A constituição de representações das histórias das mulheres na musealização do Museu Julio de Castilhos (1995-1998): a agência das intelectuais mediadoras

Andréa Reis da Silveira

Resumo


O artigo se propõe apresentar alguns resultados da investigação da tese de doutorado em História, na qual trato da constituição das histórias das mulheres no acervo do Museu Julio de Castilhos, no período de 1995-2010. Neste texto desenvolvo análise da incorporação por mulheres, de 143 objetos doados no recorte temporal 1995-1998, verificando a documentação museológica desses artefatos e o modo como foi constituída a sua transformação funcional do real ao simbólico pelas intelectuais mediadoras, doadoras e funcionárias do Museu. Foi possível perceber que as práticas e as representações das histórias das mulheres no Museu,  estiveram no interesse da conciliação das relações de poder, sobretudo na musealização, ainda que o objetivo se dispusesse à formação histórica dos escolares. 


Palavras-chave


Museu Julio de Castilhos; Incorporação de acervos; Intelectuais mediadoras; Formação histórica

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, Regina. A fabricação do imortal: memória, história e estratégia de consagração no Brasil. Rio de Janeiro: Rocco, 1996.

BAUDRILLARD, Jean. O sistema dos objetos. São Paulo: Perspectiva, 1968.

BENJAMIN, Walter. Sobre o conceito de História. In: Obras escolhidas: magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. São Paulo: Brasiliense, 1987. v. 1.

BITTENCOURT, José N. Receita para a refeição cotidiana dos museus. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, n. 31, p. 149-163, Brasília, DF: MINC/IPHAN, 2005.

CARVALHO, Vânia Carneiro de. Gênero e artefato. São Paulo EDUSP, 2008.

CHARTIER, Roger. A beira da falésia: a história entre incertezas e inquietude. Porto Alegre: Editora da Universidade, 2002.

GONÇALVES, Andréa Lisly. História & gênero. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.

GOMES, Ângela de Castro; HANSEN, Patrícia Santos. Intelectuais mediadores: práticas culturais e ação política. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2016.

HARTOG, François. Regimes de historicidade: presentismo e experiências do tempo. Belo Horizonte: Autêntica, 2015.

MUSEU JULIO DE CASTILHOS (MJC). Relatório de gestão 1995-1998. 1998.

NASCIMENTO, Rosana A. D. O objeto museal, sua historicidade e implicações na ação documental e na dimensão pedagógica do Museu. Lisboa: Centro de Estudos de Sociomuseologia, 2002. v. 11.

POSSAMAI, Zita R. As artimanhas do percurso museal: narrativas sobre os objetos e peças de museu. Mouseion (Revista do Museu e Arquivo Histórico La Salle), v. 4, p. 64-72, jan./jun. 2010.

RAMOS, Francisco Régis Lopes. A danação do objeto: o museu no ensino de História. Chapecó: Argos, 2004.

RAMOS, Francisco Régis Lopes. As Tramas do Objeto no Ensino de História. Anais do Museu Histórico Nacional, v. 39, p. 285-306, 2007.

RECHENA, Aída. Museologia social e gênero. Cadernos do CEOM, v. 27, n. 41. p. 153-174, 2011a.

RECHENA, Aída. Sociomuseologia e género: imagens da mulher em exposições de museus portugueses. Tese (Doutorado em Museologia) – Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, Lisboa, 2011b. Disponível em: http://www.museologia-portugal.net/files/upload/doutoramentos/aida_rechena.pdf. Acesso em: 2016.

REDE, Marcelo. História e cultura material. In: VAINFAS, Ronaldo; CARDOSO, Ciro F. (org.). Novos domínios da história. Rio de Janeiro: Elsevier Brasil, 2011.

REDE, Marcelo. A História a partir das coisas: tendências recentes nos estudos de cultura material. Anais do Museu Paulista: História e Cultura Material, São Paulo, v. 4, n. 1, p. 265-282, 1996.

REIS, José Carlos. O desafio historiográfico. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 2010.

RICOUER, Paul. A memória, a história, o esquecimento. Campinas, SP; UNICAMP, 2007.

RICOUER, Paul. Tempo e narrativa: a intriga e a narrativa histórica. São Paulo: WMF; Martins Fontes, 2010. v. 1.

ROCHE, Daniel. História das coisas banais. Lisboa: Teorema, 1998.

RÜSEN, Jörn. Aprendizagem histórica: fundamentos e paradigmas. Curitiba: WA Editores, 2012. p. 151-166.

RÜSEN, Jörn. Cultura faz sentido: orientações entre o ontem e o amanhã. Petrópolis, R: Vozes, 2014.

RÜSEN, Jörn. História viva: teoria da história: formas e funções do conhecimento histórico. Brasília: Ed. Universidade de Brasília, 2007.

SILVA, Ana Celina F. da. Investigações e evocações do passado: o Departamento de História Nacional do Museu Julio de Castilhos (Porto Alegre, RS, 1925-1939). 2018. Tese (Doutorado em História) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2018.

SILVA, Joana Angélica. A representação das mulheres negras nos museus da cidade de Salvador, Bahia. In: TEIXEIRA, Sidélia (org.) Patrimônio e museus na contemporaneidade. Salvador: EDUFBA, 2016.

SILVEIRA, Andréa R. da. O Museu Julio de Castilhos no período 1960-1980: acervos, discursos, representações e práticas através de uma exposição museológica. 2011. 172 f. Dissertação (Mestrado) – Curso de Patrimônio Cultural, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2011.

STRANSKY, Zbynek Z. Introduction à l’étude de la muséologie. Destinée aux étudiants de l’École Internationale d’Été de Muséologie - EIEM. Brno: Université Masaryk, 1995.

SUANO, Marlene. O que é museu. São Paulo: Brasiliense, 1986.

VAQUINHAS, Irene M. Museus do feminino, museologia de género e o contributo da história. Midas – Museus e estudos interdisciplinares, n. 3, 2014.




DOI: https://doi.org/10.22264/clio.issn2525-5649.2019.37.2.11

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 .

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Indexadores:

                    

                                   

 

eISSN: 2525-5649  Av. da Arquitetura, s/n CFCH-10°Andar, CDU - Recife-PE - CEP: 50740-550 Fone:+55(81)2126-8292  editorclio@gmail.com

                                                                                                                                                                         desde 20. Set. 2018  Contador de visitas