ANÁLISE DO CONTEÚDO DE UMIDADE FOLIAR DE FITOFISIONOMIAS DO CERRADO COM USO DE IMAGENS DO MULTISPECTRAL INSTRUMENT SENSOR SATÉLITE SENTINEL 2

Leidiane de Paula Rezende, Ricardo Vicente Ferreira

Resumo


O estudo realizou uma análise comparativa entre o índice de reflectância de duas fitofisionomias (Macega e Cerradão) do Cerrado nas bandas de imagens do Instrumento Multiespectral (MSI) do satélite Sentinel 2 das bandas Short-wave infrared (SWIR) 1 e 2 e Near Infra-Red (NIR) de duas fitofisionomias do Cerrado em consonância com os dados in situ de Fuel Moisture Content (FMC) afim de contribuir com técnicas de Sensoriamento Remoto para monitorar combustíveis vegetais e perigos de incêndio. Dados adicionais de variáveis ambientais como temperatura e umidade do ar, e de satélites como precipitação e conteúdo de umidade de solo foram consideradas neste estudo. A análise dos dados foi feita com a aplicação de correlação linear e de regressão múltipla. No FMC, os resultados ficaram acima de 100% para o Cerradão e para a Macega atingiu valor mínimo de 20%. Na análise de correlação, a banda NIR se correlacionou positivamente (R² = 0,32) ao FMC do Cerradão, enquanto na Macega, a melhor correlação foi identificada nas bandas do SWIRs (R² = 0,36) inversamente ao FMC. Na análise de regressão, o FMC do Cerradão indicou correspondência à umidade de solo. Conclui-se que vegetais vivos tendem a recorrer a umidade do solo, enquanto que os vegetais mortos são mais afetados por variáveis atmosféricas e, por isso, são mais propensos a incêndios, como a Macega. O monitoramento do FMC por Sensoriamento Remoto requer maior amostragem em relação ao bioma Cerrado, cuja fisiologia complexa mostra ser influenciada por variáveis ambientais e climáticas que deverão ser levadas em conta em análises e estudos posteriores. 

Palavras-chave


incêndios; reflectância; combustíveis vegetais; variáveis ambientais; swir.

Referências


ALVES et al (2009); ARGAÑARAZ J.P. et al. (2018); ASHOURI et al. (2019); BURGAN, R. E. et al (1993); CACCAMO, G. et al (2012); CECCATO, P. et al. (2002); CHUVIECO, E. et al. (2002, 2003, 2004, 2010, 2014); Relatório IPCC (2019); GUO H. et al. (2016); JURDAO, S. et al. (2012); KATIRAIE-BOROUJERDY, PS. et al. (2017); LATRUBESSE et al. (2019); PHILIPP, M. M. (2007); QI, Y. et al (2012); RIAÑO, D. et al. (2005); RIBEIRO et al. (2008); RODELL, M. et al. (2004); SOARES, R. V. (2007); SOROOSHIAN, S. et al. (2000); TROLLOPE, W. S. W. et al (2002); VIEGAS, D. X. et al. (2001); WHITE, B. L. A. et al. (2014); WHITE, B. L. A (2018); YEBRA, M. et al. (2008, 2013, 2018)




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v13.07.p%25p

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License