O CURRÍCULO MÍNIMO DO 6°ANO: PERSPECTIVAS E POSSIBILIDADES NA GEOGRAFIA ESCOLAR

Adriana Ferreira da Silva, Rafael de Souza Dias

Resumo


Em 2011, o governo do Estado do Rio de Janeiro através da SEEDUC divulgou o currículo mínimo que seria aplicado em todas as escolas da rede estadual de educação, sendo notória a necessidade do professor de Geografia de refletir sobre a proposta. Dessa forma, o presente trabalho tem como objetivo analisar de forma crítica o currículo de Geografia para o 6° do Ensino Fundamental proposto pela Secretaria Estadual de Educação do Rio de Janeiro e refletir sobre as possibilidades de aplicação da proposta diante do processo de renovação da Geografia nas últimas décadas. Nesse sentido, utilizou-se como base a história da Geografia escolar brasileira durante a análise do citado currículo. Verificou-se que o currículo proposto está pautado na Geografia Clássica enfatizando uma ciência neutra, com uso de aspectos descritivos e da memorização. Sendo assim, com a análise percebeu-se que este delimita o trabalho do professor e impossibilita novas pesquisas e discussões na formação de cidadãos críticos, o que torna a possibilidade de aplicação da proposta desfavorável para os educadores em função da renovação vivenciada pela Geografia a partir da década de 1970.    


Palavras-chave


currículo mínimo, geografia clássica, geografia crítica.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.51359/2594-9616.2019.240463



INDEXADORES E BASE DE DADOS

 

 

 

  

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 Creative Commons License

This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Autores que publicam nesta revista concordam com os seguintes termos: a) Autores mantém os direitos autorais e concedem à  revista o direito de primeira publicação, com o trabalho licenciado sob a Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional. b) Autores têm permissão e são estimulados a publicar e distribuir seu trabalho online (ex.: em repositórios institucionais ou na sua página pessoal), já que isso pode gerar alterações produtivas, bem como aumentar o impacto e a citação do trabalho publicado. c) Em virtude de aparecerem nesta revista de acesso público, os artigos são de uso gratuito, com atribuições próprias, em aplicações educacionais e não-comerciais.