QUATRO ASPECTOS NECESSÁRIOS PARA SE PENSAR O ENSINO DE MATEMÁTICA PARA SURDOS

Fábio Alexandre Borges, Clélia Maria Ignatius Nogueira

Resumo


No presente artigo, propomos uma discussão acerca do ensino de Matemática para surdos, a qual acreditamos contemplar tanto o ensino dito inclusivo quanto o especializado. Essa discussão se originou de pesquisa bibliográfica realizada para sustentação teórica de uma investigação mais ampla que levamos a cabo durante os anos de 2011 a 2013, buscando compreender como acontece a construção do conhecimento matemático de alunos surdos inclusos, com a mediação dos Tradutores e Intérpretes de Língua de Sinais. Para isso, buscamos na literatura as principais características desse ensino que precisam ser consideradas, caso se almeje um ensino de Matemática de boa qualidade para os alunos surdos. De nossas leituras, surgiram quatro aspectos a serem destacados no presente texto: (1) O início da escolarização do aluno surdo e a Matemática escolar; (2) Problemas matemáticos e alunos surdos; (3) Oralismo, Bilinguismo e ensino de Matemática para surdos, e (4) Por uma exploração maior das experiências visuais no ensino de Matemática para surdos. Ao final, propomos uma reflexão acerca da importância de se considerar as principais características apontadas pelas pesquisas aqui tratadas que, de maneira geral, apontam que não devemos tratar os “diferentes” de maneiras iguais no ensino de Matemática.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.36397/emteia.v4i3.2226

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

ISSN 2177-9309

Contato: revista.emteia@ufpe.br