Riscos e Conflitos Socioambientais de Oleodutos no Perímetro Urbano de Mossoró/RN

Francisco Gilson do Nascimento, Marco Antônio Diodato, Alfredo Marcelo Grigio

Resumo


As interações entre os riscos e conflitos de oleodutos, na cidade de Mossoró/RN, se dá perante o uso e ocupação do solo pelos agentes sociais, grandes transformadores deste espaço. O presente artigo analisa os riscos e os conflitos associados ao uso e ocupação do solo em áreas de oleodutos no perímetro urbano de Mossoró/RN, abrangendo análise da presença de oleodutos frente a possíveis riscos e conflitos na área urbana e identificação da classe de uso e ocupação com maior grau de risco a vazamentos de oleodutos. O uso de Sistema de Informações Geográficas - SIG permitiu a geração de informações georreferenciadas e especializadas da paisagem, por meio de mapas e buffers de interferências às classes de uso e ocupação do solo urbano da cidade. Os resultados mostraram que a classe de uso residencial, comercial e serviços apresenta-se como a maior área susceptível a riscos e conflitos por meio da interferência de oleodutos na área urbana (31,13%). Nesse sentido, espera-se que o estudo possa servir como um instrumento delineador nas tomadas de decisões pelo poder público e possibilite mitigar possíveis danos à saúde e as perdas causadas por esses fatores a partir de ações preventivas.

 

Risks and socioenvironmental conflicts of oil pipelines in the urban perimeter of Mossoró-RN

 

A B S T R A C T

The interactions between the risks and conflicts of pipelines in the city of Mossoró / RN are due to the use and occupation of the soil by the social agents, great transformers of this space. The present article analyzes the risks and conflicts associated to the use and occupation of the soil in pipeline areas in the urban area of Mossoró / RN, including analysis of the presence of oil pipelines in face of possible risks and conflicts in the urban area and identification of the class of use and occupation with a higher degree of risk to pipeline leaks. The use of Geographic Information System - GIS allowed the generation of georeferenced and specialized information of the landscape, through maps and buffers of interferences to the classes of use and occupation of the city's urban soil. The results showed that the residential, commercial and services class is the largest area susceptible to risks and conflicts through pipeline interference in the urban area (31.13%). In this sense, it is hoped that the study can serve as a delineating tool in the decision making by the public power and make it possible to mitigate possible damages to health and the losses caused by these factors from preventive actions.

Keywords: Conflicts. Geoprocessing. Urban Planning. Use and Occupation.


Texto completo:

PDF

Referências


Acselrad, H., Mello, C. C. A. M., Bezerra, G. N., 2009. O que é Justiça Ambiental? Rio de Janeiro: Garamond Universitária.

ABNT. Associação Brasileira de Normas Técnicas, 2009. NBR 15280-1: Dutos Terrestres. Rio de Janeiro Disponível:

doc/311288481/ABNT-NBR-15280-1-

-Dutos-Terrestres-Projeto-pdf>.

Acesso: 11 dez. 2017.

ANP. Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis, 2002. Portaria ANP n° 125/2002: Regularização de obras interferentes. Rio de Janeiro. Disponível: . Acesso: 14 dez. 2017.

ANP. Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis, 2011. ANP nº 02/2011: Regulamento Técnico: Regulamento de dutos terrestres para movimentação de petróleo, derivados e gás natural da ANP (RTDT). Rio de Janeiro. Disponível: . Acesso em: 14 dez. 2017.

ANP. Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis, 2012. Resolução ANP Nº 42 DE 10/12/2012. Rio de Janeiro. Disponível: . Acesso: 14 dez. 2019.

ANP. Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis, 2016. Plano de Desenvolvimento. Rio de Janeiro. Disponível:www.anp.gov.br/wwwanp/?dw=82323. Acesso: 20 set. 2017.

ANP. Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis, 2010. Regulamento Técnico de Dutos Terrestres para Movimentação de Petróleo, Derivados e Gás Natural (RTDT). Rio de Janeiro. Disponível: . Acesso: 25 set. 2017.

