Uma comunidade em movimento: os traficantes de escravos de Lisboa e seus agentes no Atlântico , c. 1740-1771

Maximiliano Menz

Resumo


Por meio da análise dos despachos de mercadorias para Angola registrados na alfândega de Lisboa, o presente artigo objetiva identificar, estabelecer perfis e analisar as trajetórias e estratégias de alguns dos principais traficantes de escravos que atuavam em Lisboa entre mais ou menos 1740 e 1771. As minhas principais conclusões são que o grupo mercantil engajado no tráfico caracterizava-se por uma forte mobilidade (geográfica e econômica) e integração com os demais círculos mercantis das periferias do Império.

Palavras-chave


Tráfico de escravos; Homens de negócio; Trajetórias

Texto completo:

PDF

Referências


ALENCASTRO, Luis Filipe. O Trato dos Viventes: formação do Brasil no Atlântico Sul. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

ALMEIDA, Suely. Rotas Atlânticas. O comércio de escravos entre Pernambuco e a Costa da Mina (c.1724–c.1752). História (São Paulo) v.37, 2018.

BERBEL, Márcia, MARQUESE, Rafael & PARRON, Tamis. Escravidão e política, Brasil e Cuba, 1790-1850. São Paulo: Hucitec, 2010.

BOHORQUEZ, J. MENZ, Maximiliano. State Contractors and Global Brokers: The Itinerary of Two Lisbon Merchants and the Transatlantic Slave Trade during the Eighteenth Century. Itinerario, Vol. 42, No. 3, 403–429, 2018.

BRENNER, R. Merchants and Revolution. Commercial Change, Political Conflict, and London’s Overseas Traders, 1550-1653. New York/London: Verso, 2003.

CALDEIRA, Arlindo. Escravos e traficantes no Império Português. Lisboa: Esfera dos Livros, 2013.

CANDIDO, Mariana. Os agentes não europeus na comunidade mercantil de Benguela, c. 1760-1820, Sæculum n° 29 - jul./dez. 2013B, 97-124.

CANDIDO, Mariana. Merchants and the Business of the Slave trade at Benguela, 1750-1850. African Economic History, (1-30) No. 35, 2007.

COSTA, Leonor. O Transporte no Atlântico e a Companhia Geral do Comércio do Brasil, 1580-1663, Lisboa, CNCDP, 2002.

COSTA, Leonor, ROCHA, Maria, SOUSA, Rita. O ouro do Brasil. Lisboa: INCM, 2013.

COSTA, Leonor ROCHA, Maria. Remessas do ouro brasileiro: organização mercantil e problemas de agência em meados do século XVIII. Análise Social, vol. XLII (182), 2007, 77-98.

CARVALHO, M. Trabalho, cotidiano, administração e negociação numa feitoria do tráfico no Benim. Afro-Ásia, núm. 53, 2016, pp. 227-273.

CURTIN, Philip. The Atlantic Slave Trade: A Census. Wisconsin: University of Wisconsin Press, 1969.

CURTO, José. Álcool e Escravos. O comércio luso-brasileiro do álcool em Mpinda, Luanda e Benguela durante o tráfico atlântico de escravos (c. 1480-1830) e o seu impacto nas sociedades da África Central e Ocidental. (trad.) Lisboa: Vulgata, 2002.

DAVIS, Ralph. The Rise of the English Shipping Industry. London: MacMillan, 1962.

DOMINGUES DA SILVA, Daniel. Crossroads: Slave Frontiers of Angola, c. 1780-1867. Tese (doutorado em história) Emory University, Atlanta, 2011.

DOMINGUES DA SILVA, Daniel. The Supply of Slaves from Luanda, 1768-1806, Records of Anselmo da Fonseca Coutinho, African Economic History v.38(2010):53-76.

ELTIS, David & RICHARDSON, David. Extending the Frontiers: Essays on the New Transatlantic Slave Trade Database, Yale University Press, 2008.

ELTIS, David. et. al. "Voyages: The Trans-Atlantic Slave Trade Database" www.slavevoyages.org, 2008.

FERREIRA, Roquinaldo. Biografia, mobilidade e cultura atlântica: a micro-escala do tráfico de escravos em Benguela, séculos XVIII-XIX. Tempo, vol.10, no.20, Niterói Jan. 2006, p. 23-49.

FERREIRA, Roquinaldo. Transforming Atlantic Slaving: Trade, warfare and territorial control in Angola, 1650-1800. Tese (doutorado em História) University of California, Los Angeles, 2003.

FLORENTINO, Manolo. Em Costas Negras. São Paulo, Cia das Letras, 1997

GOULART, Maurício. A escravidão Africana no Brasil. 3ª ed. São Paulo: Alfa Omega, 1975.

GUIMARÃES, Carlos G. O Fidalgo-mercador Francisco Pinheiro e o 'Negócio da Carne Humana' (1707-1715), Promontoria, n.º 3, Faro, Universidade do Algarve, 2005, p. 109-133.

