OS SENTIDOS ATRIBUÍDOS À ESCOLA POR CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

Viviane de Bona, Pollyanna Geórgia Araújo Barretto Vaz

Resumo


Esta pesquisa foca a narrativa de crianças e tem como objetivo compreender o sentido atribuído à escola por elas, verificando os elementos que compõem o gostar e o não gostar desse espaço. Constitui-se em um estudo realizado em uma escola particular do Recife – PE, onde participaram 12 crianças com idade entre 4 e 5 anos. A coleta de dados ocorreu em dois momentos com um intervalo de 2 anos. Teve como instrumentos: roda de conversa mediada por uma animação visual e produção de desenhos, ambos analisados com auxílio da análise de conteúdo (BARDIN, 2011). Os resultados evidenciaram que a escola é entendida como espaço que apresenta uma dimensão lúdica, pedagógica e social. Sendo que a dimensão lúdica foi revelada como elemento que compõe o gostar da escola, da mesma forma que a ausência deste elemento compõe o não gostar dela.

 

Palavras-Chave: Escola. Educação Infantil. Crianças. Narrativa.


Texto completo:

PDF

Referências


BARDIN, L. Análise de conteúdo. 6. ed. Lisboa: Edições 70, 2011.

BRASIL. Ministério da Educação/Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação Básica. Resolução N. 5, de 17 de Dezembro de 2009. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Brasília: 2009a.

BRASIL. Indicadores da qualidade na educação infantil. Ministério da Educação/Secretaria da Educação Básica – Brasília: MEC/SEB, 2009b.

BRASIL. Indicações para elaboração das diretrizes curriculares nacionais para a educação infantil. CEB / CNE, Brasília, 5 de agosto de 2009c.

CAMPOS, M. Por que é importante ouvir a criança? A participação das crianças pequenas na pesquisa científica. In: CRUZ, Silvia Helena Vieira (org.). A criança fala: a escuta de crianças em pesquisa. São Paulo: Cortez, 2008.

CANÁRIO, R. A escola tem futuro? Das promessas as incertezas. São Paulo: Artmed, 2007.

CORSARO, W A. A sociologia da infância. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2011.

CRUZ, S H V. A representação da escola em crianças da classe trabalhadora. Dissertação (Mestrado em Psicologia) IP, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1987.

______. Fala, menino! Uma experiência de pesquisa sobre o cotidiano da creche comunitária na perspectiva da criança. Educação em Debate (CESA/UFC), Fortaleza, v. 2, n.44, p. 20-35, 2002.

______. A criança fala: a escuta de crianças em pesquisas. São Paulo: Cortez, 2008.

FORMOSINHO, J O. Escutar as vozes das crianças como meio de (re)construção de conhecimento acerca da infância: algumas implicações metodológicas. In: FORMOSINHO, J. O. (org.). A escola vista pelas crianças. Porto: Porto Editora, 2008.

FRAGO, A.V. Historia de la educación y historia cultural: posibilidades, problemas, cuestiones. Revista Brasileira de Educação, Belo Horizonte, n. 0, p. 63-82, set./dez. 1995.

FREIRE, P. A Educação na Cidade. São Paulo: Cortez; 1991.

______. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1994.

______. Pedagogia da autonomia: saberes necessários a prática educativa. 35 ed. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

GABRIEL, C T. Escola e Cultura: Uma articulação inevitável e conflituosa. In: CANDAU, Vera Maria (org.). Reinventar a Escola. 6.ed. Petrópolis- RJ: Vozes, 2008.

GATTI, B. A. Grupo focal em ciências sociais e humanas. Brasília: Liber Livro Editora, 2005.

GOBBI, M. Desenho infantil e oralidade: instrumentos para pesquisa com crianças pequenas. In: FARIA A, A. L. G. DEMARTINI, Z. B. F, PRADO, P. D (Orgs.). Por uma cultura da infância: metodologias de pesquisa com crianças. Campinas-São Paulo: Autores associados, 2009.

KISHIMOTO, Tizuko M. Brinquedos e Brincadeiras na Educação Infantil. In: I SEMINÁRIO NACIONAL: CURRÍCULO EM MOVIMENTO – Perspectivas Atuais, 2010, Belo Horizonte. Anais... Belo Horizonte: 2010. Disponível em: ˂http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=16110&Itemid=936˃ Acesso em: 03/02/2014

KRAMER, S. Pesquisando infância e Educação: um encontro com Walter Beijamin. In: KRAMER S.; LEITE, M. I. F. P. Infância: fios e desafios da pesquisa. Campinas, Papirus, 1996.

LAVILLE, C.; DIONNE, J. A construção do saber: manual de metodologia da pesquisa em ciências humanas. Porto alegre: Artmed; Belo Horizonte: Editora UFMG, 2007.

LEITE, M I. Espaços de narrativa: onde o eu e o outro marcam encontro. In: CRUZ, S. H. V. (org.). A criança fala: a escuta de crianças em pesquisa. São Paulo: Cortez, 2008.

NUNES, M. F.; KRAMER, S. Educação Infantil e expansão da escolaridade obrigatória: questões para a política, a formação e a pesquisa. In: KRAMER, S.; NUNES, M. F.; CARVALHO, M. C. (Orgs). Educação Infantil: formação e responsabilidade. Campinas –SP: Papirus, 2013.

PASSEGGI, M. C. et al. Narrativas de crianças sobre as escolas da infância: cenários e desafios da pesquisa (auto) biográfica. Revista Educação (UFSM), v. 39, n. 1, 2014. Disponível em: . Acesso em: 10.jan.2015

PIAGET, J. A formação do símbolo na criança. Imitação, jogo e sonho. Imagem e representação. 4. ed. Rio de Janeiro: LTC, 2010.

ROMANELLI, O. O. História da educação no Brasil (1930/1970). 34. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009.

SARMENTO, M.J. Os ofícios da criança. In: CONGRESSO INTERNACIONAL “OS MUNDOS SOCIAIS E CULTURAIS DA INFÂNCIA”, 2000, Braga. Anais... Braga: Instituto de Estudos da Criança, Universidade do Minho, 2000.

VYGOTSKY, L S. Pensamento e linguagem. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1989.

______. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. Martins Fontes, 1991.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


INDEXADORES E BASES DE DADOS

GOOGLE ACADÊMICO

UCL INSTITUTE OF EDUCATION LIBRARY

PKP | INDEX

Tópicos Educacionais - ISSN 0101-8701 (impresso) 2448-0215 (on line)