TORNAR-SE PROFESSOR DE GEOGRAFIA: uma análise à luz da teoria das representações sociais

Larissa Sousa Mendes

Resumo


O ser professor de geografia tem sua essência no sentido que se atribui a esse fato materialmente percebido e que nos permite identificá-lo. Este fenômeno tem uma essência que não se reduz apenas ao fato do ser professor enquanto titulação concedida por uma universidade, mas também compreende o sentido real e ideal atribuído, com suas representações que são, ao mesmo tempo, estruturantes e estruturadas por uma realidade percebida. Diante disso, o presente estudo objetivou identificar a representação social do ser professor de geografia partilhada pelos discentes do curso de Licenciatura em Geografia da Universidade Estadual do Piauí- UESPI, em Teresina-PI e comparar as representações dos alunos que estão no início da graduação com aqueles que se encontram na condição de concludentes do mesmo curso. Para tanto, buscou-se apoio na Teoria das Representações Sociais, proposta por Moscovici (1969). Os dados da pesquisa foram produzidos com base no Teste de Associação Livre de Palavras (TALP). A análise dos dados realizou-se conforme a análise de conteúdo categorial com base em Bardin (1986). Como resultados, identificou-se que as representações sobre o ser professor de geografia ocorrem em uma esquematização entre aspectos objetivos, vinculados à baixa remuneração salarial e aspectos subjetivos, relacionados ao sentido do processo de ensino e aprendizagem. Dessa convergência entre o social e o subjetivo os discentes formam a sua consciência, orientando o modo próprio de pensar e agir em relação a profissão docente.


Palavras-chave


Representações sociais; Professor; Geografia.

Texto completo:

PDF

Referências


ARROYO, Miguel G. Oficio de Mestre: imagens e auto-imagens. 11. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2001.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edição 70, 1986.

BICUDO, M. A. V. Pesquisa qualitativa olhada para além dos seus procedimentos. In: BORBA, M; ARAUJO, J. L. (Orgs.). Pesquisa qualitativa segundo a abordagem fenomenológica. São Paulo: Cortez, 2011. p. 11-29.

BORDIEU, P. Escritos de Educação. 4.ed. Petrópolis-RJ: Vozes, 2002.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional: Lei n. 9394/96. 3. ed. Brasília: Câmara dos Deputados, Coordenação de Publicações, 2005.

CALLAI, Helena Copetti. A formação do profissional da geografia: (O professor). 2. Ed. Ijuí: Unijuí, 2013.

CAVALCANTI, L. de S. Geografia, escola e construção de conhecimento. Campinas – SP: Papirus, 1998.

DELORS, J. Educação: um tesouro a descobrir. São Paulo, Cortez, 1998.

EVANGELISTA, Armstrong Miranda. etall. Fundamentos de didática da geografia. Teresina-PI: EDUFPI/UAPI, 2010.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia. 43. ed. Rio de Janeiro. Paz e Terra, 2011.

GADOTTI, Moacir. Perspectivas atuais da educação. Porto Alegre, Ed. Artes Médicas, 2000.

GIROUX, Henry A. Os professores como intelectuais: rumo a uma pedagogia crítica da aprendizagem. Tradução Daniel Bueno. Porto Alegre: Artes médicas, 1997.

GRAVES, Robert. Os Mitos Gregos I. Tradução de Fernanda Branco. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1990.

JODELET, D. Representações Sociais: um domínio em expansão. In. JODELET, D. (Org.) As representações sociais. Rio de Janeiro. EdUERJ. 2001.

KAERCHER, N. A. Desafios e utopias no ensino de Geografia. 3.ed. Santa Cruz do Sul-RS, EDUNISC, 2007.

LIBÂNEO, José C. Didática. São Paulo: Cortez, 1994.

MINAYO, M. C. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. Rio de Janeiro: HUCITEC, 1994.

MONBEIG, P. Papel e Valor do Ensino da Geografia e de sua Pesquisa. IBGE – Conselho Nacional de Geografia, Rio de Janeiro. 1956.

MOSCOVICI, Sergi. A Representação Social da Psicanálise. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1978.

MORIN, Edgar. A cabeça bem- feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. 11 ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005.

NÓVOA, Antônio. Concepções e práticas da formação contínua de professores: In: Nóvoa A. (org.). Formação contínua de professores: realidade e perspectivas. Portugal: Universidade de Aveiro, 1991.

PONTUSCHKA, Nídia Nacib; PAGANELLI, Tomoko, Iyda; CACETE, Núria Hanglei. Para ensinar e aprender Geografia. São Paulo: Cortez, 2009.

SANTOS. C.S; ANDRADE, F. C. Representações Sociais e formação do professor: revelando interseções do discurso. 1. ed. João Pessoa: Editora Universitária/ UFPB. 2002.

SEABRA, M.F.G. Estudos Sociais e vulgarização do magistério e do ensino de 1° e 2° graus. Boletim Paulista de Geografia, Associação dos Geógrafos Brasileiros- Seção São Paulo, n° 58, 1981.

SILVA, Josélia Saraiva. Habitus docente e representação social do “ensinar geografia” na educação básica de Teresina- Piauí. Tese. (Doutorado em Educação). Faculdade de Educação. Universidade Federal do Rio Grande no Norte. 2007.

TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. 11. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002.

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1984, p.97.




DOI: https://doi.org/10.51539/2594-9616.2020.247977

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

INDEXADORES E BASE DE DADOS

 

 

 

  

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 Creative Commons License

This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Autores que publicam nesta revista concordam com os seguintes termos: a) Autores mantém os direitos autorais e concedem à  revista o direito de primeira publicação, com o trabalho licenciado sob a Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional. b) Autores têm permissão e são estimulados a publicar e distribuir seu trabalho online (ex.: em repositórios institucionais ou na sua página pessoal), já que isso pode gerar alterações produtivas, bem como aumentar o impacto e a citação do trabalho publicado. c) Em virtude de aparecerem nesta revista de acesso público, os artigos são de uso gratuito, com atribuições próprias, em aplicações educacionais e não-comerciais.