Conversas sem fim: Contação de histórias e dança como espaços de educação e resistência no Colégio de Aplicação da UFRJ.

DANIELE LOPES DOS SANTOS

Resumo


O presente relato pretende compartilhar com o leitor algumas ações realizadas no Colégio de Aplicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro, a partir do evento acadêmico “Conversas sem fim: Contação de histórias espaços de educação e resistência” organizado pelo setor de Artes Cênicas desta instituição no ano de 2017. Dedica-se especial atenção às reflexões sobre o corpo e suas expressões dentro do contexto escolar considerado como espaço para diálogos profícuos no que diz respeito a formação de professores em se tratando de um colégio de aplicação.


Texto completo:

346-355

Referências


ARROYO,L. Literatura Infantil Brasileira.3 ed. São Paulo: Editora Unesp, 2011.

AZEVEDO, R. Contos de Bichos do Mato. Rio de Janeiro: Ática, 2005.

BUSATTO, C. A arte de Contar Histórias no século XXI: tradição e ciberespaço.3 ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.

BEDRAN, B. Impressões de uma contadora de histórias (meu encontro com a arte narrativa). In, PRIETO, B. (Org). Contadores de Histórias: um exercício para muitas vozes. São Paulo: Scipione, 1995. cap.8. p.59-65.

HAMPATÉ, A. A tradição viva. In: KI- ZERBO, J. História Geral da África.2 ed. Brasília: Unesco, 2010. cap 7. Pag. 139-166.

LARROSA, J. Tremores: Escritos sobre a experiência. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2014.

SANTOS, D. Andando como tartarugas. 2017. 01 Fotografia Digital.

SANTOS, D. Deixando as asas e voltando a ser crianças. 2017. 01 Fotografia Digital.

VANSINA, J. A tradição oral e sua metodologia. In KI-ZERBO, J. História Geral da África. 2 ed. Brasília: Unesco, 2010. cap 7. pag 139-166.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Cadernos de Estudos e Pesquisa na Educação Básica - ISSN: 2447-6943

Indexadores: