Luís Cardoso: de escravo à grande comerciante da praça do Recife (XVIII)

Janaína Santos Bezerra

Resumo


O presente artigo consiste em relatar e problematizar a trajetória de vida e ascensão de Luís Cardoso, um pardo, natural de Pernambuco, que viveu a moda da nobreza mesmo tendo passado pela árdua experiência do cativeiro. Aqui temos a pretensão de observar as estratégias usadas por tal indivíduo em sua atuação social, política e econômica. Logo, a intenção proposta não se esgota no indivíduo, mas busca traçar um panorama das hierarquias sociais em Pernambuco, no século XVIII, através de tal trajetória, bem como, de todo um quadro de exclusão dela resultante.

 

 


Palavras-chave


Pardo; Ordem Terceira; inserção; Elite

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, Manuel Correia de Oliveira; FRANDES, Eliane Moury; CAVALCANTE, Sandra Melo( Org) Tempo dos Flamengos e outros tempo: Brasil século XVII. Brasília: CNPq; Recife: Fundaj, Ed. Massangana, 1999.

BEZERRA, Janaína Santos. A fraude da tez branca: a integração de indivíduos e famílias pardas na elite colonial pernambucana (XVIII) .2016. 323 f. : il. Tese de Doutorado em História(Universidade Federal de Pernambuco), Recife.

BLUTEAU, Raphael. Vocabulário português e latino. vol. 5. Coimbra: Colégio das Artes da Companhia de

Jesus, 1712-1727.

BOSCHI, Caio. Os leigos e o poder. Irmandades leigas e política colonizadora em Minas Gerais. São Paulo: Editora Ática, 1986.

FARIA, Sheila de Castro. A Colônia em movimento. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1998.

FRAGOSO, João. A nobreza da República: notas sobre a formação da primeira elite senhorial do Rio de Janeiro (séculos XVI e XVII). Topoi, Rio de Janeiro, nº 1.pp. 45-122.

SILVA, Maria Beatriz Nizza da. Ser nobre na colônia. Ed. Unesp. São Paulo, 2005.

HESPANHA, Antônio Manuel. Governo, elites e competência social: sugestões para um entendimento renovado da história das elites. In: BICALHO, Maria Fernanda; FERLINI, Vera Lúcia Amaral (orgs.). Modos de Governar. Alameda. São Paulo, 2005.

PESSOA, Raimundo Agnelo Soares. Gente sem sorte: os mulatos no Brasil colonial.Tese de doutorado (Programa de Pós-Graduação em História da Faculdade de História, Direito e Serviço Social da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”) Doutorado em História. Franca, 2007. 232f.

XAVIER, Ângela Barreto e HESPANHA, António Manuel. A representação da sociedade e do poder. in MATTOSO, José. História de Portugal. Volume 4. O antigo Regime (1620-1807). Lisboa, Editorial Estampa.

MONTEIRO, Nuno Gonçalo. Elites locais e mobilidade social em Portugal nos finais do Antigo Regime. texto apresentados ao Seminário de História do ICS (Outubro de 1996) e ao 16.° Encontro da Associação Portuguesa de História Económica e Social em Novembro de 1996.análise social. vol. XXXII(141),1997(2º)335-368, p.344-345

NETO, João Cabral de Melo. A Capela Dourada, símbolo do poder dos homens de negócio da praça. PUC- RIO- Certificação digital nº 0610626/CA.

SOUZA,Fernando Prestes de. Milicianos pardos em São Paulo: cor, identidade e política (1765-1831). Dissertação de Mestrado em História(Programa de Pós-graduação em História da Universidade Federal do Paraná).Curitiba, 2011.192f.

SOUZA, George F. Cabral de. Tratos e Mofatras: o grupo mercantil do Recife colonial(1654-1756). Recife:UFPE, 2012.

SOARES, Márcio de Sousa. Pretos e Pardos na fronteira do Império: Hierarquias e mobilidade social de libertos na capitania de Goiás(século XVIII). Trabalho apresentado no 4º Seminário de Pesquisa do Instituto de Ciências da Sociedade e Desenvolvimento Regional, da Universidade Federal Fluminense – UFF, realizado em Campos dos Goytacazes-RJ, Brasil, em março de 2010.




DOI: https://doi.org/10.22264/clio.issn2525-5649.2019.37.2.14

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 .

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Indexadores:

                    

                                   

 

eISSN: 2525-5649  Av. da Arquitetura, s/n CFCH-10°Andar, CDU - Recife-PE - CEP: 50740-550 Fone:+55(81)2126-8292  editorclio@gmail.com

                                                                                                                                                                         desde 20. Set. 2018  Contador de visitas