PEIXES-BOIS DAS PRAÇAS DO RECIFE – A HISTÓRIA DE UM SÉCULO DE CONVÍVIO E ADMIRAÇÃO DOS PERNAMBUCANOS A ESTES ANIMAIS

Fabia Oliveira Luna, Fernanda Loffler Niemeyer Attademo

Resumo


A ocorrência do peixe-boi marinho no Brasil é registrada desde o período da colonização do país. A caça desses animais ocasionou a redução do tamanho das populações e a extinção em algumas regiões, como parte do litoral de Pernambuco. No passado, as cidades de Olinda e Recife apontam que o uso do peixe-boi como fonte de alimento, podendo ser o motivo pela ausência de avistagem da espécie no litoral desses municípios. Essa teria sido a primeira principal relação entre recifenses e os peixes-bois. Após  praticamente três séculos, os recifenses voltam a ter uma forte relação com os peixes-bois, quando animais passam a viver em tanques de praças e parques públicos da cidade. A sociedade começou a admirá-los em momentos de lazer, sendo uma atração das tardes dos domingos. Esse ciclo de animais cativos e visitação pelos pernambucanos e turistas de outras regiões durou mais de um século, com início em 1909, quando Chico chegou a Praça da República, e teve seu fechamento em 2015, mas permaneceu na Ilha de Itamaracá e na memória dos pernambucanos. Dentre os peixes-bois das praças, Xica, foi o mais visitado, tendo sido considerada uma “celebridade” e até mascote da cidade do Recife.

 


Palavras-chave


Peixes-bois; Recife; praças; Xica

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Fabia Oliveira Luna, Fernanda Loffler Niemeyer Attademo

 

 

 

 

Indexadores e Bases bibliográficas:

                    

      

 

 

 

Programa de Pós Graduação em História - PGH UFRPE

Universidade Federal Rural de Pernambuco

Rua Dom Manuel de Medeiros, s/nº

Dois Irmão, Recife, PE, CEP: 52171-010

Prédio Professor Ariano Suassuna (1º Andar) 

ISSN: 2525-6092

 

 

 

Licença Creative Commons

A Revista Rural & Urbano está licenciado com uma Licença Creative Commons