O caso dos batuques em Recife no século XVIII: africanos, italianos e portugueses em conflito

Josinaldo Sousa Queiroz

Resumo


Apresentamos uma discussão sobre as práticas culturais africanas realizadas na Capitania de Pernambuco vistas pela documentação produzida na administração colonial e a Igreja Católica Romana sobre as mesmas. Procuramos entender, através da análise da documentação oficial produzida nos últimos vinte anos do século XVIII, no âmbito do Conselho Ultramarino e do Tribunal da Inquisição de Lisboa, como essas práticas (danças, festas, batuques, feitiços, mandingas) influenciavam não só o cotidiano dos seus protagonistas, os africanos e seus descendentes, mas, também, dos colonos, pessoas ligadas a administração religiosa e agentes ligados à administração colonial.


Palavras-chave


Liberdade; Escravos; Batuques; Inquisição

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Érika Simões. A câmara do Recife e a coroa portuguesa: negociação de conflitos e conformação do pacto político no reinado de D. Maria I. In: Revista Trilhas da História. Três Lagoas, v.4, nº8 Jan-Jun, 2015.

ARAÚJO, Rita Cássia B. de. Cruzes, plumas e batuques: festas públicas e colonização na América portuguesa. Ci. & Tróp. Recife, v. n. 2, p. 161-181. Jul/Dez, 2000.

BARTH, Fredrik. Grupos étnicos e suas fronteiras, In: POUTIGNAT, Philippe e STREIFF-FNART, Jocelyne. Teorias da etnicidade. São Paulo: UNESP, 1998.

BERUTE, Gabriel Santos. O tráfico negreiro no Rio Grande do Sul e as conjunturas do tráfico Atlântico. C. 1790 - c. 1830. 5º Encontro Escravidão e Liberdade no Brasil Meridional. 2012.

BURKE, Peter. Cultura popular na idade moderna. Europa, 1500-1800. São Paulo, Companhia das Letras, 1989.

CASTRO, Yeda Pessoa de. Falares africanos na Bahia - um vocabulário afro-brasileiro, Rio de Janeiro, Academia Brasileira de Letras / TopBooks, 2001.

CHITUNDA, Paulo Alexandre Sicato. Entre missas e batuques: Irmandade Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos em Recife, Goiana e Olinda - Século XVIII. Dissertação de Mestrado apresentado ao PPGHUFRN. Natal, 2014.

GUEDES, Roberto (Org.). Dinâmica Imperial no antigo Regime Português: escravidão, governos, fronteiras, poderes e legados: século XVII - XIX. Rio de Janeiro: Mauad X, 2011.

HESPANHA, António Manuel. Antigo Regime nos trópicos? Um debate sobre o modelo político do império colonial português. In: FRAGOSO, João.; GOUVÊA, Maria de Fátima. Na trama das redes: política e negócios no império português, séculos XVI-XVIII. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.

MAYOR, Mariana Soutto. O teatro do século XVIII no Brasil: das festas públicas às casas de ópera. Revista aSPAs. Vol. 5. n. 2. 2015.

MELLO E SOUZA, Marina de. Reis negros no Brasil escravista. História da festa de coroação de Rei Congo. Belo Horizonte, Editora da Universidade de Minas Gerais, 2002.

MELLO, José Antônio Gonsalves de. Um Governador colonial e as seitas africanas. Diário de Pernambuco. Recife, 22 Jan. 1950.

MINTZ, Sidney.; PRICE, Richard. O nascimento da cultura afro-americana: uma perspectiva antropológica. Rio de Janeiro; Pallas; Universidade Candido Mendes, 2003.

MONTEIRO, Rodrigo Bentes.; DANTAS, Vinícius. Maquiavelismos e governos na América portuguesa: dois estudos de ideias e práticas políticas. Revista Tempo. 2014, v. 20.

ORO, Ari. Religiões Afro-Brasileiras do Rio Grande do Sul: passado e presente. Estudos Afro-Asiáticos, Ano 24, nº 2, 2002, pp. 345-384.

REGINALDO, Lucilene. Os rosários dos angolas: irmandades de africanos e crioulos na Bahia setecentista. São Paulo: Alameda, 2011.

REIS, João José. Batuque Negro: repressão e permissão na Bahia oitocentista. In: JANCSÓ, István; KANTOR, Iris (Orgs.). Festa: cultura e sociabilidade na América Portuguesa. São Paulo: Hucitec, 2001.

REIS, João José. Revisitando “Magia jeje na Bahia”. In: COSTA, Valéria Gomes.; GOMES, Flávio. Religiões negras no Brasil: da escravidão à pós-emancipação. Editora: Selo Negro, 2016.

RIBEIRO, Eneida Beraldi. A censura inquisitorial e o tráfico de livros e ideias no Brasil Colonial. Fênix – Revista de História e Estudos Culturais Janeiro/ Fevereiro/ Março/ Abril de 2012 Vol. 9. Ano IX, nº 1.

RIBEIRO, Mônica da. “Razão de Estado” na cultura política moderna: o império português, ano 1720-30. In: ABREU, Martha; SOIHET, Rachel; GONTIJO, Rebeca (Orgs.). Cultura política e leituras do passado: historiografia e ensino de história. Civilização Brasileira, 2007.

SILVA, Kalina Vanderlei. O teatro urbano – sociabilidades urbanas açucareiras em Pernambuco nos séculos XVII e XVIII. CLIO: Revista de Pesquisa Histórica, n. 29.2 (2011).

SILVA, Luiz Geraldo. "Da festa barroca à intolerância ilustrada: Irmandades católicas e religiosidade negra na América portuguesa (1750-1815)". In: SALLES-REESE, Verónica (Org.). Repensando el pasado, recuperando el futuro: nuevos aportes interdisciplinarios para el estúdio de la América colonial. Bogotá: Editorial Pontifcia Universidad Javeriana.

SLENES, Robert W. "Malungu, ngoma vem!": África coberta e descoberta do Brasil. In: Cadernos do Museu da Escravatura, n. 1. Ministério da Cultura. Luanda, 1995.

SOUZA, Laura de Mello. Revisitando o calundu”. In: GORENSTEIN, Lina e CARNEIRO, Maria L. Tucci (Org.). Ensaios sobre a intolerância: Inquisição, Marranismo e Anti-Semitismo. São Paulo: Humanitas, 2002,

SWEET, James H. Recriar África: cultura, parentesco e religião no mundo afro-português (1441-1770) / James H. Sweet; Trad. João Reis Nunes; Luís Abel Ferreira. Lisboa: Edições 70, 2007.

TOLEDO, Cézar de Alencar Arnaut de; RUCKSTADTER, Flávio Massami Martins; RUCKSTADTER, Vanessa Campos Mariano. O teatro jesuítico na Europa e no Brasil no século XVI. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, n.25, mar. 2007.

VALE, Fernanda Cristina. Linguagens de amor: a feitiçaria como meio de conquista amorosa no Brasil colonial. III Seminário Linguagem e Identidades: múltiplos olhares.




DOI: https://doi.org/10.22264/clio.issn2525-5649.2019.37.2.02

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 .

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Indexadores:

                    

                                   

 

eISSN: 2525-5649  Av. da Arquitetura, s/n CFCH-10°Andar, CDU - Recife-PE - CEP: 50740-550 Fone:+55(81)2126-8292  editorclio@gmail.com

                                                                                                                                                                         desde 20. Set. 2018  Contador de visitas