AVALIAÇÃO EXTERNA ENQUANTO APARELHO HEGEMÔNICO

Vânia Márcia da Silva Laurentino, Elione Maria Nogueira Diógenes

Resumo


O presente artigo traz uma discussão a cerca da avaliação externa enquanto aparelho estatal a serviço do neoliberalismo. A gênese e as intenções ideológicas do Estado avaliador que surgem a partir da adequação a padronizações internacionais ligadas principalmente ao desenvolvimento político e econômico desenham um quadro mercantilista da educação. Baseado no estudo da Terceira Via desenvolvido por Neves (2005) é traçada uma análise a cerca da forte influencia dos aparelhos hegemônicos na educação e da repercussão prática na escola são as principais discussões presentes nesse trabalho. Os principais referenciais teóricos são: Andrioli (2002), Mészáros (2002), Frigoto (2003), Neves (2005) Fonseca e Oliveira (2009), Lôrdelo e Dazzani (2009) e Rizek (2010).

 

 


Palavras-chave


Avaliação externa, Neoliberalismo, Estado hegemônico

Texto completo:

PDF


 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.


                                         INDEXADORES

       
 
 
  
 
   
 
 
                                          BUSCADORES 
                                  


                                                      
                                           
                                              MÉTRICAS 
 
GOOGLE ACADÊMICO: https://scholar.google.com.br/citations?hl=pt-BR&user=BbrMvUMAAAAJ