Roberto Schwarz e a referencialidade da forma machadiana

Elvis Paulo Couto

Resumo


Este artigo objetiva investigar os pressupostos teóricos da crítica de Roberto Schwarz às Memórias póstumas de Brás Cubas, de Machado de Assis. Para isso, demonstraremos que certa experiência brasileira de interpretação sociológica da contradição entre o atraso das instituições coloniais e a modernidade do ideário liberal é capaz de esclarecer o processo dialético de formalização de dados externos operado no primeiro romance moderno brasileiro.


Texto completo:

PDF

Referências


ALENCASTRO, L. F. La traite negrière et l’unité nationale brésilienne. Revue Française d’Histoire d’Outre-Mer, Paris, v. 66, n. 244-245, p. 395-419, 1979.

ARANTES, P. E. Providências de um crítico literário na periferia do capitalismo. In: ARANTES, O. B. F.; ARANTES, P. E. Sentido da formação: três estudos sobre Antonio Candido, Gilda de Mello e Souza e Lúcio Costa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997. p. 7-66.

ASSIS, M. Instinto de nacionalidade. In: ______. Crítica. Rio de Janeiro: Garnier, 1910. p. 7-28.

______. Memórias póstumas de Brás Cubas. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira; Brasília: Instituto Nacional do Livro, 1975. (Edição crítica da Academia Brasileira de Letras).

BOSI, A. A escravidão entre dois liberalismos. In: ______. Dialética da colonização. São Paulo: Companhia das Letras, 1992. p. 194-245.

CANDIDO, A. Formação da literatura brasileira: momentos decisivos (1750-1880). 11. ed. Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul, 2007.

COSTA, E. V. Da Monarquia à República: momentos decisivos. 9. ed. São Paulo: Ed. UNESP, 2010.

ELIOT, T. S. Tradition and the individual talent. In: ______. Selected essays. London: Faber and Faber, 1958. p. 13-22.

FERNANDES, F. A revolução burguesa no Brasil: ensaio de interpretação sociológica. 5. ed. São Paulo: Globo, 2006.

______. Circuito fechado: quatro ensaios sobre o “poder institucional”. 2. ed. São Paulo: Hucitec, 1977.

FLORENTINO, M. Em costas negras: uma história do tráfico de escravos entre a África e o Rio de Janeiro (séculos XVIII e XIX). São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

FREYRE, G. Casa-grande & senzala: formação da família brasileira sob o regime de economia patriarcal. 13. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1966.

______. Sobrados e mucambos: decadência do patriarcado rural e desenvolvimento do urbano. Rio de Janeiro: José Olympio, 1981.

HOLANDA, S. B. Raízes do Brasil. 9. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1976. (Coleção Documentos Brasileiros).

MERQUIOR, J. G. Gênero e estilo das Memórias póstumas de Brás Cubas. In: ______. Crítica: ensaios sobre arte e literatura (1964-1989). Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1990. p. 331-342.

MEYER, A. Machado de Assis. 2. ed. Rio de Janeiro: Organização Simões, 1952.

NABUCO, J. O abolicionismo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira; São Paulo: Publifolha, 2000. (Coleção Grandes Nomes do Pensamento Brasileiro).

NOVAIS, F. A. Portugal e Brasil na crise do antigo sistema colonial (1777-1808). 5. ed. São Paulo: Hucitec, 1989.

PRADO JÚNIOR, C. Formação do Brasil contemporâneo: Colônia. São Paulo: Brasiliense, 1999.

ROMERO, S. Machado de Assis. Rio de Janeiro: José Olympio, 1936.

ROUANET, S. P. Contribuição para a dialética da volubilidade. Revista USP, São Paulo, n. 9, p. 175-194, mar./ abr./ mai. 1991.

SCHWARZ, R. Ao vencedor as batatas: forma literária e processo social nos inícios do romance brasileiro. São Paulo: Duas Cidades; Ed. 34, 2000a. (Coleção Espírito Crítico).

______. Complexo, moderno, nacional, e negativo. In: ______. Que horas são? Ensaios. São Paulo: Companhia das Letras, 1987. p. 115-125.

______. Um mestre na periferia do capitalismo: Machado de Assis. São Paulo: Duas Cidades; Ed. 34, 2000b. (Coleção Espírito Crítico).

TROTSKY, L. História da Revolução Russa. Trad. E. Huggins. Brasília: Senado Federal, 2017.






Revista Investigações - Linguística e Teoria Literária. Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Federal de Pernambuco.

ISSN Edição Digital 2175-294X - ISSN Edições Impressas 0104-1320

www.ufpe.br/pgletras - www.pgletras.com.br 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.