COLONIZAÇÃO E CONFLITOS NA TRANSAMAZÔNICA EM TEMPOS DA DITADURA CIVIL-MILITAR BRASILEIRA

Airton dos Reis Pereira

Resumo


Este trabalho analisa a colonização e os conflitos por terra na Transamazônica, no sudeste paraense, em tempos da ditadura civil-militar brasileira. Para tal, estabelece como fio condutor o processo de implantação do Programa Integrado de Colonização Marabá pelo governo de Emílio Garrastazu Médici às margens da rodovia Transamazônica nos municípios de Itupiranga e São João do Araguaia. Neste último, o referido projeto se efetivou quando as Forças Armadas procuravam reprimir o movimento guerrilheiro comandado pelos militantes do Partido Comunista do Brasil na confluência dos rios Araguaia e Tocantins. Ali, não só muitos trabalhadores rurais foram presos e torturados, mas obrigados a serem guias do Exército na caça aos guerrilheiros. A partir de 1974, muitas famílias que haviam chegado de diversas partes do Brasil atraídas pela colonização, não tendo encontrado apoio do INCRA, passaram a ocupar uma série de imóveis improdutivos com títulos definitivos ou de aforamentos, a começar por aqueles que margeavam a rodovia, causando intensos e prolongados conflitos com fazendeiros, donos desses imóveis.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 .

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

                          

             

eISSN: 2525-5649  Av. da Arquitetura, s/n CFCH-10°Andar, CDU - Recife-PE - CEP: 50740-550 Fone:+55(81)2126-8292  editorclio@gmail.com

                                                                                                                                  contador inserido em 14. Junho. 2018   hits counter html