AVENTURA MUTANTE: UMA PROPOSTA EDUCACIONAL PARA O ENSINO DE GENÉTICA

Luan Kelwyny Thaywã Marques da Silva, Hélia Helena de Lima, Heitor Ayres Belo França, Sabrina Pereira Araújo

Resumo


A genética pode ser entendida como uma das áreas mais complexas da biologia, graças ao seu caráter por vezes abstrato, é comum que alguns alunos tenham dificuldade em compreender seus conceitos. No entanto, a genética é comumente apontada como uma área de interesse por grande parte dos alunos no ensino médio, pela enorme gama de possibilidades que é possível tratar a partir de seus conteúdos. Dessa forma, faz-se necessário que o professor encontre meios de simplificar suas aulas, deixando o aluno à vontade para aprender em seu próprio ritmo e com a maior eficiência possível. Partindo desse pressuposto, o jogo Aventura Mutante foi confeccionado e aplicado com uma turma de ensino superior na disciplina de genética. A partir do ato de jogar durante a aula, foi notória a maior interação dos alunos com os conteúdos abordados, bem como a assimilação dos diversos conceitos sobre mutação ligados ao jogo. Dessa forma, foi possível apresentar uma forma lúdica para o ensino de genética através de perguntas e respostas que auxiliaram os alunos durante a aula, fugindo um pouco dos modelos mais tradicionais de aulas expositivas.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, B. M. et al. Aprendizagem lúdica: Uma contribuição para a formação básica e inicial de professores no ensino da botânica. Revista Perspectiva: Ciência E Saúde, Rio Grande Sul., v. 3, n. 1, p. 57-68, jan. 2018.

CAMPOS, L. M. L.; BORTOLOTO, T. M.; FELICIO, A. K. C. A produção de jogos didáticos para o ensino de Ciências e Biologia: uma proposta para favorecer a aprendizagem. Caderno dos Núcleos

Volume 3

Número 1 ISSN 2595 - 7597

https://periodicos.ufpe.br/revistas/vivencias

2

Revista Vivências em Ensino de Ciências

ª Edição Especial

de Ensino, p.35-48, 2003.

CASTRO, D. F.; TREDEZINI, A. L. M. A importância do jogo/lúdico no processo de

ensino- aprendizagem. Revista Perquirere, [S.l.], p. 166-181, jul. 2014.

CARVALHO, A. M. P.; GIL-PÉREZ, D. Formação de professores de Ciências. Tradução de

Sandra Valenzuela. São Paulo: Cortez, 2006.

FIALHO, N. N. Os jogos pedagógicos como ferramentas de ensino. Disponível em: Acesso em 03 jun. 2019.

FORTUNA, T. R. Jogo em aula. Revista do Professor, Porto Alegre, v.19, n.75, p.15-19, jul./set. 2003.

GRANDO, Regina Célia. O jogo [e] suas possibilidades metodológicas no processo ensino-aprendizagem da matemática. 1995. 175f. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação, Campinas, SP. Disponível em: . Acesso em: 19 jul. 2018.

KISHIMOTO, T. M. Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação. Cortez, São Paulo, 1996.

LUCKESI, C. C.. Ludicidade e atividades lúdicas: uma abordagem a partir da experiência interna, Coletânea Educação e Ludicidade – Ensaios 02, GEPEL, Programa de Pós-Graduação em Educação, FACED/UFBA, pág. 22 a 60. Educação e Ludicidade. Ensaios, Salvador, Bahia, n.02, p. 22-60, 2002.

PEDROSO, Carla Vargas. JOGOS DIDÁTICOS NO ENSINO DE BIOLOGIA: UMA PROPOSTA METODOLÓGICA BASEADA EM MÓDULO DIDÁTICO. IX Congresso Nacional de Educação – EDUCERE. ANAIS. Paraná. 2009.

RAU, M. C. Trois T. AS BASES TEÓRICAS DA EDUCAÇÃO LÚDICA. A ludicidade na educação: uma atitude pedagógica . 2ª. ed. Curitiba: [s.n.], 2013. cap. 1, p. 25-61. v. 1. Disponível em: ;. Acesso em: 13 maio 2018.

SALIM, D. C.; Akimoto, A. K.; Ribeiro, G. B. L.; Pedrosa, M. A. F.; Klautau-Guimarãe, M. N. & Oliveira, S. F. (2007). O baralho como ferramenta no ensino de genética. Genética na Escola, 2(1), 6-9.

TEMP, D. S. Facilitando a Aprendizagem de Genética: Uso de um Modelo Didático e Análise dos Recursos Presentes em Livros de Biologia. 2011. 85p. Dissertação de Mestrado (Mestre em Educação em Ciências) Universidade Federal de Santa Maria - UFSM, Rio Grande do Sul-RS, 2011.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Av. Prof. Moraes Rego, 1235 - Cidade Universitária, Recife - PE, 50670-901.