Uma análise sobre aspectos da historiografia da escravidão brasileira pós-1980: permanências, mudanças e matizes no interior dessa tendência

Luis Claudio Palermo

Resumo


O objetivo do artigo é examinar dois livros importantes para a historiografia da escravidão brasileira do período após os anos 1980. A discussão é desenvolvida com base em duas referências: a primeira é a valorização da perspectiva contextual de uma obra; a segunda é a visão relacional entre sincronia e diacronia. Por essa linha, o artigo tanto assinala a marca que os dois livros imprimem em seu período, quanto evidencia os diálogos que eles têm com a tradição historiográfica anterior. Como resultado, dois pontos fortes são defendidos no artigo: as rupturas promovidas pela historiografia da escravidão pós-1980 não eliminaram diferenças teóricas e interpretativas no seu próprio interior; as mudanças propugnadas por essa tendência historiográfica não foram realizadas de forma completa e absoluta, sem que elementos de permanência possam, em alguma medida, ser identificados.


Palavras-chave


Historiografia da escravidão; História intelectual; Teoria da história; Historiografia

Texto completo:

PDF

Referências


ADOLFO, Roberto Manoel Andreoni. “As transformações na historiografia da escravidão entre os anos de 1970 e 1980: uma reflexão teórica sobre possibilidades de abordagem do tema”. In: Revista de Teoria da História, Ano 6, Número 11, Maio/2014 Universidade Federal de Goiás. ISSN: 2175-5892.

ARAÚJO, Ricardo Benzaquen de. Guerra e paz: Casa-grande & senzala e a obra de Gilberto Freyre nos anos 30. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1994.

CARDOSO, Fernando Henrique. Capitalismo e escravidão no Brasil meridional: o negro na sociedade escravocrata do Rio Grande do Sul. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977.

ESCOSTEGUY FILHO, J. C. “Reflexões sobre agência e estrutura na historiografia da escravidão”. Revista Tessituras, v. 6, p. 102-117, 2015.

FALCÃO, Joaquim; ARAÚJO, Rosa Maria Barboza de. O imperador das Idéias. Gilberto Freyre em questão. Rio de Janeiro: Topbooks Editora, 2001.

FERNÁNDEZ SEBASTIÁN, Javier. “Tradiciones electivas. Cambio, continuidade y ruptura en historia intelectual”. In: Almanack. Guarulhos, n.07, p.5-26, 1º semestre de 2014.

FLORENTINO, Manolo e GÓES, José Roberto. A paz das senzalas – Famílias escravas e tráfico atlântico, Rio de Janeiro c.1790 – c.1850. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1997.

FONTELLA, Leandro Goya. FARINATTI, Luís Augusto Ebling. “Acomodação, negação e adaptação: debate historiográfico entre Gilberto Freyre, Jacob Gorender e a historiografia do escravo real (historiografia da escravidão no Brasil)”. In: Disc. Scientia. Série: Ciências Humanas, S. Maria, v. 9, n. 1, p. 121-140, 2008.

FREYRE, Gilberto. Casa-grande & senzala: formação da família brasileira sob o regime de economia patriarcal. 51ª ed. São Paulo: Global, 2006.

IANNI, Octavio. As metamorfoses do escravo: apogeu e crise da escravatura no Brasil meridional. São Paulo: Editora Difusão Européia do Livro, 1962

GOMES, Tiago de Melo. “A Força da Tradição a persistência do Antigo Regime historiográfico na obra de Marc Bloch”. In: VARIA HISTORIA, Belo Horizonte, vol. 22, nº 36: p.443-459, Jul/Dez 2006.

KOSELLECK, Reinhart. Futuro passado: contribuição à semântica dos tempos históricos. Tradução do original alemão: Wilma Patrícia Maas, Carlos Almeida Pereira. Rio de Janeiro: Contraponto, Ed. PUC-Rio, 2006.

LARA, Silvia H. Campos da violência: escravos e senhores na Capitania do Rio de Janeiro, 1750-1808. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988.

LARA, Silvia H. “Conectando Historiografias: a escravidão africana e o antigo regime na América portuguesa”. In: BICALHO, Maria Fernanda e FERLINI, Vera Lúcia A. (Orgs.). Modos de Governar: idéias e práticas políticas no Império Português. (Séculos XVI-XIX). São Paulo: Alameda, 2005.

MACHADO, Maria Helena P. T. “Em Torno da Autonomia Escrava: Uma Nova Direção Para a História Social da Escravidão”. São Paulo, Revista Brasileira de História, v 8, n. 16, p. 143-160, mar./ago, 1988.

MARQUESE, Rafael de Bivar. “As desventuras de um conceito: capitalismo histórico e a historiografia sobre a escravidão brasileira”. In: Revista de História, São Paulo, nº 169, pp. 223-253, julho / dezembro 2013.

MELLO, Evaldo Cabral de. O ‘ovo de Colombo’ gilbertiano. In: FALCÃO, Joaquim; ARAÚJO; Rosa Maria Barboza de. O imperador das Idéias. Gilberto Freyre em questão. Rio de Janeiro: Topbooks Editora, 2001.

