O DIREITO À CIDADE E VELHICE EM TEMPOS DE PANDEMIA DA COVID-19: DISCUSSÕES GEOGRÁFICAS

Pedro Ricardo da Cunha Nóbrega

Resumo


O mundo atual, impactado pela imposição de uma nova dinâmica em função da pandemia da covid-19, revela-se como um lugar que aumenta a desconfiança contra os sujeitos velhos. Em primeiro lugar, por se tratar de um grupo social com altos registros de vulnerabilidade aos sintomas e desdobramentos da doença, convencionou considerar que o seu isolamento social precede o de todos os demais grupos sociais. Em segundo lugar, as visões estereotipadas e de profundo preconceito com a velhice são reforçadas quando a necessidade de distanciamento social engessa a possibilidade de circulação do dinheiro disponível com lazer, estética e superficialidades. Aprofunda-se a banalidade da vida desses sujeitos, que fica evidente, inclusive, em discursos realizados por ministros de Estado e pelo próprio Presidente da República. O direito à cidade e o direito à reprodução da vida são negados, mesmo quando a renda destes sujeitos se torna a única fonte de ingresso para a família, que se encontra ampliada com a eliminação de postos de trabalho formal e informal.


Palavras-chave


Direito à cidade; Velhos; Covid-19; Geografia

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Pedro Ricardo da Cunha Nóbrega

 

 

 

 

Indexadores e Bases bibliográficas:

                    

      

 

 

 

Programa de Pós Graduação em História - PGH UFRPE

Universidade Federal Rural de Pernambuco

Rua Dom Manuel de Medeiros, s/nº

Dois Irmão, Recife, PE, CEP: 52171-010

Prédio Professor Ariano Suassuna (1º Andar) 

ISSN: 2525-6092

 

 

 

Licença Creative Commons

A Revista Rural & Urbano está licenciado com uma Licença Creative Commons