MANIFESTO "IN MEMORIAM" DO IESAE/FGV Para que o "passado não se apague," já que o "futuro dura muito tempo"

Yves de Maupeou

Resumo


Em junho de 1990 através da portaria n11 24, a Fundação Getúlio Vargas do Rio
de Janeiro, embutida do ideá rio neoliberal e da "modernidade collorida", de uma só
vez, extinguiu oito órgãos e, dentre eles, o Instituto de Estudos Avançados em
Educação (IESAE) que completava 20 anos. Instituto reconhecido pelos Comitês
científicos do CNPQ e pelas avaliações da CAPES do Ministério da Educação como
Programa de excelência. Incorporando o discurso da modernidade, da qualidade e
da produtividade, sem definir qual modernidade, que qualidade, e produtividade
para quem, a FGV sequer considerou direitos. O IESAE contava com 106 alunos
regularmente matriculados. Não por acaso foram extintos os órgãos que tinham umaligação mais direta com as áreas sociais.


Texto completo:

PDF


 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.


                                         INDEXADORES

       
 
 
  
 
   
 
 
                                          BUSCADORES 
                                  


                                                      
                                           
                                              MÉTRICAS 
 
GOOGLE ACADÊMICO: https://scholar.google.com.br/citations?hl=pt-BR&user=BbrMvUMAAAAJ