NICOLAZZI, Fernando. Um estilo de história: a viagem, a memória, o ensaio. Sobre Casa-grande & senzala e a representação do passado. Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal do Rio Grande do Sul: Porto Alegre, 2008. p. 35-115. Disponível em: http://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/13823. Acesso em: 15 ago. 2014, às 09h e 47min.

NICOLAZZI, Fernando. “História da historiografia e temporalidades: notas sobre tradição e inovação na história intelectual”. In: Almanack. Guarulhos, n.07, p.27-32, 1º semestre de 2014.

PALERMO, Luis Claudio. “Gilberto Freyre e Caio Prado Júnior: uma análise comparativa centrada no contexto de produção e nas referências teóricas dos autores”. In: Revista Brasiliense de Pós-Graduação em Ciências Sociais da UnB, volume 13 | 2 | 2014, pp. 169-199.

PALERMO, Luis Claudio. “Notas sobre o poder de agência dos atores sociais em Anthropology in the margins of the state”. In: Revista Cadernos de Estudos Sociais e Políticos, v. 4, n. 8, jul-dezembro 2015, pp. 57-86.

PALERMO, Luis Claudio. “Disputas no campo da historiografia da escravidão brasileira: perspectivas clássicas e debates atuais”. In: Dimensões, v. 39, jul.-dez. 2017, pp. 324-347. ISSN: 2179-8869.

PALLARES-BURKE, Maria Lúcia Garcia. “Um método antimetódico: Werner Heisenberg e Gilberto Freyre”. In: FALCÃO, Joaquim; ARAÚJO, Rosa Maria Barboza de. O imperador das Idéias. Gilberto Freyre em questão. Rio de Janeiro: Topbooks Editora, 2001.

QUEIRÓZ, Suely Robles Reis de. “Escravidão negra em debate”. In: FREITAS, Marcos Cezar (Org.). Historiografia brasileira em perspectiva. São Paulo: Contexto, 1998

RIOS, Ana Maria; MATTOS, Hebe Maria. “O pós-abolição como problema histórico: balanços e perspectivas”. In: TOPOI, v. 5, n. 8, jan.-jun. 2004, pp. 170-198.

SCHWARTZ, Stuart. Gilberto Freyre e a História Colonial: “Uma Visão Otimista do Brasil”. In: FALCÃO, Joaquim; ARAÚJO, Rosa Maria Barboza de. O imperador das Idéias. Gilberto Freyre em questão. Rio de Janeiro: Topbooks Editora, 2001.

SCHWARTZ, Stuart. “A historiografia dos primeiros tempos do brasil moderno. Tendências e desafios das duas últimas décadas”. In: História: Questões & Debates, Curitiba, n. 50, p. 175-216, jan./jun. 2009. Editora UFPR.

SILVA, Alberto da Costa e. “Quem fomos nós no século XX: as grandes interpretações do Brasil”. In: MOTA, Carlos Guilherme. Viagem incompleta. A experiência brasileira (1500-2000): a grande transação. 2ª ed. São Paulo: Editora SENAC São Paulo, 2000. p. 15-41.

SILVA FILHO, José Barbosa da. “História do Negro no Brasil”. In: Cadernos Penesb – Periódico do Programa de Educação sobre o Negro na Sociedade Brasileira – FEUFF. Rio de Janeiro/Niterói: Quartet/EdUFF, 2006, pp. 102-134.

SLENES, R. W. Na senzala, uma flor. Esperanças e recordações na formação da família escrava (Brasil Sudeste, Século XIX). Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1999

SOUZA, Maria Elena Viana. “Pluralismo Cultural e Multiculturalismo na Formação de Professores: Espaços para Discussões Étnicas de Alteridade” In: Revista HISTEDBR On-line, Campinas, n.19, pp.89-100, set. 2005.

SOUZA, Maria Elena Viana. “A ideologia racial brasileira na educação escolar”. In: Cadernos Penesb – Periódico do Programa de Educação sobre o Negro na Sociedade Brasileira – FEUFF. Rio de Janeiro/Niterói: Quartet/EdUFF, 2006, pp. 215-250.

THOMPSON, E. P. As peculiaridades dos ingleses e outros artigos. Organizadores: Antônio Luigi Negro e Sergio Silva – 2ª edição – Campinas: Editora da Unicamp, 2012.

THOMPSON, E. P. “Tempo, disciplina de trabalho e capitalismo industrial”. In: Costumes em comum – estudo sobre cultura popular tradicional. São Paulo: Companha das Letras, 1998.

VAINFAS, Ronaldo. “História das mentalidades e história cultural”. In: In: CARDOSO, Ciro Flamarion & VAINFAS, Ronaldo (Orgs.). Domínios da História. Rio de Janeiro: Editora Campus (Elsevier), 1997, pp. 127-162.

VAINFAS, Ronaldo. “Colonização, Miscigenação e questão racial: notas sobre equívocos e tabus da historiografia brasileira”. In: Revista Tempo, Niterói, v. 8, p. 7-22, 1999.




DOI: https://doi.org/10.22264/clio.issn2525-5649.2019.37.2.03

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 .

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Indexadores:

                    

                                   

 

eISSN: 2525-5649  Av. da Arquitetura, s/n CFCH-10°Andar, CDU - Recife-PE - CEP: 50740-550 Fone:+55(81)2126-8292  editorclio@gmail.com

                                                                                                                                                                         desde 20. Set. 2018  Contador de visitas