MAIS UMA SALVA DE TIROS NA GUERRA PARADIGMÁTICA DA EDUCAÇÃO DO CAMPO

Filipe Gervásio Pinto da Silva, Janssen Felipe da Silva

Resumo


Neste trabalho intencionamos construir uma reflexão sobre o panorama que se apresenta à Educação do Campo no Brasil, tendo como pano de fundo econômico e pedagógico o cenário nacional e internacional que circula a atual tensão paradigmática (ARROYO; CALDART; MOLINA, 2011) em torno desta modalidade educacional. Para tanto, a reflexão segue dois caminhos interdependentes. O primeiro caminho é contextual e trata do aprofundamento da hegemonia neoliberal na América latina (QUIJANO, 2005; ALVES, 2003) e do Agronegócio como interventor ativo na apropriação da Educação do Campo (JESUS & JESUS, 2011). O segundo caminho diz respeito às reformas sociais e educacionais (as pretendidas e as que estão em debate) instituídas no contexto pós-golpe de 2016 e suas relações com o campo e com a Educação do Campo.

Abstract

In this work we intend to construct a reflection about the panorama that presents itself to the Field Education in Brazil, having as economic and pedagogical background the national and international scenario that circulates the current paradigmatic tension (ARROYO; CALDART; MOLINA, 2011) in around this educational modality. For this, reflection follows two interdependent paths. The first path is contextual and deals with the deepening of neoliberal hegemony in Latin America (QUIJANO, 2005; ALVES, 2003) and Agribusiness as active intervenor in the appropriation of Field Education (JESUS & JESUS, 2011). The second path concerns the social and educational reforms (both intended and debated) instituted in the post-coup context of 2016 and their relations with the field and with field education.


Keywords

Field Education; Agribusiness; Educational Reforms


Palavras-chave


Educação do Campo; Agronegócio; Reformas Educacionais

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, Giovani Antônio Pinto. Toyotismo, Novas Qualificações e Empregabilidade: Mundialização do Capital e a Educação dos Trabalhadores no Século XXI. Educação (UFAL), Macéio, v. 10, n.16, p. 61-76, 2003

ALVES, Nilda. Sobre a possibilidade e a necessidade curricular de uma Base Nacional Comum. Revista e-Curriculum, São Paulo, v. 12, n. 03 p. 1464 – 1479 out./dez. 2014

ARROYO, M. G.; CALDART, R. S.; MOLINA, M. C. Por uma educação do campo. 5. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.

BELTRAME, S. A. B.; CARDOSO, T. M.; NAWROSKI, A. Educação do campo e práticas pedagógicas. In: MURAMIM, A. et al. (Org.). Educação do campo: políticas públicas, territorialidades e práticas pedagógicas. Florianópolis: INSULTAR, 2011. p. 101-122.

BRASIL. Resolução CEE/PE N°2 de 31 de Março 2009. (Institui diretrizes, normas e princípios para a Educação Básica e suas Modalidades de Ensino nas Escolas do Campo que integram o Sistema de Educação do Estado de Pernambuco).

GROSFOGUEL, R. Para descolonizar os estudos de economia política e os estudos pós-coloniais: transmodernidade, pensamento de fronteira e colonialidade global. In: SANTOS, B. S.; MENESES, M. P. (Orgs.). Epistemologias do Sul. São Paulo: Cortez, 2010. p. 455-491.

HARVEY, David. 17 contradições e o fim do capitalismo. 1. ed. São Paulo: Boitempo, 2016.

JESUS, Sônia Meire Santos Azevedo de; JESUS, Carlos Alberto. Currículo por área de conhecimento na formação de professores para escolas do campo da UFS. In: MOLINA, Mônica Castagna.; SÁ, Laís Mourão. (Org.). Licenciaturas em educação do campo: registros e reflexões a partir das experiências – piloto (UFMG: UnB: UFBA e UFS). Belo Horizonte: Autêntica, 2011. p. 149-164.

MACEDO, Elizabeth. Base Nacional Curricular Comum: novas formas de sociabilidade produzindo sentidos para educação. Revista e-Curriculum, São Paulo, v. 12, n. 03 p.1530 - 1555 out./dez. 2014

MÉZAROS, Istiván. Para além do capital: rumo a uma teoria da transição. 1 ed. São Paulo: Boitempo, 2011.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder. In: LANDER, Egdardo. (Org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: CLACSO, 2005.

SANTOS, Boaventura de Sousa. A gramática do tempo para uma nova cultura política. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

SILVA, M. A. A Fetichização do Livro Didático no Brasil. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 37, n. 3, p. 803-821, set./dez. 2012.

VILHENA JÚNIOR, Waldemar Moura; MOURÃO, Arlinda Rangel Botelho. Políticas públicas e os movimentos sociais por uma educação do campo. In: GHEDIN, Evandro. (Org.). Educação do campo: epistemologia e práticas. São Paulo: Cortez, 2012. p. 169-194.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

INDEXADORES E BASES BIBLIOGRÁFICAS: