A INICIAÇÃO À DOCÊNCIA EM GEOGRAFIA: UMA PONTE ENTRE EDUCAÇÃO SUPERIOR E EDUCAÇÃO BÁSICA

Raimunda Aurea Dias de Sousa, Francielma de Souza Gomes

Resumo


Iniciar a docência na condição de aluno estagiário é uma etapa em que se materializam teoria e prática e, por essa razão, exige estudos, discussões e reflexões. Assim, o presente trabalho objetiva refletir sobre a iniciação à docência em Geografia como ponte necessária entre a Educação Superior e a Básica para um processo contínuo de construção e reconstrução da prática docente, do ser professor. Para os alunos estagiários que passam a ter contato com o universo da sala de aula, ser acolhido pelos professores do curso na Universidade e poder relatar a experiência vivenciada, é relevante no sentido de desfazer práticas centralizadas no aulismo, nos livros didáticos e na memorização. Como resultado, destaca-se que as Licenciaturas precisam ser assumidas pelo conjunto dos docentes no processo formativo e não somente pelo responsável do estágio, para que, ao sair da universidade, não fique para os licenciandos, o vazio de uma formação que não o ensinou a ser professor.

 


Palavras-chave


Estágio Supervisionado; Educação Básica; Educação Superior; Iniciação à Docência

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL - Ministério da Educação - Conselho Nacional de Educação. Portaria Nº 38, de 12 de dezembro de 2007. Disponível em: . Acesso em 09/06/2016.

_________.Decreto Nº 7.219, de 24 de junho de 2010. Disponível em: < http://www.capes.gov.br/images/stories/download/legislacao/Decreto7219_Pibid_240610.pdf >. Acesso em 09/06/2016.

_________. Relatório de Gestão 2009-2014 produzido pela Secretaria de Educação Básica da CAPES e publicado em agosto de 2015. Disponível em < http://www.capes.gov>. Acesso em 01/07/2016.

________. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de professores na Educação Básica: Resolução CNE/CP n.º 2 de 19 de fevereiro de 2002, do Conselho Nacional de Educação, Brasília, 2002. Disponível< em: http://portal.mec.gov.br/ cne/arquivos/pdf/CP022002.pdf>. Acesso em 10/08/2016

________. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de professores na Educação Básica: Resolução CNE/CP n.º 2 de 1 julho de 2015, do Conselho Nacional de Educação, Brasília, 2015. Disponível em:< http://portal.mec.gov.br/index. php?option=com_docman&view=download&alias=17719-res-cne-cp-002-03072015&category_slug=julho-2015-pdf&Itemid=30192. Acesso em 12/08/2016

________ Ministério da Educação – Fundação Capes. PIBID – Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência. Disponível em: http://www.capes.gov.br/educacao-basica/capespibid. Acesso em 20/09/2014.

CARVALHO, Anna Maria Pessoa de. A influência das mudanças da legislação na formação dos professores: as 300 horas de estágio supervisionado. Ciência e Educação, São Paulo, v. 7, n. 1, p.113-122, jan. 2001.

CAMPOS, Margarida de Cássia. A formação do professor de geografia: a difícil construção do saber/fazer docente. Geosaberes, Fortaleza, v. 3, n. 6, p.3-15, dez. 2012.

CACETE, Núria Hanglei. Formação do professor de geografia: sobre práticas de ensino e estágio supervisionado. Revista Casa da Geografia de Sobral, Sobral/CE, v. 7, n. 2, p.3-11, jul. 2015.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários a prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 2011.

GADOTTI, Moacir. Concepção dialética da educação: um estudo introdutório. São Paulo: Cortez,1997.

GATTI, Bernadete A. A formação inicial de professores para a Educação Básica: as licenciaturas. Revista USP. São Paulo, n 100.p.33-46, dez/jan/fev. 2013-2014

KIMURA, Shoko. Geografia no Ensino Básico: Questões e propostas. São Paulo.2ed: Contexto, 2014.

LUDKE Menga; CRUZ, Giseli Barreto da. Aproximando universidade e escola de educação básica pela pesquisa. Cadernos de Pesquisa, v. 35, n. 125, p. 81-109, maio/ago. 2005.

LOPES JUNIOR, WILSON. Os diferentes saberes na formação do professor de geografia. Actageo.v. 4, n. 7, p.169-183, jul. 2010.

MELLO, Guiomar Namo de. Formação inicial de professores para a educação básica: uma (re)visão radical. São Paulo em Perspectiva, São Paulo, v. 1, n. 14, p.98-110, jun. 2000.

NÓVOA, Antonio. Professores imagem do futuro presente. Lisboa: Educa, 2009. Cap.02. p.30

NÓVOA, António et al. Nada substitui um bom professor: propostas para uma revolução no campo de formação de professores. In: GATTI, Bernadete Angelina (org.). Por uma política nacional de formação de professores. São Paulo: Unesp, 2013. Cap. 10. p. 199-210.

PENTEADO, Adriane de Lima. A profissionalidade docente para a educação básica de qualidade social: Possibilidade do Programa Institucional de Bolsa e Iniciação a Docência (PIBID). 2015. 175 f. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Católica do Paraná, Curitiba, 2015.

PIMENTA, Selma Garrido; LIMA, Maria Socorro Lucena. Estágio e docência: diferentes concepções. Revista Poíesis, [s.l], v. 3, n. 3, p.5-24, dez. 2005/06

PINHEIRO, Antonio Carlos. Dilemas da Formação do Professor de Geografia no Ensino Superior. In: CAVALCANTI, Lana de Souza. Formação de Professores: Concepções e Práticas em Geografia. Goiânia: Vieira, 2006. p. 91-108.

PICONEZ, Stela C. Bertholo. Magistério Formação e Trabalho Pedagógico: a prática de ensino e o estágio supervisionado. 15. ed. Campinas-SP: Papirus Editora, 2008.

SOUZA, Vanilton Camilo; ZANATTA, Beatriz Aparecida. Concepções de Prática de Ensino e Formação de Professores de Geografia In: CAVALCANTI, Lana de Souza. Formação de Professores: Concepções e Práticas em Geografia. Goiânia: Vieira, 2006. p.67 -87.

SOUZA NETO, Manoel Ferdandes de. Aula de Geografia. 2 ed. Campina Grande: Bagagem, 2008, p.28.

SOUZA, Raimunda Áurea Dias. Ensino e pesquisa em geografia. Revista de Ensino de Geografia: Uberlândia, v.7, n.12.p.71-81, jun.2016.

ZEICHNER, Kenneth M. A Formação Reflexiva dos Professores: Idéias e Práticas. Lisboa: Educa, 1993.




DOI: https://doi.org/10.38187/regeo2020.v3n1id242577

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

INDEXADORES E BASE DE DADOS