Atividades sobre gráficos em aula de Matemática do Projovem Urbano: reflexões sobre o letramento estatístico

Claudia Costa dos Santos, Liliane Maria Teixeira Lima de Carvalho

Resumo


Neste estudo apresentamos algumas reflexões sobre o trabalho com gráficos a partir de observação realizada em uma aula de Matemática do Programa Projovem Urbano. Esse Programa é parte de uma política pública oficial do governo brasileiro baseada numa perspectiva de participação cidadã, elevação na escolaridade e  qualificação profissional de jovens de 18 a 29 anos que não concluíram o Ensino Fundamental. A proposta curricular de Matemática prevê o ensino de Estatística, particularmente o trabalho com gráficos e tabelas em todas as unidades formativas. Pesquisadores apontam à importância do letramento estatístico para o desenvolvimento da cidadania. Ser letrado nessa área significa, por exemplo, perceber as armadilhas que se põem numa informação veiculada por meio de gráficos, em parte devido a utilização frequente dessas representações em diversos contextos. Na aula observada havia nove alunos e a professora propôs uma atividade de pesquisa sobre tipos de telefones e celulares. Embora a atividade tenha  incluído diferentes etapas do tratamento da informação e seu conteúdo fosse familiar aos alunos, as situações didáticas exploradas foram conduzidas a partir de algumas práticas tradicionais. Atividades sobre o ensino de gráficos são possíveis no currículo integrado do Projovem, contudo, faz-se necessário uma ênfase na formação continuada desses docentes direcionadas à perspectiva do letramento estatístico.


Palavras-chave


Projovem; Ensino de gráficos; Letramento estatístico.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.36397/emteia.v5i3.2197

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

ISSN 2177-9309

Contato: revista.emteia@ufpe.br