ANP. Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis, 2017. Royalties. Rio de Janeiro. Disponível:

gov.br/wwwanp/royalties-e-outras-participacoes/royalties>. Acesso: 29 set. 2017.

BRASIL. Ministério de Minas e Energia, 2005. Projeto Cadastro de Fontes de Abastecimento por Água Subterrânea. Brasília. Disponível: http://rigeo.cprm.gov.br/xmlui/bitstream/handle/doc/17028/rel_mossoro.pdf?sequence=1. Acesso: 25 set. 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde, 2017. Boletim Epidemiológico, Brasília. Disponível: http://portalarquivos.saude.gov.br/images/pdf/2017/setembro/15/2017-028-Monitoramento-dos-casos-de-dengue--febre-de-chikungunya-e-febre-pelo-virus-Zika-ate-a-Semana-Epidemiologica-35.pdf. Acesso: 19 out. 2017.

BRASIL, 2001, Lei 10.257, Regulamenta os arts. 182 e 183 da Constituição Federal, estabelece diretrizes gerais da política urbana e dá outras providências. Brasília – DF, 1988. Disponível: . Acesso: 10 out. 2017.

Brilhante, O. M., Caldas, L. Q. A., 1999. Gestão e Avaliação de Risco em Saúde Ambiental. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ. 155 p.

Brüseke, F. J., 2001. A técnica e os riscos da modernidade. Traduzido por LIMA, A. P. A. Florianópolis: UFSC. 216 p. Disponível: . Acesso em: 13 out. 2017.

Beduschi, L. C., 2012. A construção social das questões socioambientais contemporâneas: articulações entre sociedade, estado e mercados. “In”: Braga, F., Terra, C. Avesso da Paisagem: Ruptura, Desordem e Risco no Ambiente Urbano. 1 ed. Rio de Janeiro: Rio Book’s. p. 37-61.

Banner, P., 2015. Environment: Hazards of Living in the Oil Field. EUA: Planetexperts. Disponível:

com/hazards-of-living-in-the-oil-field/>. Acesso: 15 set. 2017.

Barcellos, C., Bastos, F. I., 1996. Geoprocessamento, ambiente e saúde: uma união possível? Departamento de Informações para a Saúde, Rio de Janeiro: Centro de Informação em Ciência e Tecnologia, Fundação Oswaldo Cruz. Disponível: https://doi.org/10.1590/S010

-311X1996000300012. Acesso: 24 fev. 2018.

Beck, U., 2011. Sociedade de Risco: rumo a uma outra modernidade; tradução de Sebastião Nascimento; inclui uma entrevista inédita com o autor – São Paulo: Editora 34. 2. ed.

Braga, F., 2012. Paisagem, memória, gestão: o risco como elemento de planejamento;. Avesso da Paisagem: Ruptura, Desordem e Risco no Ambiente Urbano. 1. ed. Rio de Janeiro: Rio Book’s, p. 121-151.

Carvalho et. Al., 2004. Suscetibilidade de larvas de Aedes aegypti ao inseticida temefós no Distrito Federal. Revista de Saúde Pública. São Paulo. Disponível: https://doi.org/10.1590/S0034-89102004000500002. Acesso: 13 out. 2017.

Chilingar, G. V., Endres, B., 2005. Environmental hazards posed by the Los Angeles Basin urban oilfields: an historical perspective of lessons learned. International Journal of Geosciences. Vol. 47. Los Angeles. pág. 302-317. Disponível: https://doi.org/10.1007/s00254-004-1159-0 Acesso: 24 set. 2017.

CSA. Canadian Standards Association. 2004. Land use planning for pipelines: a guideline for local authorities, developers, and pipeline operators. Canadá, 2004. Disponível: https://shop.csa.ca/en/canada/petroleum-and-natural-gas-industry-systems/plus-663-1st-ed-pub2004/invt/27021102004&b

klist=icat,5,shop,publications,energy,petrogassystems. Acesso: 12 set. 2017.

Davies, R. J., Almond, S., Ward, R. S., Jackson, R. B., Adams, C., Worrall, F., Herringshaw, L. G., , Gluyas, J. G., Whitehead, M. A., 2014. Oil and gas wells and their integrity: Implications for shale and unconventional resource exploitation. Marine and Petroleum Geology. Sciencedirect. Pág. 239-254. Disponível: https://doi.org/10.1016/j.marpetgeo.2014.03.001. Acesso: 10 set. 2017.

Dias, G. H., 2013. Identificação da Vulnerabilidade Socioambiental na Área Urbana de Mossoró-RN, a partir do Uso de Técnicas de Análises Espaciais. 167 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Naturais) – Universidade do Estado do Rio Grande do Norte – UERN. Mossoró/RN.

Domingues, M. G., 2014. Análise dos impactos socioambientais da instalação das unidades de bombeio de petróleo na área urbana de Mossoró-RN. 118 f. Dissertação (Mestrado em Geografia) Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal-RN

EMBRAPA. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. 2. Ed. Rio de Janeiro: Embrapa-SPI, 2006. Disponível: https://www.agrolink.com.br/downloads/sistema-brasileiro-de-classificacao-dos-solos2006.pdf. Acesso: 05 abr. 2019.

Farina, C. F., 2006. Abordagem sobre as técnicas de Geoprocessamento Aplicadas ao Planejamento e Gestão Urbana. Cadernos EBAPE. v. 4. Disponível: https://doi.org/10.1590/S1679-39512006

Acesso: 13. Set. 2017.

Ferreira, C. J., Rossini-Penteado, D., 2013. Mapeamento de risco a escorregamento e inundação por meio da abordagem quantitativa da paisagem em escala regional. In: Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia, 11, São Paulo. Anais. ABGE, São Paulo. Disponível: https://www.researchgate.net/publication/281064574_Mapeamento_de_risco_a_escorregamento_e_inundacao_por_meio_da_abordagem_quantitativa_da_paisagem_em_escala_regional. Acesso: 03 dez. 2018.

Gamache, M, T., Frost , P. L., 2003. Urban development of oil fields: in the Los Angeles Basin Area, 1983-2001. Department of conservation division of oil, gas, and geothermal resources. Sacramento, CA. Disponível: https://doi.org/10.2118/

-MS. Acesso: 10 set. 2017.

Gil, C. A,. 2011. Sociologia Geral. 1. ed. São Paulo: Editora Atlas.

Google Earth., 2018. Imagem de Satélite. Disponível:< https://earth.app.goo.gl/ovn

F>. Acesso: 16 dez. 2018.

Gomes, A, C., 1998. Medidas dos níveis de infestação urbana para aedes (stegomyia) aegypti e aedes (stegomyia) albopictus em Programa de Vigilância Entomológica. Informe epidemiológico do SUS. vol.7, n.3, pp.49-57. Brasília. Disponível: http://dx.doi.org/10.5123/S0104-16731998000300006. Acesso :13 out. 2017.

Grigio, A, M., 2008. Evolução da paisagem do baixo curso do rio Piranhas-Assu (1988-2024): uso autômatos celulares em modelo dinâmico espacial para simulação de cenários futuros. 247, f. Dissertação (Programa de Pós Graduação em Geodinâmica e Geofísica) Universidade Federal do Rio Grande do Norte – UFRN. Natal/RN. Disponível: https://repositorio.ufrn.br/jspui/bitstream/123456789/18346/1/AlfredoMG.pdf. Acesso: 14 set. 2017.

Honda, S. C. A. L,. 2015. et. al. Planejamento Ambiental e ocupação do solo urbano em Presidente Prudente (SP), Revista Brasileira de Gestão Urbana, vol.7, n.1, São Paulo. Disponível: https://doi.org/10.1590/2175-3369.007.001.AO04. Acesso: 17 mar. 2018.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Cidades. Disponível: http://cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?lang=&codmun=240800&search=||infogr%E1ficos:-informa%E7%F5es-completas. Acesso: 03 abr. 2019.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 2006. Manual técnico de uso da terra. 2. Ed. Rio de Janeiro.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 2010. Vamos conhecer o Brasil. Disponível: http://7a12.ibge.gov.br/

vamos-conhecer-o-brasil/nosso-povo/

caracteristicas-da-populacao.html. Acesso: 21 ago. 2017.

IDEMA. Instituto de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente, 2019. Licenciamento Ambiental. Disponível: < http://www.idema.rn.gov.br/Conteu

do.asp?TRAN=ITEM&TARG=2114&ACT

=&PAGE=0&PARM=&LBL=Licenciamento+Ambiental>. Acesso: 05 abr. 2019.

IPEA- Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada, 2015. A Ameaça do Desmatamento, 84 ed. Rio de Janeiro. Disponível: < http://www.ipea.gov.br/desafios/index.php>. Acesso: 23 nov. 2017.

Jacomine, P. K. T., 2009. A nova Classificação Brasileira de Solos. Recife: Anais da Academia Pernambucana de Ciência Agronômica, vols. 5 e 6, p.161-17 Disponível:< https://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/item/19350/1/Jacomine.pdf>. Acesso: 05 abr. 2019.

Lajo, A. M., 2016. Geoprocessamento em áreas urbanas. “In”: Paranhos Filho, A. C., Mioto, C. L., Marcato Junior, J., Catalani, T. G. T., Geotecnologias em Aplicações Ambientais, p. 315-339. Campo Grande-MS: Ed. UFMS.

Lefebvre, H., 2008. O Direito à Cidade. Traduzido por RIAS, R. E.; 5. ed. São Paulo: Centauro. p. 13.

Lida, I., 1993. Planejamento Estratégico Situacional. Disponível: Acesso: 14 set. 2016.

Martine, G., Mcgronaham, G., 2010. A transição urbana brasileira; trajetória; dificuldades e lições aprendidas. In: Baeninger, R., (Org.). Populações e Cidades: subsídios para o planejamento e para as políticas sociais. UNICAMP; Brasília: UNFPA, p. 11-24.

Medeiros, F, H, F., 2017. Identificação das unidades homogêneas e padrão da ocupação urbana como subsídio ao planejamento e ordenamento territorial em Mossoró-rn. 2017, 61 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Monografia): Curso de Gestão Ambiental da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte-UERN, Mossoró-RN.

Mossoró. Prefeitura Municipal de Mossoró, 2006. Plano diretor de Mossoró. Mossoró. pág. 15. Disponível: http://www.secovirn.com.br/legislacao/plano-diretor-de-mossoro.pdf. Acesso: 12 set. 2017.

NESAT. Núcleo de Estudos Socioambientais e Territoriais, 2017. Departamento de Gestão Ambiental – DGA, Universidade do Estado do Rio Grande do Norte – UERN.

Paranhos Filho, A. C., Gamarra, R. M., 2016. SIG-Sistemas de Informações Geográficas. “In”: Paranhos Filho, A. C., Mioto, C. L., Marcato Junior, J., Catalani, T. G. T., Geotecnologias em Aplicações Ambientais. . Ed. UFMS, p.265, Campo Grande-MS.

Pestana, K. B., 2010. OBATI: Oleoduto Barueri-Utinga Estudos e Alternativas de Re-Ordenação de sua faixa lindeira. 2010. 161. f. (Dissertação em Arquitetura e Urbanismo) Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo, São Paulo. Disponível: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/16/16138/tde-16062010-144839/pt-br.php>. Acesso: 08 set. 2017.

Portugal. Autoridade Nacional de Protecção Civil, 2011. Manual de intervenção- ANPC - em emergências com matérias perigosas químicas, biológicas e radiológicas. Carnaxide. 159 p. Disponível: . Acesso: 12 set. 2017.

Potts, H. B., 2014. Atwater Village pipeline rupture spews crude oil. Los Angeles. Los Angeles Times. Disponível: . Acesso: 05 set. 2017.

REINO UNIDO. 2008. British Standards Institution – BSI. Code of practice for pipelines.Disponível:https://drive.google.com/file/d/0B0JtnFBnnwJiN0RIck9DTXpheFE/view?usp=sharing.. Acesso: 14 set. 2017.