KLEIN, Herbert. The portuguese slave trade from Angola in 18th century. in: The Middle Passage. (23-50) Princeton: Princeton University Press, 1978.

LAMIKIZ, Xabier. Trade and Trust in Eighteenth-Century Atlantic World. Suffolk: Boydell & Brewer, 2013.

LOPES, Gustavo. Negócio da Costa da Mina: Tabaco, Açúcar, Ouro e Tráfico de Escravos: Pernambuco (1654-1760), tese (doutorado em história), USP, São Paulo, 2008.

MAURO, Frederic. Portugal. o Brasil e o Atlântico 1570-1670. 2 vols. [1960] (trad.) 2ª ed. Lisboa: Estampa, 1997.

MELO, F. Contract Enforcement and Risk Reduction: the Luso-Brazilian Companies in the last Quarter of the Eighteenth Century. Global Histories, Volume IV, May 2018.

MENZ, Maximiliano, “Domingos Dias da Silva, o último contratador de Angola: a trajetória de um grande traficante de Lisboa”, Revista Tempo, Vol. 23 n. 2, Mai./Ago.2017.

MENZ, Maximiliano. Contratadores e Capitães de Navios: notas sobre a participação da comunidade mercantil de Lisboa no tráfico de escravos em Angola (c. 1720-1807). Colóquio Histórias da Escravatura, BNL, Lisboa, 24 e 25 de setembro de 2015.

MENZ, Maximiliano. As “Geometrias” do tráfico. O comércio metropolitano e o tráfico de escravos em Angola. Revista de História, São Paulo, n. 166, jan./jun. 2012, p. 185-222.

MENZ, Maximiliano. A Companhia de Pernambuco e Paraíba e o funcionamento do tráfico de escravos em Angola (1759-1775/80). Afro-Ásia, nº 48, 2013.

MILLER, Joseph. “Capitalism and Slaving: The Financial and Commercial Organization of the Angolan Slave Trade, according to the Accounts of Antonio Coelho Guerreiro (1684-1692)” The International Journal of African Historical Studies, Vol. 17, No. 1 (1984).

MORGAN, Keneth. Bristol & the Atlantic Trade in the Eighteenth Century. Cambridge: CUP, 1993.

NOVAIS, Fernando. Portugal e o Brasil na Crise do Antigo Sistema Colonial. 6ª ed. São Paulo: Hucitec, 1995.

PANTOJA, Selma. Laços de afeto e comércio de escravos. Angola no século XVIII, Cad. Pesq. Cdhis, Uberlândia, (375-389), v.23, n.2, jul./dez. 2010A.

PANTOJA, Selma. Redes e tramas no mundo da escravidão atlântica, na África Central Ocidental, século XVIII. História Unisinos. 14(3), Setembro/Dezembro 2010B, p.:236-241.

RIBEIRO, Alexandre. Apontamento sobre o tráfico de escravos entre Angola e Brasil. In: PAIVA, E. F. e SANTOS, V. S. África e Brasil no Mundo Moderna. (29-48). São Paulo: Annablume, 2013.

RIBEIRO, Alexandre. O tráfico atlântico de escravos e a praça mercantil de Salvador. dissertação, (mestrado em história), UFRJ, Rio de Janeiro, 2005.

RICHARDSON, D. Profits in the Liverpool slave trade: the accounts of William Davenpport, 1757-1784. In: ANSTEY, R. & HAIR, P. Liverpool, the African Slave Trade, and abolition, Bristol: Western Printing Services, 1976.

STEIN, Robert. The French Slave Trade in the Eighteenth Century: An Old Regime Business. Madison: The University of Wisconsin Press, 1979, pp. 151-156.

SILVA Jr., Carlos. Tráfico, traficantes e agentes na Bahia setecentista. Revista de História Ufba, 1, 1 (2009), pp. 37-52.

SILVA, Filipa. SOMMERDYK, Stacy.. Reexamining the geography and merchants of the West Central African Slave Trade: Looking behind the numbers. African Economic History v.38(2010):77–105.

STURGESS, Gary & COZENS, Ken. Managing a Global Enterprise in the Eighteenth Century: Anthony Calvert of The Crescent, London, 1777–1808, The Mariner's Mirror, 99:2, 171-195, 2013.

VERGER, Pierre. Fluxo e Refluxo do Tráfico de Escravos entre o Golfo de Benin e a Bahia de Todos os Santos: dos séculos XVII a XIX. [1968]. (Trad.). Salvador: Corrupio, 1987




DOI: https://doi.org/10.22264/clio.issn2525-5649.2019.37.2.13

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 .

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Indexadores:

                    

                                   

 

eISSN: 2525-5649  Av. da Arquitetura, s/n CFCH-10°Andar, CDU - Recife-PE - CEP: 50740-550 Fone:+55(81)2126-8292  editorclio@gmail.com

                                                                                                                                                                         desde 20. Set. 2018  Contador de visitas