MORFOLOGIA DA PLATAFORMA CONTINENTAL DO MUNICÍPIO DE LUÍS CORREIA – PIAUÍ

Jeziel Pena Forte Lopes, Jéssica Patricia Capistrano Lins, João Capistrano de Abreu Neto, Daniel de Ponti Souza, George Satander Sá Freire

Resumo


A área de estudo está localizada na plataforma continental do município de Luís Correia, no estado do Piauí, região ainda pouco estudada, no contexto da bacia do Ceará, especificamente a sub-bacia do Piauí-Camocim. Dada à falta de estudos nesta área, foi considerado importante realizar uma caracterização morfológica da plataforma continental de Luís Correia. Para desenvolver este trabalho foram utilizadas imagens do satélite Landsat 8 para identificação das formas de fundo. Adquiridas no site do INPE, as imagens foram gravadas, filtradas e interpretadas nos softwares ArcGIS 10 e Envi 4.8, com a correção geométrica com base nas imagens do Geocover. Foram também utilizados dados batimétricos extraídos da base de dados ETOPO-1 no site NOAA, os quais foram validados de acordo com as cartas náuticas da Diretoria de Hidrografia e Navegação (DHN). Com os dados batimétricos foram traçados dois perfis, um na costa leste, outro na costa oeste da área e a elaboração de um mapa de declividade. Com isso, foi possível identificar algumas estruturas como os paleocanais associados à foz do rio Parnaíba e rio Portinho. Através dos perfis foi possível compartimentar a plataforma em interna, média e externa com a zona de quebra da plataforma continental ocorrendo a cerca de 80 km do continente. Exibe inclinação menor que 1º, pequenas variações ocorrendo, sendo a maior variação na plataforma externa e na zona de quebra da plataforma, onde a declividade muda abruptamente para uma inclinação de 8,5º, variação esta que ocorre a 80 km da linha de costa. Recomenda-se um estudo batimétrico mais detalhado para a melhor caracterização das feições submersas identificadas na área.

Palavras-chave


morfologia, imagens de satélite, dados batimétricos

Texto completo:

PDF

Referências


AGUIAR, J. E., 2014. Contribuição ao estudo da mineralogia de sedimentos na plataforma continental dos Estados do Ceará, Piauí e Maranhão através da microscopia analítica SEM/EDS. Tese de doutorado, Pós-graduação em Ciências Marinhas Tropicais – UFC. 173p.

Baptista Neto, J. A., Silva, C. G., 2004. Morfologia do Fundo Oceânico. In: Baptista Neto, J. A., Ponzi, V. R. A., Sichel, S. E. (Orgs) Introdução à Geologia Marinha. Interciência p.31-51.

Beltrami, C.V., Caldeira, J.L., Freitas, R.W., 1989. Análise sismoestratigráfica dos sedimentos Oligo/ Miocênicos da Bacia do Ceará águas profundas. Sintex – I Seminário de Interpretação Exploratória. Rio de Janeiro, Petrobras/Depex. p. 185-194.

Beltrami, C. V., Alves, L. E. M., Feijó, F. J., 1994. Bacia do Ceará. Boletim de Geociências da Petrobras, 8:117-125.

Costa, M. P., Beltrami, C. V., Alves, L. E. M, 1989. A evolução tectono-sedimentar e o Habitat do óleo da bacia do Ceará. Boletim Técnico da Petrobrás, 4:65-74.

Costa, M. P., Beltrami, C. V., Alves, L. E. M., 1990. A evolução tectono-sedimentar e o Habitat do óleo da bacia do Ceará. Boletim Técnico da Petrobrás, 4: 65-74.

Dias, C. B., Barros, E. L., Morais, J. O., 2011. Granulados marinhos na Plataforma Continental N/NE do Brasil: Ensaio metodológico. In: XIII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário – ABEQUA. Rio de Janeiro.

Morais Neto, J. M., Neto, O. C. P., Lana, C. C., Zalán, P. V, 2003. Bacias sedimentares brasileiras – Bacia do Ceará. Fundação Paleontológica Phoenix, Aracaju, 57.

Suguio, K., 2003. Geologia Sedimentar. Edgard Blucher, São Paulo, 416 p.

Kennet J. P., 1982. Marine Geology. Prentice Hall Englewood Cliffs, New Jersey, 813 p.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.