Discursos pan-americanistas: Salvador de Mendonça e o reconhecimento da República brasileira pelos Estados Unidos (1889-1913)

Elion de Souza Campos

Resumo


O presente artigo tem por objetivo analisar os discursos de Salvador de Mendonça sobre o reconhecimento da República brasileira pelo governo dos Estados Unidos. Pretende-se investigar as ideias do intelectual sobre a aproximação entre os dois países, levando-se em consideração o contexto linguístico em que foram produzidas. Essas representações foram produzidas entre 1898 e 1913, em um período de ascensão da retórica pan-americanista e de escalada do imperialismo estadunidense, sob a legitimação de releituras da Doutrina Monroe. No período em que o Barão do Rio Branco chefiou o Itamaraty, Mendonça apresentou aos seus leitores um parâmetro de comparação entre sua atuação e as diretrizes que conduziam o Ministério das Relações Estridores do Brasil. Seus discursos constituem uma defesa de sua conduta pública como diplomata e utilizam recursos retóricos para atingir seus objetivos.


Palavras-chave


pan-americanismo; Doutrina Monroe; Primeira República; Diplomacia

Texto completo:

PDF

Referências


ALONSO, Angela. Ideias em mvimento: a geração de 1870 na crise do Brasil-Império. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

BERSTEIN, Serge. A cultura política. In: RIOUX, Jean-Pierre; SIRINELLI, Jean-François (orgs.). Para uma história cultural. Lisboa: editorial Estampa, 1998, p. 349-363.

BUENO, Clodoaldo. Política externa da Primeira República: os anos de apogeu (1902-1918). São Paulo: Paz e Terra, 2003.

CAMPOS, Elion de Souza. Republicanização e pan-americanismo: a aproximação entre o Brasil e os Estados Unidos nos discursos de Salvador de Mendonça (1889-1913). Dissertação (Mestrado em História Social). Programa de Pós-Graduação em História Social, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2016.

CARVALHO, José Murilo de. História intelectual no Brasil: a retórica como chave de leitura. Topoi. Revista de História, Rio de Janeiro, v. 1, n. 1, p. 123-152, jan.-dez. 2000. Disponível em: < http://revistatopoi.org/site/numeros-anteriores/topoi1/>. Acesso em 16 jul. 2018.

CARVALHO, José Murilo de. A construção da ordem: a elite política imperial; teatro de sombras: a política imperial. 2. ed.. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006.

CASTRO, Fernando Vale. Pensando um continente: a Revista Americana e a criação de um projeto cultural para a América do Sul. Rio de Janeiro: MauadX; Faperj, 2012.

CASTRO, Fernando Vale. Uma revista para entender a dplomacia do Barão. In: LAIDLER, Christiane Vieira (org.). O Barão do Rio Branco: política externa e nação. Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa, 2014, p. 179-212.

CERVO, Amado Luiz; BUENO, Clodoaldo. História da política exterior do Brasil. 4. ed.. Brasília: Unb, 2012.

JUNQUEIRA, Cecília Costa. Salvador de Mendonça: cadeira 20, ocupante 1 (fundador). Rio de Janeiro; São Paulo: Academia Brasileira de Letras; Imprensa Oficial, 2014.

LESSA, Renato. A invenção republicana: Campos Sales, as bases e a decadência da Primeira República brasileira. 3. ed.. Rio de Janeiro: Topbooks, 2015.

LYNCH, Christian Edward Cyril. Da monarquia à oligarquia: história institucional e pensamento político brasileiro (1822-1930). São Paulo: Alameda, 2014a.

LYNCH, Christian Edward Cyril. Um saquarema no Itamaraty: reflexões e hipóteses sobre o pensamento político do Barão do Rio Branco. In: LAIDLER, Christiane Vieira (org.). O Barão do Rio Branco: política externa e nação. Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa, 2014b, p. 17-54.

LYRA JUNIOR, Américo Alves de. O Brasil na América: a história das relações internacionais brasileira durante o período de transição entre o Império e a República. Curitiba: Juruá, 2014.

PEREIRA, Gabriel Terra. A diplomacia da americanização de Salvador de Mendonça (1889-1898). São Paulo: Cultura Acadêmica, 2009.

POCOCK, John G. A.. Linguagens do ideário político. São Paulo: Edusp, 2003.

SANTOS, Fábio Murici dos. Um Éden germânico: a Europa e as Américas nas viagens de Oliveira Lima. Revista Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 1, n. 35, p. 23-46, jul. 2005. Disponível em: < http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/reh/article/view/2238> Acesso em: 16 jul. 2018.

SCHOULTZ, Lars. Estados Unidos, poder e submissão: uma história da política norte-americana em relação à América Latina. Bauru: Edusc, 2000.

SIRINELLI, Jean-François. Os intelectuais. In: RÉMOND, René (org). Por uma história política. 2. ed.. Rio de Janeiro, 2003, p. 231-269.

SKINNER, Quentin. Meaning and Understanding in the History of Ideas. History and Theory, v. 8, n. 1, p. 3-53, 1969. Disponível em: . Acesso em: 16 jul. 2018.

SKINNER, Quentin. Visões da política: questões metodológicas. Lisboa: Difel, 2005.

SMITH, Robert Freeman Os Estados Unidos e a América Latina. In: BETHELL, Leslie (org.). História da América Latina: de1870 a 1930, Vol. III. São Paulo; Brasília: Edusp; Funag, 2009, p. 609-649.

TOPIK, Steven C.. Comércio e Canhoneiras: Brasil e Estados Unidos na Era dos Impérios (1889-97). São Paulo: Companhia das Letras, 2009.




DOI: https://doi.org/10.22264/clio.issn2525-5649.2019.37.2.06

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 .

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Indexadores:

                    

                                   

 

eISSN: 2525-5649  Av. da Arquitetura, s/n CFCH-10°Andar, CDU - Recife-PE - CEP: 50740-550 Fone:+55(81)2126-8292  editorclio@gmail.com

                                                                                                                                                                         desde 20. Set. 2018  Contador de visitas