016, Pirenópolis. Anais eletrônicos... Pirenópolis: UEG, 2016. Disponível em:< http://www.anais.ueg.br/index.php/cepe/article/viewFile/7455/5194>. Acesso em: 14 jul. 2018.

MACHADO, R. B., et al.. Caracterização da Fauna e Flora do Cerrado. In FALEIRO, F. G., A. L. FARIAS NETO (eds.). Savanas: desafios e estratégias para o equilíbrio entre sociedade, agronegócio e recursos naturais. Planaltina, DF: EMBRAPA Cerrados, 2008.

MAPEAMENTO ANUAL DA COBERTURA E USO DO SOLO NO BRASIL (MAPBIOMAS). MapBiomas v.2.3: Estatísticas - Transições. 2017. Disponível em: . Acesso em: 01 maio 2018.

MAPEAMENTO ANUAL DA COBERTURA E USO DO SOLO NO BRASIL (MAPBIOMAS). MapBiomas. 2018a. Disponível em: . Acesso em: 01 mai. 2018.

MAPEAMENTO ANUAL DA COBERTURA E USO DO SOLO NO BRASIL (MAPBIOMAS). MapBiomas v.3.0: Estatísticas - Transições. 2018b. Disponível em: . Acesso em: 01 maio 2018.

MIRANDA, S. C., et al.. Regional Variations in Biomass Distribution in Brazilian Savanna Woodland. Biotropica, v. 46, n. 2, p 125-138, 2014. Disponível em: . Acesso em: 01 maio 2018.

MYERS, N., et al. Biodiversity Hotspots for Conservation Priorities. Nature n. 403, p. 853-858, 2000.

RIBEIRO, F. C., et al.. Análise socioambiental da região do Corredor Paranã-Pireneus - Estado de Goiás. Boletim Goiano de Geografia, Goiânia/GO, v. 27, n. 3, p. 103-124, 2007. Disponível em: . Acesso em: 01 maio 2018.

SANO, E. E., et al.. Mapeamento e Cobertura Vegetal do Bioma Cerrado. Planaltina, DF: Embrapa Cerrados, 2008.

SILVA, F. C. A. O agronegócio e a produção territorial recente em Goiás. Sociedade e Território (Natal), v. 27, n. 3, p. 145-163, 2015.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Revista Brasileira de Geografia Física - eISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License