Salles, M. C. T., Grigio, A. M., Silva, M. R. F., 2013. Expansão Urbana e Conflito Ambiental: Uma Descrição da Problemática do Município De Mossoró, RN - Brasil. Revista Soc. & Nat. vol. 25 nº 2, p. 286. Disponível: https://doi.org/10.1590/S1982-45132013000200006. Acesso: 18 set. 2016.

São Paulo (Estado). Instituto Geológico na Prevenção de Desastres Naturais., 2009. Org: Maria José Brollo. 1 Ed. São Paulo: Instituto Geológico.

São Paulo (Estado). Instituto Geológico/

Coordenadoria de Planejamento Ambiental, 2016. Unidades Homogêneas de Uso e Ocupação Do Solo Urbano (UHCT) do Estado de São Paulo., Secretaria Do Meio Ambiente do Estado de São Paulo Disponível: http://igeologico.sp.gov.br/

files/2016/06/Ficha_Tecnica_UHCT_2016.pdf. Acesso: 25 set. 2017.

SEMURB. Secretaria Meio Ambiente e Urbanismo, 2019. Secretarias e Órgãos. Mossoró. Disponível: https://www.prefeiturademossoro.com.br/secretaria-municipal-de-infraestrutura-meio-ambiente-urbanismo-e-servicos-urbanos/. Acesso: 05 abr. 2019.

Simons, R. A., 1999. The Effect of Pipeline Ruptures on Noncontaminated Residential Easement-Holding Property in Fairfax County, The Appraisal Journal. Beachwood. Disponível: http://pipelinesafetytrust.com/docs/EffectsofPipelineRuptures.pdf. Acesso: 04 set. 2017.

Simons, R. A., Geideman, K. W., Mikelbank, B. A., 2001. The Effects of an oil PipelineRupture on Single-Family House Prices. The Appraisal Journal. Beachwood. Disponível: http://www.rasimons.com/documents/articles/the-effects-of-oil-pipeline-ruptures.pdf. Acesso: 04 set. 2017.

Santos, T., 1986. Forças Produtivas e Relações de Produção. 2. ed. Petrópolis: Vozes, p. 36.

Santos, M., 1993. A urbanização brasileira. São Paulo: HUCITEC, p. 11.

Souza, F. F., 1979. História de Mossoró. Editora Universitária/UEPB. 2. ed. Mossoró.

Swift, A., 2014. Increased Risk for All: Los Angeles crude oil spill is part of a national pipeline safety problem. NRDC - Natural Resources Defense Company. Disponível: https://www.nrdc.org/experts/anthony-swift/increased-risk-all-los-angeles-crude-oil-spill-part-national-pipeline-safety. Acesso: 03 set. 2017.

TRANSPETRO. Petrobras Transporte S. A, 2017. Legislação. Disponível: http://www.transpetro.com.br/pt_br/tecnologia-e-seguranca/seguranca-na-faixa-de-dutos/legislacao.html. Acesso: 16 set. 2017.

TRANSPETRO. Petrobras Transporte S. A. 2019. Relacionamento com a comunidade. Disponível: http://www.transpetro. com.br/pt_br/tecnologia-e-seguranca/ seguranca-na-faixa-de-dutos/ relacionamento-com-a-comunidade.html. Acesso: 05 abr. 2019.

Veyret, Y., 2007. OS RISCOS: o homem como agressor e vítima do meio ambiente. Editora Contexto. Trad. Dilson Ferreira. São Paulo: Contexto. Disponível: https://drive.google.com/file/d/0B0JtnFBnnwJiWVV5QTRyTjFEYm8/view?usp=sharing. Acesso: 10 set. 2017.

Wang, J., 2013. Explosão do oleoduto expôs o planejamento urbano miovisto de Qingdao. Chin. Disponível: http://theglobalgrid.org/pipeline-explosion-exposed-qingdaos-shortsighted-urban-planning/. Acesso: 13 out. 2017.




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v13.2.p753-766

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License